Exportar (0) Imprimir
Expandir Tudo
Expandir Minimizar

Planejando o projeto de atualização de infra-estrutura

Planejar

Publicado em: 30/11/2006

A equipe de recursos de atualização de infra-estrutura executa a maior parte de seu trabalho durante a Fase Planejar. Ela também é uma das primeiras equipes a ser requisitada durante o projeto, pois seus resultados finais — principalmente os resultados finais da Fase Planejar — afetam as Fases Planejar e Desenvolver de implantação dos computadores.

As informações obtidas durante a Fase Planejar ajudam outras equipes e grupos de funções a criarem um ambiente de teste o mais parecido possível do ambiente de produção. Para isso, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura trabalhará junto com a equipe de recursos de teste, pois essa última é responsável por todos os testes durante a implementação da solução. O aspecto mais importante da etapa de teste é o teste do piloto por ser o último estágio de teste antes da implantação real. O teste do piloto duplica a implantação de produção real da forma mais semelhante possível e é usado para validar cada parte da solução geral antes de sua operação no ambiente de produção. Para oferecer suporte ao teste dos aspectos mais cruciais da solução, o ambiente do piloto conterá, de preferência, uma parte real do ambiente de produção e incluirá o maior número de fatores possível que represente esse ambiente. Para obter mais informações sobre um teste de piloto, consulte o Test Feature Team Guide (em inglês).

A figura 3 ilustra as principais tarefas que ocorrem durante a Fase Planejar.

Bb456427.SE_InfraRem03(pt-br,TechNet.10).gif

Figura 3. Planejando para oferecer suporte à implantação e à operação
Nesta página

Funções e responsabilidades
Análise da situação
Coletar inventários
Executar análise inicial de inventário
Etapa: Inventários concluídos
Modificações na infra-estrutura proposta
Criar o plano de implantação
Suporte técnico
Análise do risco
Exemplo de pesquisa do Woodgrove
Etapa: Plano de implantação aprovado

Funções e responsabilidades

A tabela 3 lista as áreas de enfoque dos diferentes grupos de funções para criação do plano que oferece suporte à implantação e à operação.

Tabela 3. Funções e responsabilidades durante a Fase Planejar

Grupo de funções

Foco

Gerenciamento de produto

  • Análise dos requisitos comerciais

  • Plano das comunicações

Gerenciamento de programa

  • Plano de projeto

  • Agendamento de projeto

  • Orçamento

Desenvolvimento

  • Avaliação da tecnologia

  • Design lógico e físico

  • Plano e agendamento da implantação

  • Estimativas da implantação

Experiência do usuário

  • Cenários e casos de uso

  • Requisitos do usuário

  • Requisitos de localização e acessibilidade

  • Documentação do usuário, plano de treinamento e agendamento do teste de usabilidade

  • Documentação do usuário

  • Treinamento

Teste

  • Avaliação do design

  • Metodologia de teste

  • Requisitos de teste

  • Plano e agendamento do teste

Gerenciamento da liberação

  • Avaliação do design

  • Requisitos das operações

  • Plano e agendamento do teste do piloto e da implantação

Análise da situação

A Fase Planejar de qualquer projeto de implantação requer a coleta de informações que ajudarão a compreender o ambiente existente e modificá-lo conforme necessário para assegurar uma implantação bem-sucedida. A execução de um projeto desse porte resultará em alterações com efeitos de longo alcance para os usuários. O objetivo é minimizar as interrupções no negócio durante a execução do processo que deverá ser o mais rápido possível.

As respostas às perguntas a seguir impulsionarão a Fase Planejar:

  • Quantos computadores (cliente e portáteis) há na organização?

  • Qual é a proporção de computadores por usuários? Há mais computadores do que usuários ou o contrário?

  • Há possibilidades de racionalização ou redução de recursos — computadores, aplicativos e software — neste projeto? A racionalização efetiva reduz o nível de esforço necessário a uma implantação bem-sucedida.

  • Quantos computadores podem ser atualizados sem que seja necessário hardware adicional? Quantos precisarão de atualizações de hardware? Haverá um volume de compras de novos sistemas?

  • Em relação ao conjunto de aplicativos existente na organização, quantos serão atualizados para versões mais atuais? Por exemplo, várias organizações decidem implementar uma nova versão do software de produtividade de escritório ao mesmo tempo em que executam a atualização de um sistema operacional.

  • Em quanto tempo a migração poderá ser concluída usando a infra-estrutura existente?

  • Se forem necessárias alterações na infra-estrutura existente, onde ocorrerão os maiores retornos de investimento em recursos adicionais?

  • Essas informações poderão ajudar outros projetos atuais ou futuros?

  • Essa é uma coleta de informações de infra-estrutura de uso único ou essas informações podem ser reutilizadas?

Coletar inventários

As seguintes informações são necessárias para as respostas às perguntas da Fase Planejar:

  • Descrição estrutural do negócio. Essas informações descrevem a estrutura da empresa, incluindo um mapa geográfico com a localização de cada um dos escritórios (caso haja mais de um) e o número de usuários em cada um deles. Além disso, essas informações devem incluir um organograma da empresa que descreva cada área funcional e o número de usuários em cada uma delas. Também convém incluir outras informações organizacionais, como a visão e a missão do negócio. Essa última informação é útil pois mantém os consultores externos rapidamente atualizados em relação à natureza do negócio para a organização.

  • Inventários de hardware e software. Essas informações devem ser transmitidas na forma de um diagrama e devem ser as mais atuais possíveis. Para começar, um mapa geográfico poderá exibir o número e a função dos computadores por local. Além disso, ele deverá incluir informações específicas sobre cada computador. As informações válidas devem incluir:

    • Tipo e modelo de computador.

    • Especificações da CPU.

    • Quantidade de RAM.

    • Partições de disco e quantidade de espaço livre em disco.

    • Número de perfis de usuário no computador e o tamanho de cada perfil, além de informações sobre a data do último acesso.

    • Lista dos aplicativos no computador, com informações sobre a data do último acesso e quem acessou por último.

    • Informações adicionais, como ano da compra, tempo restante da garantia ou o plano de suporte.

    • Requisitos multilíngües, se houver.

      Observação   Em ambientes em que essas informações não estão prontamente disponíveis, talvez seja demorado obtê-las. Esse fator tempo deve ser incluído no plano do projeto, pois afetará a linha de tempo do projeto.

  • Diagrama de infra-estrutura da rede. Essas informações devem ser transmitidas na forma de um diagrama de rede e devem ser as mais atuais possíveis. O diagrama geralmente deve incluir um mapa de rede geográfico que descreva os links de rede local (LAN) e de rede de longa distância (WAN), bem como velocidades e largura de banda disponível. Ele também deve incluir conexões de acesso remoto e o número de usuários remotos e sua localização. Se padrões comuns de tráfego, como cargas de pico, forem identificáveis, eles também deverão ser incluídos. Finalmente, o diagrama deve incluir o esquema de endereçamento da rede.

  • Documentação da infra-estrutura do serviço. Essas informações devem ser transmitidas na forma de um diagrama de servidor e devem ser as mais atuais possíveis. O diagrama deve incluir uma descrição de cada servidor localizado em qualquer local e sua função na rede geral. Ele também deve incluir informações sobre os seguintes tipos de serviço:

    • Autenticação e outros serviços de segurança

    • Serviços de colaboração, como email, espaços de trabalho de equipes e mensagem instantânea

    • Serviços de arquivo e impressão, incluindo tamanho do servidor e espaço em disco disponível

    • Serviços de replicação em uso no momento tanto para serviços de autenticação quanto para serviços de arquivo

  • Documentação de gerenciamento da infra-estrutura. Essas informações devem estar na forma de um diagrama que descreva o modo de gerenciamento dos sistemas de rede dentro da organização e deve ser as mais atuais possíveis. O diagrama deve incluir informações específicas sobre o seguinte:

    • Gerenciamento de computadores cliente, incluindo computadores portáteis e remotos

    • Kit de ferramentas de gerenciamento que descreva os nomes dos aplicativos, o número de servidores envolvidos no kit e sua função e capacidade de crescimento

    • Estrutura de suporte técnico que descreva as funções e as responsabilidades da equipe envolvida no gerenciamento de computadores e no suporte a computadores

    • Padrões e procedimentos em uso no momento para gerenciamento de computadores que, de preferência, incluam informações como compilações existentes de sistema atuais e metodologia de compilação, bem como o gerenciamento do portfólio de aplicativos e as práticas de uso

  • Banco de dados ACT (Kit de Ferramentas de Compatibilidade de Aplicativos) Esse banco de dados auxiliará bastante na preparação do inventário necessário à execução da implantação. Todas as informações obtidas durante a execução dessa ferramenta são armazenadas em um banco de dados. O banco de dados inclui dados específicos de aplicativo, e também informações básicas relativas ao hardware do computador. Ele também fornece informações úteis sobre a compatibilidade dos aplicativos com o Windows XP com Service Pack 2 (SP2) e o Windows Vista. O banco de dados também pode funcionar como uma ferramenta de inventário caso nenhuma outra ferramenta automatizada esteja disponível. Se os leitores precisarem usar essa ferramenta para inventário, consulte o Guia da equipe de recursos da compatibilidade de aplicativos para obter exemplos específicos dos tipos de consultas a serem executadas nesse banco de dados e informações sobre a ferramenta.

  • Lista de problemas de suporte técnico. Uma lista existente dos problemas atuais relacionados a sistemas operacionais e compilações de computador também é um ativo valioso na preparação de uma estratégia de implantação do BDD 2007. A identificação desses problemas e solução do maior número possível deles durante a preparação da compilação do novo sistema operacional contribuirá bastante para dar uma boa impressão do projeto aos usuários durante a implantação.

    Importante   O envolvimento do suporte técnico antecipadamente no processo ajudará a própria equipe de suporte e os usuários durante a implantação. A comunicação da lista de problemas conhecidos à organização ajudará a reduzir os custos adicionais com suporte técnico associados à implantação de computadores.

Sem esses diagramas atuais e informações documentadas, é impossível compreender o modo de interação das várias partes do projeto BDD 2007 e saber como elas podem afetar a entrega da solução. Vários métodos estão disponíveis para a coleta dessas informações. De preferência, uma ferramenta de gerenciamento de sistema automatizada estará em vigor e ajudará a reunir essas informações. Caso contrário, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura deverá usar outros métodos ou estimar esses valores.

Observação   Os valores estimados não servirão de base para um orçamento apropriado nem para as estimativas de resultado final do projeto. Em um determinado momento, o projeto deverá ter dados e valores reais; caso contrário, ele não será bem-sucedido.

Executar análise inicial de inventário

Em geral, um orçamento e um plano de projeto são os primeiros resultados finais criados durante a Fase Planejar da implantação de desktops. Esse resultado é responsabilidade das equipes de planejamento, criação e implantação, mas é responsabilidade da equipe de recursos de atualização de infra-estrutura fornecer as melhores informações disponíveis sobre o seguinte:

  • O número de computadores que estão sendo implantados

  • O número de computadores que necessitam de atualização para o hardware existente

  • O número de computadores que devem ser substituídos antes da implantação da nova imagem de computador

Durante a implantação de projetos desse tipo, as organizações geralmente atualizam vários sistemas podendo, inclusive, optar por substituir alguns computadores obsoletos. Nesses casos, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura poderá optar por substituir o hardware durante a migração. Embora isso possa afetar o orçamento e a linha de tempo do plano do projeto, é mais conveniente fazer a atualização nesse momento do que adiar a substituição de grande parte dos computadores, o que resultará em um projeto incompleto.

Importante   Ao determinar os requisitos mínimos de hardware de computador para a organização, inicie com os requisitos de imagem base e mais qualquer aplicativo a ser executado simultaneamente em cada computador. Em seguida, considere como fator o espaço para ampliação nos próximos três ou quatro anos, dependendo do ciclo de vida do hardware.

Ao determinar os requisitos do computador, certifique-se de que todo o hardware seja incluído na HCL. (Para obter informações sobre a HCL, consulte a seção “Formação e referências” deste guia.) Além disso, especifique qualquer requisito mínimo de rede adicional ou alteração necessária na configuração. Essas informações incluem o hardware de servidor adicional para gerenciamento das imagens durante a implantação e armazenamento de informações de usuários antes e depois do processo de atualização.

Também será importante examinar o portfólio de aplicativos e determinar quais deles serão atualizados, quais serão substituídos e quais serão migrados na versão existente. De preferência, também será realizada uma racionalização ou uma redução de aplicativos para diminuir o esforço necessário à implantação. É possível que alguns aplicativos do portfólio não consigam ser operados no sistema operacional de destino e precisem de outras soluções de atualização. A equipe de recursos da compatibilidade de aplicativos fornece esse inventário de aplicativos, bem como a lista de aplicativos incompatíveis e procedimentos de atualização (se houver) para o aplicativo a ser reimplantado. É de responsabilidade da equipe de recursos de atualização de infra-estrutura fornecer o inventário de portfólio existente e o número de aplicativos instalados.

Etapa: Inventários concluídos

Nesta etapa, os inventários estarão concluídos e alguns relatórios iniciais terão sido criados. A tabela 4 descreve os resultados finais associados a esta etapa.

Tabela 4. Resultados finais durante a Fase Planejar

ID do resultado final

Descrição

Principais inventários e diagramas de infra-estrutura

Esses documentos servem para descrever a estrutura da infra-estrutura atual e mostrar como ela será afetada pela implantação.

Modificações na infra-estrutura proposta

Duas tarefas principais deverão ser executadas após a coleta dos inventários iniciais e da documentação da infra-estrutura. A primeira será definir o escopo da implantação. A segunda será determinar os requisitos de infra-estrutura para oferecer suporte à implantação. Se os serviços de rede existentes puderem fornecer essa infra-estrutura, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura estará preparada; caso contrário, a equipe deverá executar tarefas de atualização.

Definir o escopo da implantação

O escopo da implantação é determinado pelo número de computadores a serem migrados e sua localização na infra-estrutura de rede. A primeira tarefa para concluir essa atividade consiste em determinar qual será a linha de base do hardware do computador. Vários padrões de computador estão listados no Plan , Build , and Deploy Guide (em inglês). Dependendo dos requisitos comerciais e de aplicativo da organização, as especificações poderão ou não ser apropriadas. Entretanto, é importante criar especificações para os computadores padrão da organização. Elas devem abranger computadores cliente e portáteis.

Também são necessárias contagens precisas de aplicativos e computadores para determinar esse escopo. Nesse estágio, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura deverá ter uma idéia geral do escopo da implantação e agora poderá usar as informações coletadas nessa fase para refiná-la, bem como os objetivos da implantação. Essas informações ajudarão a estabelecer a linha do tempo e o orçamento do projeto. Os custos adicionais surgidos posteriormente no projeto poderão aumentar as datas dos resultados finais e resultar em atrasos inesperados ou paralisações do trabalho. Convém determinar o número de computadores ou permitir essa estimativa para ajudar a evitar qualquer problema inesperado durante a execução do projeto.

Observação   O envolvimento das operações de TI antecipadamente na implantação poderá diminuir problemas de gerenciamento dos computadores existentes ou adicionais após a conclusão da implantação. Por exemplo, as operações de TI estariam mais bem preparadas para manter a implantação se o departamento soubesse a futura disposição dos servidores usados durante a implantação e pudesse planejá-la.

A equipe de recursos de atualização de infra-estrutura pode fornecer essa solução de várias maneiras. Por exemplo, ela pode preparar todos os sistemas em uma área de preparação personalizada. Embora esse procedimento forneça a solução de implantação mais estável, ele exige um rodízio de computadores e recursos adicionais na mudança de computadores de uma mesa do usuário para outra. A equipe também pode executar implantações ou instalações autônomas in-loco em sistemas enquanto permanecerem nas mesas dos usuários. Essa abordagem exige procedimentos especiais para assegurar o funcionamento adequado da instalação em cada situação, além de exigir mais largura de banda devido ao uso da rede de produção para a implantação.

Na maioria das situações, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura descobrirá que um único técnico é capaz de gerenciar a implantação de, no mínimo, 20 computadores diariamente, talvez mais, em circunstâncias apropriadas. Essa taxa de implantação poderá diminuir dependendo de fatores como proximidade física dos computadores a serem implantados, complexidade do conjunto de aplicativos a serem implantados no computador, o processo de implantação — instalação autônoma, atualização ou substituição — e a precisão das informações de inventário para esse computador. O último — o perfil de instalação do computador — será um componente crucial necessário à equipe de recursos de implantação quando ela realmente realizar as implantações.

Para determinar o escopo inicial, use uma métrica baseada nas seguintes informações:

  • Número de técnicos disponíveis durante a implantação

  • Disponibilidade dos recursos de implantação

  • Número de computadores em cada local de implantação

  • Estratégia de implantação a ser usada

  • Complexidade dos aplicativos a serem reinstalados

  • Número de computadores que necessitarão de substituição ou atualizações de componentes

Observação   Os computadores que exigirem substituição ou atualizações precisarão de mais tempo, pois deverão ser fisicamente modificados. A migração dos computadores que estiverem prontos para o novo sistema operacional será mais rápida, já que nenhum trabalho físico será realizado neles.

Outros parâmetros devem ser avaliados para determinar o escopo completo do projeto, mas a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura só é responsável por dois fatores: o escopo da implantação real e o escopo das modificações necessárias na infra-estrutura atual de computadores para oferecer suporte a uma implantação desse tipo. O “Apêndice A: Fazendo o inventário da rede” descreve o processo inicial usado para determinar as informações de inventário necessárias ao suporte da definição do escopo da implantação.

Determinar as modificações necessárias na infra-estrutura

A implantação real depende de várias tecnologias para a operação apropriada. A maioria delas está na forma de compartilhamento de arquivo em algum local na rede. Na verdade, três das quatro principais funções de servidor de implantação consistem em compartilhamentos simples de arquivos:

  • Função de servidor de implantação. Essa função é usada para armazenar todas as informações de implantação e kits de ferramentas a serem usados durante a migração. Ela também armazena arquivos de imagem do sistema operacional, incluindo as imagens necessárias do Ambiente de Pré-instalação do Microsoft Windows (Windows PE).

  • Função de servidor de migração de perfil do usuário. Essa função é usada para armazenar perfis de usuário de forma temporária ou permanente, dependendo da abordagem selecionada. À medida que os computadores vão sendo implantados, perfis de usuário existentes são capturados para essa função de servidor e, em seguida, extraídos desse servidor para serem restaurados no computador atualizado.

  • Função de servidor de instalação de aplicativo. Essa função é usada para armazenar os arquivos de instalação pré-empacotados para os aplicativos a serem reimplantados após a substituição do sistema operacional.

  • Windows DS. Essa função não é necessariamente uma função de servidor de arquivos, mas é muito semelhante a ela, pois não só armazena as imagens de instalação de operação, mas também as imagens a serem usadas pelo Windows DS. Por isso, ela assemelha-se a um compartilhamento de arquivo, pois inclui informações que talvez precisem ser reproduzidas em vários locais. Para obter mais informações sobre o Windows DS, consulte a seção “Formação e referências” neste guia.

Como os componentes de implantação são, na maioria, compartilhamentos de arquivo, uma tecnologia de replicação será necessária caso mais de um local seja incluído na infra-estrutura. Vários métodos podem ser usados para replicação. Por exemplo, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura pode simplesmente colocar todos os componentes em um servidor portátil ou em um disco rígido e transferi-lo de um local para outro durante a implantação. Ou, se uma infra-estrutura de gerenciamento de computadores já estiver em vigor, a equipe poderá contar com as funções de servidor existentes e usar uma tecnologia de replicação para copiar informações de um local para outro, conforme necessário.

O Windows Server 2003 R2 oferece um mecanismo de replicação excelente caso nenhum outro mecanismo esteja presente. O Serviço de Replicação DFS oferece suporte à replicação no nível de byte, de um local para outro, através de mecanismos de envio ou recepção, que significa que a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura pode criar um único ponto de distribuição a partir do qual arquivos mestres serão copiados para todos os servidores de distribuição remotos. O Serviço de Replicação DFS também pode ser usado para criar um mecanismo de recepção, para recuperação das capturas de imagem (backups) do sistema operacional e dos perfis de usuário existentes para armazenamento permanente durante o projeto. Para obter mais informações sobre o Serviço de Replicação DFS, consulte a seção “Formação e referências” neste guia.

A figura 4 ilustra a relação de replicação entre as funções de servidor de implantação. A infra-estrutura do Windows DS, juntamente com o serviço de inicialização PXE (Pre-Boot eXecution Environment), é mostrada implantada em quatro locais. O Serviço de Replicação DFS gerencia a replicação entre os locais, assegurando que todos os dados e dados de migração de perfis de usuário sejam mantidos consistentes entre os locais. Consulte o Lite Touch Installation Guide (em inglês) para obter mais informações sobre esses utilitários e suas relações.

Bb456427.SE_InfraRem04(pt-br,TechNet.10).gif

Figura 4. Requisitos de replicação em implantações geograficamente dispersas

Em suma, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura deve fornecer as seguintes informações para as equipes de planejamento, criação e implantação relativas às Fase Planejar do projeto:

  • Determinação do tempo de conclusão da implantação dos computadores, com base no ambiente atual

  • Decisão sobre onde poderão ser feitos os investimentos para acelerar a implantação e quais investimentos resultarão em maior valor para a organização

  • Ajuda para a criação e o planejamento de uma distribuição de ferramentas de gerenciamento de sistema na organização, se não houver nenhuma, e a organização decidir adquirir esse ativo valioso futuramente

  • Assistência à organização no estabelecimento de uma base que ajude a avaliar, planejar e diagnosticar as alterações necessárias na rede, no servidor, no cliente ou, até mesmo, nos aplicativos.

Observação   Um plano de gerenciamento de alterações e outros planos operacionais necessários são discutidos em mais detalhes no MOF. Para obter mais informações sobre o MOF, consulte a seção “Formação e referências” neste guia.

O “Apêndice B: Executando a atualização da infra-estrutura” descreve o processo usado para determinar as tarefas necessárias à atualização de uma infra-estrutura como suporte à implantação.

Criar o plano de implantação

Várias informações de infra-estrutura são necessárias para ajudar a definir em mais detalhes o plano de implantação de computadores. A largura de banda de rede disponível, a disponibilidade dos servidores de distribuição, o perfil de uso dos usuários e o suporte a mecanismos de comunicação de implantação sem fio ou outros fora do padrão fornecem informações importantes para o plano de implantação. A obtenção dessas informações requer a participação de outras equipes — incluindo a equipe de recursos de gerenciamento de aplicativos, a equipe de recursos de compatibilidade de aplicativos e a equipe de recursos de migração de perfil do usuário — em toda a organização. Por isso, é importante receber contribuições dessas equipes durante a Fase Planejar.

A equipe de recursos de atualização de infra-estrutura pode considerar também a criação de um plano de reversão da implantação. Esse segundo plano poderá ajudar a diminuir os riscos incorridos com a continuação da implantação em caso de situações imprevistas.

A coleta e o fornecimento dessas informações não são um exercício de etapa única. As tarefas evoluirão durante e após a implantação. Por exemplo, as operações de TI e a equipe de suporte técnico usarão essas informações diariamente à medida que a implantação for sendo realizada.

Suporte técnico

O suporte técnico de cada organização acompanha a freqüência das chamadas de assistência técnica. O número de chamadas específicas do sistema operacional recebidas pelo suporte técnico é particularmente interessante para a equipe de recursos de implantação. O Grupo de Funções de Experiência do Usuário deve observar essa métrica com atenção e tentar reduzir o número de chamadas de suporte através de tarefas, como campanhas de conscientização do usuário.

Por exemplo, um componente desses tipos de campanhas poderia envolver acompanhamento e publicação de todos os problemas conhecidos. Isso exigiria a criação de uma lista de problemas conhecidos no início da Fase Estabilizar de implantação de desktops. O suporte técnico pode trabalhar junto com o Grupo de Funções de Desenvolvimento para descobrir e resolver problemas a fim de oferecer um melhor suporte aos usuários que enfrentarem problemas posteriormente.

Em termos de atualização, uma equipe especial do suporte técnico deve ser dedicada à implantação, para lidar com problemas diretamente relacionados a ela e fornecer resoluções imediatas para esses problemas. Em geral, esse estado de grande volume de respostas deve durar por um período de um mês após a implantação e funcionar como um tipo de garantia para o computador recém-implantado.

Análise do risco

A tabela 5 lista os rótulos a serem usados pela equipe de recursos de atualização de infra-estrutura na preparação de um gráfico de gerenciamento de riscos. A obtenção de informações completas sobre cada risco beneficiará o Grupo de Funções de Gerenciamento de Programa na avaliação dos riscos e no desenvolvimento de planos de contingência.

Tabela 5. Estrutura gráfica de gerenciamento de riscos

Rótulo

Descrição

Identificação (ID)

Identificador de risco

Relato do Risco

Descrição do possível problema (condição e conseqüência)

Probabilidade

Probabilidade de o risco se transformar em problema (em uma escala de 1 a 5, do menor para o maior)

Perda

Relativa à possibilidade de perda (valor em dólar, em uma escala de 1 a 10, do menor para o maior)

Exposição

Exposição ao risco (produto da Probabilidade vezes a Perda)

Abordagem de Redução

Ação planejada para diminuir o risco

Plano de Contingência

Ação planejada em resposta a um risco que esteja ocorrendo ou seu disparador

Disparador

Evento ou valor que força uma implementação de contingência

Quem

Pessoa responsável pela ação

Data

Data da conclusão

A tabela 6 lista um exemplo dos riscos mais comuns que podem ocorrer em uma implantação desse tipo. Esses riscos poderão ou não representar um problema para essa implantação específica. Durante o gerenciamento de riscos, descreva completamente o risco, atribuindo uma probabilidade a ele, uma perda relativa, um cálculo de exposição e uma redução ou um plano de contingência. Também é importante atribuir um evento ou um valor disparador ao risco para ajudar a determinar o momento de início do plano de contingência para esse risco. Para diminuir o risco, é importante atribuir uma pessoa, e não um grupo, à ação e uma data específica para a conclusão da ação.

Tabela 6. Exemplos de riscos comuns

ID

Relato do risco

Relato do risco

Abordagem de redução

Plano de contingência

 

Condição

Conseqüência

 

 

1

Se a velocidade de conexão do computador não for rápida o suficiente...

...a implantação será mais lenta de acordo com a capacidade do comutador.

Verifique se a capacidade do comutador e a quantidade de dados que podem ser movidos abaixo da carga atenderão aos requisitos de implantação.

Faça uma atualização ou obtenha um comutador ou um blade maior para a implantação.

2

Se o servidor de implantação não tiver uma conexão de alta velocidade...

...a implantação será mais lenta de acordo com a capacidade da conexão da rede do servidor.

Verifique se o servidor está usando uma conexão de fibra em gigabits.

Obtenha uma conexão em gigabits para ser usada pelo servidor de implantação para a implantação.

3

Se os servidores de implantação não tiverem discos extremamente rápidos...

...a implantação será mais lenta de acordo com a entrada/saída do disco.

Verifique se o desempenho do disco oferecerá suporte ao número de computadores.

Obtenha discos mais rápidos ou até discos de rede de área de armazenamento para a implantação.

4

Se os servidores de implantação não tiverem condições para implantar todos os computadores na janela de tempo...

...a equipe de recursos de implantação não conseguirá concluir a atualização dentro do período de tempo determinado.

Obtenha servidores de implantação adicionais que sejam dimensionados para lidar com a quantidade de computadores e permitam a conclusão dentro da janela.

Obtenha um maior período de tempo de implantação.

5

Se a implantação causar interrupção no ambiente do cliente...

...isso afetará diretamente a produtividade dos clientes e poderá resultar em perda de trabalho.

Tente assegurar que nenhum dado seja perdido durante a implantação e que o processo não demore mais do que o esperado.

Implemente o plano de reversão da implantação.

6

Se o computador não atender aos requisitos mínimos de memória, CPU ou disco rígido para a implantação...

...ele não poderá ser atualizado.

Verifique no banco de dados de inventário se os computadores atendem aos critérios mínimos.

Atualize ou substitua os computadores que não atendem aos critérios mínimos.

7

Se a ferramenta de descoberta não conseguir acessar partes da rede por questões de segurança, falta de permissões ou falta de conectividade...

...a equipe de recursos de implantação não terá uma compreensão completa do ambiente.

Solicite informações ao grupo de rede apropriado para verificar se foi concedido o acesso adequado e se todos os locais dos computadores foram incluídos.

Nenhum

8

Se a equipe não compreender ou não puder interpolar os diagramas para identificar riscos...

...poderão ocorrer riscos desconhecidos durante a implantação.

Tente fazer com que a equipe apropriada, experiente e treinada seja integrada como parte das equipes de recursos de implantação e de gerenciamento da liberação.

Inclua recursos externos para verificar o ambiente.

9

Se o hardware (como o computador ou o servidor de origem) falhar durante a implantação...

...a equipe de recursos de implantação não conseguirá concluir a atualização dentro do período de tempo determinado.

Tente ter acesso a um hardware de backup ou de substituição.

Inclua um fator de segurança muito mais abrangente ao planejar a escalabilidade dos servidores de origem.

10

Se a execução paralela da implantação não ocorrer...

...a equipe de recursos de implantação não conseguirá concluir a atualização dentro do período de tempo determinado.

Verifique se há recursos adequados disponíveis para concluir a implantação de forma paralela.

Insira recursos extras para atuarem como equipe de reserva.

11

Se ocorrerem problemas catastróficos...

...a implantação deverá ser revertida para a configuração original.

Verifique se o processo de reversão pode ser concluído e defina o ponto em que não haverá mais retorno durante a implantação.

Nenhum

12

Se o ambiente de rede for instável, causando erros desconhecidos e imprevisíveis...

...a estabilidade da implantação estará em risco.

Verifique se a rede é estável antes de iniciar a implantação.

Inclua um hardware de rede conhecido e estável para funcionar como laboratório.

13

Se não existirem diretivas nem procedimentos de operação...

...a implantação e os planos de reversão correrão o risco de causar perda de dados.

Verifique se existem diretivas e procedimentos de operação e se eles estão sendo usados no momento por toda a equipe.

Implemente diretivas e procedimentos de operação.

14

Se não houver gerenciamento de alterações...

...a integridade dos ambientes atual e planejado correrão o risco de ficarem instáveis.

Verifique se existe um processo de gerenciamento de alterações e se ele é usado por toda a equipe.

Implemente um processo de gerenciamento de alterações

15

Se o Grupo de Funções de Gerenciamento de Liberação não estiver motivado a atender aos padrões necessários...

...a abrangência e o nível de esforço necessários não estarão no nível adequado.

Tente criar uma equipe coesa que não poupe esforços para concluir o trabalho.

Procure uma equipe coesa que não poupe esforços para concluir o trabalho em qualquer situação.

Importante   O gráfico de riscos comuns mostra um exemplo dos tipos de riscos que podem ser encontrados durante implantações de infra-estrutura. O gráfico deve ser um subconjunto de um gráfico separado, que liste todos os riscos identificados aos quais está sujeita a implantação. Por exemplo, se 200 riscos forem identificados, será muito pouco provável que a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura consiga verificar todos eles diariamente ou, até mesmo, semanalmente. Quando a equipe não consegue verificar cada risco, o significado do risco diminui bastante. Entretanto, se a equipe conseguir criar um gráfico dos 10 ou, até mesmo, dos 20 riscos principais, ela terá uma lista gerenciável que poderá ser examinada diariamente ou semanalmente nas reuniões de status do projeto. O gráfico contendo todos os riscos continuará sendo importante, pois conterá todos os riscos, inclusive aqueles com muito pouca exposição no projeto.

Exemplo de pesquisa do Woodgrove

Para melhor ilustrar a tarefa em questão, o exemplo a seguir usa dados coletados de uma rede que se prepara para a implantação.

O grupo Sistemas de Desktop do Woodgrove Bank, uma empresa fictícia, está preocupado com a futura implantação, pois as implantações anteriores não conseguiram atender completamente aos objetivos do projeto. Os membros de equipe acreditam que essa falha foi causada principalmente por eles compreenderem pouco o próprio ambiente existente antes do início do projeto. Eles não querem repetir os mesmos erros desta vez. Portanto, eles pretendem se certificar de que seus inventários iniciais estejam os mais completos possíveis.

Isso é possível? A equipe de recursos de implantação propôs o uso de uma série de ferramentas para criar um inventário que fosse o mais completo possível. A primeira etapa consiste em assegurar a compreensão da estrutura da rede. Uma maneira de conseguir isso é criar um diagrama da rede empresarial do Woodgrove e compreender como ela oferece suporte ao processo geral de negócios do Woodgrove. A figura 5 é um diagrama de exemplo que poderia ser criado usando uma ferramenta de descoberta de rede ou que poderia ser desenhado manualmente.

Bb456427.SE_InfraRem05(pt-br,TechNet.10).gif

Figura 5. Woodgrove Bank

O Woodgrove tem aproximadamente 17.000 usuários. Para assegurar que o banco tenha um inventário completo, os membros de equipe devem usar uma série de ferramentas para coletar as informações. Também é necessário que eles saibam a localização dos computadores portáteis e dos sistemas não conectados ou isolados, principalmente se os sistemas estiverem em trânsito, para incluí-los no exercício de coleta de dados.

O Woodgrove usa uma ferramenta de gerenciamento de sistema empresarial, de modo que seu inventário de computadores cliente é razoavelmente preciso. Os usuários de computadores portáteis são uma outra questão, portanto, a equipe de recursos de atualização de infra-estrutura decidiu usar scripts de logon para coletar informações dos computadores portáteis quando esses usuários fizerem logon. Após a coleta desses dados, a equipe agrupará e consolidará os dados em um único relatório que será fornecido às outras equipes.

Ao mesmo tempo, a equipe verificará cada local de servidor para garantir que os servidores de distribuição tenham a capacidade necessária para oferecer suporte à implantação. Essas informações farão parte do inventário que oferecerá suporte aos esforços de atualização de infra-estrutura.

Depois que essas informações forem coletadas, a equipe de recursos de implantação produzirá uma série de diagramas para oferecer suporte à análise e ao design do projeto de implantação. Esses diagramas fornecerão informações importantes para dar suporte às principais decisões do projeto, especificamente:

  • Determinar o tempo de conclusão da implantação dos desktops, com base no ambiente atual.

  • Decidir onde poderão ser feitos os investimentos para acelerar a implantação e quais investimentos resultarão em maior valor para a organização.

Para tomar essas decisões, a equipe usou os processos descritos nos apêndices deste guia.

Etapa: Plano de implantação aprovado

Nesta etapa, os inventários estarão concluídos e alguns relatórios iniciais terão sido criados. A tabela 7 descreve os resultados finais associados a esta etapa.

Tabela 7. Resultados finais da etapa

ID do resultado final

Descrição

Arquitetura inicial e estratégia de implantação definidas

Esses documentos descrevem como a infra-estrutura atual deve ser modificada para oferecer suporte à estratégia de implantação selecionada. Eles também descrevem a estratégia de implantação selecionada.

Isso foi útil para você?
(1500 caracteres restantes)
Agradecemos os seus comentários
A Microsoft está realizando uma pesquisa online para saber sua opinião sobre o site do MSDN. Se você optar por participar, a pesquisa online lhe será apresentada quando você sair do site do MSDN.

Deseja participar?
Mostrar:
© 2014 Microsoft