Exportar (0) Imprimir
Expandir Tudo

Hyper-V: Usando a migração ao vivo com Volumes Compartilhados do Cluster no Windows Server 2008 R2

Atualizado: abril de 2011

Aplica-se a: Windows Server 2008 R2

Esse guia mostra detalhadamente as etapas exigidas para realizar uma migração ao vivo das máquinas virtuais do Hyper-V™ de um nó em um cluster de vfailover do Windows Server® 2008 R2 para outro nó.

A migração ao vivo é um novo recurso do Hyper-V no Windows Server 2008 R2, que exige que o clustering de failover seja adicionado e configurado nos servidores que executam o Hyper-V. O Hyper-V e o clustering de failover podem ser usados em conjunto para criar uma máquina virtual que esteja altamente disponível, minimizando rupturas e interrupções para os clientes. A migração ao vivo permite mover de maneira transparente máquinas virtuais em execução de um nó do cluster de failover para outro nó no mesmo cluster sem queda da conexão de rede ou tempo de inatividade perceptível. Além disso, o cluster de failover exige armazenamento compartilhado para os nós de cluster. Isso pode incluir uma rede SAN (Rede de Área de Armazenamento) iSCSI ou Fiber Channel. Todas as máquinas virtuais são armazenadas na área de armazenamento compartilhado e o estado da máquina virtual é gerenciado por um dos nós. Para obter uma visão geral detalhada da migração ao vivo e os benefícios de usá-la, consulte o tópico sobre o Windows Server 2008 R2 & Microsoft Hyper-V Server 2008 R2 - visão geral de migração e arquitetura do Hyper-V.

noteObservação
Esse guia pressupõe que você esteja familiarizado com os requisitos de uso do Hyper-V e do clustering de failover, abordados no Guia Passo a Passo do Hyper-V: Hyper-V e clustering de failover

Para obter informações sobre como migrar máquinas virtuais em cluster para o Windows Server 2008 R2, consulte o tópico sobre migração de máquinas virtuais em cluster para o Windows Server 2008 R2.

As seguintes recomendações ajudarão você a configurar o seu ambiente de rede para usar a migração ao vivo:

  • Adaptadores de rede. Para cada nó do cluster de failover, use mais de um adaptador de rede e configure pelo menos um adaptador de rede para a rede virtual privada. É recomendável configurar uma rede privada dedicada com velocidade Gigabit para o tráfego da migração ao vivo, e essa rede deve ser separada da rede para comunicação privada entre os nós do cluster, da rede usada para a máquina virtual e da rede para armazenamento. Para obter informações sobre o tráfego de rede que pode ocorrer em uma rede usada para Volumes Armazenados em Cluster, consulte o tópico sobre noções básicas sobre o modo de E/S redirecionado em comunicação CSV em requisitos para usar volumes armazenados em cluster no Windows Server 2008 R2 (http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=182153).

    Cada nó também deve ter um adaptador de rede que transmita a comunicação CSV e, nas propriedades do adaptador de rede Cliente para Redes Microsoft e Compartilhamento Arquivos/Impressoras para Redes Microsoft, ela deve estar habilitada para dar suporte a SMB. Para obter mais informações sobre a rede utilizada para a comunicação CSV, consulte Gerenciando a rede usada para Volumes Compartilhados de Cluster.

    Recomendamos não usar o mesmo adaptador de rede para o gerenciamento e o acesso à máquina virtual. Se você estiver limitado pelo número de adaptadores de rede, configure uma VLAN (rede local virtual) para isolar o tráfego. As recomendações de VLAN incluem 802.1q e 802.p.

  • Configurações de sistema e hardware. É necessário que os hardwares de armazenamento no cluster de failover sejam idênticos e que os nós do cluster usados para a migração ao vivo tenham processadores compatíveis com a virtualização, do mesmo fabricante do processador. Se isso não for possível, é recomendável que as configurações de hardware e do sistema sejam o mais parecidas possível para minimizar os problemas em potencial.

  • Políticas de segurança. Se possível, não aplique políticas IPsec em uma rede privada para migração ao vivo porque isso pode impactar significativamente o desempenho da migração ao vivo.

  • Configuração da sub-rede de IP. Verifique se os nós de origem e destino (para a migração ao vivo), no cluster de failover, estão conectados através da mesma sub-rede de IP. É por meio dessa conexão que a máquina virtual pode reter o mesmo endereço IP após a migração ao vivo. Para cada rede de um cluster de failover onde o recurso Volumes Compartilhados de Cluster esteja habilitado, todos os nós devem estar na mesma sub-rede lógica, o que significa que os clusters multissite que usam CSV devem utilizar uma VLAN.

    Para recomendações de rede de armazenamento, analise as diretrizes fornecidas pelo seu fornecedor de armazenamento.

As seguintes recomendações ajudarão você a configurar os nós para usar Volumes Compartilhados de Cluster e migração ao vivo:

  • Sistema operacional. Todos os nós devem executar o Windows Server 2008 R2 ou o Hyper-V Server 2008 R2. Todos os nós devem executar o mesmo sistema operacional, a não ser que você possa combinar nós que executam o Hyper-V Server 2008 R2 no mesmo cluster com nós que executam a instalação Server Core do Windows Server 2008 R2.

  • Letra da unidade de disco do sistema. Em todos os nós, a letra da unidade do disco do sistema deve ser a mesma.

  • Protocolo de autenticação. O protocolo NTLM deve estar habilitado em todos os nós.

Se você estiver usando versões diferentes de processador nos nós no cluster, a migração ao vivo poderá falhar. Para executar uma migração ao vivo de uma máquina virtual para outro computador físico com um processador diferente, você deve selecionar a configuração Migrar para um computador físico com versão diferente de processador no Gerenciador do Hyper-V. Essa configuração garante que a máquina virtual use apenas os recursos de processador disponíveis em todas as versões de um processador compatível com a virtualização, do mesmo fabricante do processador. Não há compatibilidade entre dois fabricantes de processador diferentes. Isso permite mover uma máquina virtual em execução para um computador físico com recursos de processador diferente sem precisar reiniciar a máquina virtual. A configuração também é útil para cenários de backup, recuperação e alta disponibilidade, pois faz com que seja mais fácil mover uma máquina virtual de alta disponibilidade para outro nó em um cluster, ou restaurar a máquina virtual para um hardware diferente.

Evite extrair um instantâneo de uma máquina virtual em execução. Se você reverter a um instantâneo de uma máquina virtual em execução, o estado da memória será restaurado junto ao disco. Antes de reverter uma máquina virtual com cluster a um instantâneo, primeiro desligue a máquina virtual do Gerenciador de Cluster de Failover, extraia um instantâneo e reinicie a máquina virtual.

Como a migração ao vivo é um estado de transição, o gravador VSS do Hyper-V espera que a migração seja concluída antes de continuar com o backup. No entanto, uma vez concluída a migração, a máquina virtual não fica mais no nó de cluster onde ocorre o backup. Nesta fase, o processo de backup continua e faz backup dos arquivos (ele ainda pode acessar os arquivos no volume CSV) corretamente, mas trata-se apenas de uma cópia de arquivo. O gravador VSS não executa as etapas que normalmente executaria para um backup online. O gravador VSS não retorna um código de erro de falha para o VSS e, por isso, não registra nenhum erro em log. Porém, ele registra em log duas mensagens de aviso informando que a máquina virtual não foi localizada.

ImportantImportante
Quando o gravador VSS do Hyper-V executa um backup em um cluster de failover que usa CSV e o backup falha ou é cancelado, o CSV continua em um modo de E/S redirecionada. Isso afeta o desempenho de E/S em todos os nós do cluster.

Siga as seguintes etapas para implementar a migração ao vivo.

Os Volumes Compartilhados do Cluster são volumes em um cluster de failover que múltiplos nós podem ler e gravar ao mesmo tempo. Os nós coordenam a atividade de leitura e gravação, de modo que o disco não é danificado. Em contrapartida, os discos (LUNs) em um armazenamento de cluster, que não são Volumes Compartilhados do Cluster, pertencem sempre a um único nó. Os Volumes Compartilhados do Cluster tem os mesmos requisitos que os recursos de disco de Volumes Não Compartilhados do Cluster O local de armazenamento nos Volumes Compartilhados do Cluster está sob SystemDrive/ClusterStorage. Ao criar uma máquina virtual, é recomendável usar esse local de armazenamento.

ImportantImportante
Para que o Hyper-V funcione corretamente quando utilizado com Volumes Compartilhados de Cluster, o sistema operacional (%SystemDrive%) de cada servidor do cluster deve estar configurado para inicializar na mesma letra da unidade que todos os outros servidores do cluster. Em outras palavras, se um servidor inicializar a partir da letra de unidade C, todos os servidores no cluster devem iniciar a partir da letra de unidade C.

É recomendável validar primeiro a configuração de cluster antes de configurar os Volumes Compartilhados do Cluster. Para obter mais informações sobre como validar uma configuração de cluster, consulte o Guia passo a passo de cluster de failover: Validando o hardware para um cluster de failover e o tópico sobre a política de suporte da Microsoft para clusters de failover do Windows Server 2008.

noteObservação

  • A conexão de rede usada pelos Volumes Compartilhados do Cluster é tolerante a falhas. Portanto, se a rede usada pelos Volumes Compartilhados do Cluster tiver problemas, o tráfego de rede será movido para outra rede.

  • Os Volumes Compartilhados do Cluster podem ser habilitados somente uma vez pelo cluster.

  • Ao habilitar os Volumes Compartilhados do Cluster para um cluster de failover, todos os nós no cluster serão habilitados para utilizar os volumes compartilhados.

  1. Se o cluster que você deseja configurar não estiver sendo exibido no snap-in Gerenciador de Cluster de Failover, na árvore do console, clique com o botão direito do mouse em Gerenciador de Cluster de Failover, clique em Gerenciar um Cluster e selecione ou especifique o cluster desejado.

  2. Clique com o botão direto do mouse no cluster de failover e clique em Habilitar Volumes Compartilhados do Cluster. Ou, em Configurar (painel central), clique em Habilitar Volumes Compartilhados do Cluster. A caixa de diálogo Habilitar Volumes Compartilhados do Cluster é aberta. Leia, aceite os termos e as restrições e clique em OK.

  1. Se o cluster que você deseja configurar não estiver sendo exibido no snap-in Gerenciador de Cluster de Failover, na árvore do console, clique com o botão direito do mouse em Gerenciador de Cluster de Failover, clique em Gerenciar um Cluster e selecione ou especifique o cluster desejado.

  2. Se a árvore de console estiver danificada, expanda a árvore até o cluster que você deseja adicionar um disco para os Volumes Compartilhados do Cluster.

  3. Clique em Volumes Compartilhados do Cluster.

  4. Em Ações (à direita), clique em Adicionar armazenamento.

  5. Em Adicionar Armazenamento, selecione na lista de discos disponíveis, e clique em OK. O(s) disco(s) que você selecionou aparecerá(ão) no painel Resultados de Volumes Compartilhados do Cluster.

O local de armazenamento é exibido como SystemDrive\ClusterStorage em todos os nós do cluster de failover. Em SystemDrive\ClusterStorage, uma pasta específica é exibida para cada volume no disco (ou discos) adicionado ao Volumes Compartilhados do Cluster. Você pode exibir a lista de volumes no Gerenciador de Cluster de Failover.

Os clusters de failover incluem uma configuração para priorizar as redes utilizadas para a comunicação entre os nós do cluster e para a rede usada para o tráfego CSV. É possível identificar a rede usada para o tráfego CSV e alterar as configurações da rede usando o cmdlet Get-ClusterNetwork do Windows PowerShell.

Cada rede em um cluster tem duas configurações de priorização de rede: Metric e AutoMetric. A configuração Metric é usada para determinar a prioridade da rede (a rede com o valor mais baixo é a preferencial para CSV). A configuração AutoMetric identifica se a configuração Metric foi definida manual ou automaticamente pelo cluster de failover. Para redes privadas, as configurações Metric têm valores entre 1000 e 10.000 e, para redes públicas, os valores começam em 10.000.

  1. Abra o PowerShell. Clique em Iniciar, aponte para Todos os Programas, clique em Windows Powershell 2.0 e em Windows Powershell 2.0.

    O recurso Cluster de Failover precisa ser instalado no computador em que você está iniciando a sessão do PowerShell. Se preferir, você pode usar as Ferramentas de Administração de Servidor Remoto para Windows® 7 para executar a sessão do PowerShell.

  2. Para instalar o recurso Cluster de Failover, digite:

    Import-Module FailoverClusters

  3. Para identificar as redes de um cluster de failover e as propriedades de cada rede, digite:

    Get-ClusterNetwork | fl*

    É exibida uma lista de redes de clusters e suas respectivas propriedades.

  4. Para alterar para 1100 a configuração de métrica da rede chamada rede de cluster 1, digite:

    ( Get-ClusterNetwork "Rede de Cluster 1" ).Metric = 1100

    A configuração AutoMetric muda de True para False depois que você altera a configuração Metric anualmente. Isso ocorre para impedir que o cluster de failover atribua uma configuração Metric automaticamente. Se você deseja que o cluster comece a atribuir a configuração Metric novamente de forma automática, altere a configuração AutoMetric de volta para True.

Para instalar uma máquina virtual para migração ao vivo, é necessário executar os seguintes procedimentos:

  1. Crie uma máquina virtual

  2. Configure a máquina virtual para utilizar os Volumes Compartilhados do Cluster

  3. Reconfigure o início automático na máquina virtual

  4. Deixe a máquina virtual altamente disponível

Para obter informações sobre como executar esses procedimentos, consulte as etapas 6 e 7 no Guia passo a passo do Hyper-V: Hyper-V e clusters de failover

noteObservação
Ao criar uma máquina virtual, é recomendável configurar o local de armazenamento para SystemDrive/ClusterStorage nos Volumes Compartilhados do Cluster.

As redes de cluster são configuradas automaticamente para a migração ao vivo. Você pode usar o Gerenciador de Cluster de Failover para executar esse procedimento.

  1. Se o cluster que você deseja configurar não estiver sendo exibido no snap-in Gerenciador de Cluster de Failover, na árvore do console, clique com o botão direito do mouse em Gerenciador de Cluster de Failover, clique em Gerenciar um Cluster e selecione ou especifique o cluster desejado.

  2. Expanda Serviços e Aplicativos.

  3. Na árvore de console (à esquerda), selecione a máquina virtual com cluster para a qual você deseja configurar a rede para migração ao vivo.

  4. Clique com o botão direito do mouse no recurso de máquina virtual exibido no painel central (não o da esquerda) e clique em Propriedades.

  5. Clique na guia Rede para migração ao vivo e selecione uma ou mais redes de cluster para migração ao vivo. Uso os botões da direita para mover as redes de cluster para cima ou para baixo para garantir que a rede privada de cluster seja a de maior preferência. A ordem de preferência padrão é a seguinte: as redes que não possuem um gateway padrão devem ser localizadas primeiro; as redes usadas por volumes de compartilhamento do cluster e tráfego de cluster devem ser localizadas por último.

    As tentativas de migração ao vivo serão feitas de acordo com a ordem das redes especificadas na lista de redes de cluster. Se a conexão ao nó de destino estiver usando a primeira rede não tiver êxito, a próxima rede da lista será usada até que a lista completa seja esgotada ou haja uma conexão com êxito ao nó de destino usando uma das redes.

    noteObservação

    • Quando você configura uma rede para migração ao vivo a uma máquina virtual específica, a configuração é global e, portanto, é aplicada a todas as máquinas virtuais.

    • Se possuir mais de uma rede de cluster listada em Rede para migração ao vivo, altere a ordem de prioridade para evitar migração ao vivo e Volumes Compartilhados de Cluster na mesma rede.

Você pode usar tanto um Gerenciador de Cluster de Failover como o PowerShell para iniciar a migração ao vivo, para mover uma máquina virtual de um nó para outro em um cluster de failover.

noteObservação

  • Dependendo do número de nós no cluster de failover, é preciso usar a migração ao vivo para mover mais de uma máquina virtual por vez. No entanto, um nó de cluster pode participar como o nó de origem ou de destino em apenas uma migração ao vivo por vez. Por exemplo, se houver quatro nós no cluster de failover, duas migrações ao vivo poderão ocorrer ao mesmo tempo.

  • Se a migração ao vivo falhar, a máquina virtual continuará operando no nó de origem sem interrupção.

O tempo que leva para mover uma máquina virtual usando a migração ao vivo depende dos itens a seguir:

  • A velocidade e a largura de banda da conexão de rede disponível entre o nó do cluster de origem e o de destino.

  • O carregamento no nó do cluster de origem e no de destino.

  • A quantidade de RAM configurada para a máquina virtual.

  1. Se o cluster que você deseja configurar não estiver sendo exibido no snap-in Gerenciador de Cluster de Failover, na árvore do console, clique com o botão direito do mouse em Gerenciador de Cluster de Failover, clique em Gerenciar um Cluster e selecione ou especifique o cluster desejado.

  2. Expandir Nós.

  3. Na árvore de console (à esquerda), selecione o nó para a qual você deseja mover uma máquina virtual com cluster, usando a migração ao vivo.

  4. Clique com o botão direito do mouse no recurso de máquina virtual exibido no painel central (não o da esquerda) e clique em Migrar máquina virtual ao vivo para outro nó.

  5. Selecione o nó para o qual você deseja mover a máquina virtual. Assim que a migração for concluída, a máquina virtual será executada no novo nó.

  6. Para verificar se a máquina virtual foi migrada com êxito, veja se a máquina virtual está listada no novo nó (em Proprietário Atual).

  1. Abra o PowerShell. Clique em Iniciar, aponte para Todos os Programas, clique em Windows Powershell 2.0 e em Windows Powershell 2.0.

    O recurso Cluster de Failover precisa ser instalado no computador em que você está iniciando a sessão do PowerShell. Se preferir, você pode usar as Ferramentas de Administração de Servidor Remoto para Windows® 7 para executar a sessão do PowerShell.

  2. Para instalar o recurso Cluster de Failover, digite:

    Import-Module FailoverClusters

  3. Digite:

    Get-Cluster “<Nome do Cluster>” | Move-ClusterVirtualMachineRole -Name “<Nome de grupo da VM>” -Node “<Nome do nó de destino>”

    Onde:

    • <Nome do Cluster> é o nome do cluster em que a máquina virtual está inclusa.

    • <Nome de grupo da VM> é o grupo de recursos da máquina virtual.

    • <Nome do nó de destino> é o nome do dó de destino para o qual você deseja mover a máquina virtual, usando a migração ao vivo.

Essa seção aborda alguns problemas que podem ser encontrados ao executar a migração ao vivo. Antes de analisar os itens da solução de problemas nessa seção, confirme se:

A seguinte lista aborda alguns problemas básicos de migração ao vivo.

  • Verifique se todos os nomes de rede virtual são os mesmos em todo o cluster.

  • Se o cluster consistir em computadores com processadores x86 e x64, observe que a migração ao vivo entre ambos os processadores falhará.

  • Se você iniciar uma segunda migração ao vivo antes de concluir a limpeza da primeira migração, a segunda poderá falhar. Espere alguns segundos antes de iniciar a segunda migração.

  • Se um serviço de cluster for reiniciado, ou uma máquina virtual for movida e armazenada por um novo processo RHS.exe, a rede usada para a migração precisará de tempo para inicializar. Pode levar até 30 segundos para que a rede esteja pronta. Se você iniciar uma migração ao vivo durante esse período, ela falhará com um erro "nenhuma rede de migração disponível".

  • Verifique se os comutadores virtuais e as portas de comutador virtual não têm o mesmo nome. A migração ao vivo falhará em máquinas virtuais conectadas a portas de comutador virtuais que têm o mesmo nome do comutador virtual.

Use os dois fluxogramas a seguir para solucionar problemas de uma migração ao vivo.

Fluxograma de solução de problemas da migração ao vivo do Hyper-V Fluxograma de solução de problemas da migração ao vivo do Hyper-V

A seguinte lista descreve as informações de configuração que ajudarão a diagnosticar os problemas da solução de problemas.

Informação de cluster:

  • Determina se os Volumes Compartilhados do Cluster foram usados. Se foram, observa a quantidade de volumes.

  • Determina o modelo da CPU de cada nó de cluster e verifica se são compatíveis.

  • Analisa o relatório de validação de cluster.

  • Determina o número de redes e cada configuração da rede. Por exemplo, 1 GB ou 10 GB, IPv4 ou IPv6 e se o IPsec foi usado.

Informação de rede:

  • Determina se os adaptadores de rede são compatíveis com TCP Offload (Chimney) e se o TCP Offload (Chimney) está habilitado nos sistemas operacionais convidados e de gerenciamento.

  • Determina se os adaptadores de rede estão vinculados ao comutador virtual compatível com VMQ (fila da máquina virtual).

  • Determina se os adaptadores de rede estão emparelhados.

Informação de máquina virtual:

  • Determina quantas máquinas virtuais ficaram altamente disponíveis, e se elas estão usando os Volumes Compartilhados do Cluster.

  • Determina quais sistemas operacionais estão sendo usados pelas máquinas virtuais e qual é a carga de trabalho.

Para ajudar a diagnosticar problemas da solução de problemas, você pode recuperar o Hyper-V e as informações do log de eventos de cluster.

  • Para habilitar o log analítico de alta disponibilidade, digite o seguinte comando em um prompt de comando:

    Wevtutil sl “<Nome do Log>” /e:true /q

    Onde:

    <Nome do Log> é o nome do log analítico de alta disponibilidade a ser habilitado.

  • Para recuperar informações do log, digite o seguinte comando em um prompt de comando:

    Wevtutil epl query.txt /sq:true <Nome do Log>.evtx

    Onde:

    <Nome do Log> é o nome do log analítico de alta disponibilidade do qual as informações serão recuperadas.

    Código Query.txt:

    <QueryList>
      <Query Id="0" Path="System">
        <Select Path="System">*[System[Provider[@Name='Microsoft-Windows-Hyper-V-Hypervisor']]]</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-Config-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-High-Availability-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-High-Availability-Analytic">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-Hypervisor-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-Integration-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-Network-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-SynthStor-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-SynthNic-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-Image-Management-Service-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-VMMS-Admin">*</Select>
        <Select Path="Microsoft-Windows-Hyper-V-Worker-Admin">*</Select>
      </Query>
    </QueryList>
    
    
  • Para recuperar informações de logs de eventos de cluster, digite o seguinte de uma sessão PowerShell:

    Get-ClusterLog ou Get-ClusterLog –Destination <logdir>

    Onde:

    <Logdir> é o local dos logs de eventos.

    Para recuperar informações de logs de eventos de cluster, usando Cluster.exe em um prompt de comando, digite:

    Cluster.exe log /g /copy:<logdir>

Isso foi útil para você?
(1500 caracteres restantes)
Agradecemos os seus comentários

Contribuições da comunidade

ADICIONAR
Mostrar:
© 2014 Microsoft