Exportar (0) Imprimir
Expandir Tudo

Visão geral do Fibre Channel virtual do Hyper-V

Atualizado: abril de 2013

Aplica-se a: Windows Server 2012

Você precisa que suas cargas de trabalho virtualizadas se conectem facilmente e de maneira confiável às matrizes de armazenamento existentes. O Windows Server 2012 fornece portas Fibre Channel no sistema operacional convidado, o que permite a conexão com Fibre Channel diretamente das máquinas virtuais. Esse recurso protege seus investimentos em Fibre Channel, permite virtualizar cargas de trabalho que usam acesso direto ao armazenamento de Fibre Channel, permite que você coloque sistemas operacionais convidados em cluster e fornece uma nova e importante opção de armazenamento para os servidores hospedados na infraestrutura de virtualização.

Com esse recurso de Fibre Channel virtual de Hyper-V, você pode se conectar ao armazenamento de Fibre Channel partindo de uma máquina virtual. Isso permite que você use seus investimentos existentes em Fibre Channel para dar suporte a cargas de trabalho virtualizadas. O suporte a Fibre Channel em convidados Hyper-V inclui suporte para muitos recursos relacionados, como SANs virtuais, migração ao vivo e MPIO.

O recurso Fibre Channel virtual em Hyper-V exige o seguinte:

  • Uma ou mais instalações do Windows Server 2012 com a função Hyper-V instalada. O Hyper-V exige um computador com processador que dê suporte à virtualização de hardware.

  • Um computador com um ou mais HBAs (adaptadores de barramento do host) de Fibre Channel com driver HBA atualizado e que dê suporte a Fibre Channel virtual. Driver HBA atualizados estão incluídos nos drivers HBA predefinidos de alguns modelos. As portas HBA a serem usadas com o Fibre Channel virtual devem ser configuradas em uma topologia de Fibre Channel com suporte para NPIV. Para determinar se o seu hardware dá suporte para Fibre Channel virtual, contate o fornecedor do hardware ou o OEM.

  • Uma rede SAN habilitada para NPIV.

  • Máquinas virtuais configuradas para usar um adaptador de Fibre Channel virtual, o qual deve usar Windows Server 2008, Windows Server 2008 R2 ou Windows Server 2012 como o sistema operacional convidado.

  • O armazenamento acessado por um Fibre Channel virtual dá suporte a dispositivos que apresentam unidades lógicas. Unidades lógicas de Fibre Channel virtual não podem ser usadas como mídia de inicialização.

O Fibre Channel virtual para Hyper-V fornece o sistema operacional convidado com acesso não mediado por uma rede SAN; para isso, usa um WWN padrão associado a uma máquina virtual. Os usuários do Hyper-V agora podem usar as redes SANs de Fibre Channel para virtualizar cargas de trabalho que exigem acesso direto a LUNs (números de unidade lógica) da rede SAN. As redes SANs de Fibre Channel também permitem operar em novos cenários; por exemplo, executando o recurso Clustering de Failover dentro do sistema operacional convidado de uma máquina virtual conectado ao armazenamento de Fibre Channel compartilhado.

As matrizes de armazenamento de alcance médio e alto nível são capacitadas pela funcionalidade de armazenamento avançado, que ajuda a descarregar determinadas tarefas de gerenciamento dos hosts para as redes SANs. O Fibre Channel virtual apresenta um caminho alternativo de E/S baseado em hardware para a pilha de discos rígidos virtuais do software Windows. Isso possibilita o uso da funcionalidade avançada oferecida pelas redes SANs diretamente nas máquinas virtuais de Hyper-V. Por exemplo, você pode usar o Hyper-V para descarregar a funcionalidade de armazenamento (talvez obtendo um instantâneo de um LUN) no hardware da rede SAN por meio de um provedor VSS (Serviço de Cópias de Sombra de Volume) de hardware em uma máquina virtual de Hyper-V.

Os Fibre Channel virtuais para convidados do Hyper-V usam o padrão T11 da NPIV (Virtualização de ID de N_Port) para mapear várias IDs N_Port virtuais para uma única N_Port do Fibre Channel. Uma nova porta de NPIV é criada no host sempre que você inicia uma máquina virtual configurada com HBA virtual. Quando a execução da máquina virtual é interrompida no host, a porta de NPIV é removida. Devido ao uso de NPIV, as portas HBA usadas para Fibre Channel virtual devem ser configuradas em uma topologia de Fibre Channel que dê suporte a NPIV, e a rede SAN deve dar suporte a portas de NPIV.

O Hyper-V permite definir redes SANs virtuais no host para acomodar cenários onde um único host Hyper-V está conectado a várias redes SANs por meio de várias portas de Fibre Channel. Uma rede SAN virtual define um grupo chamado de portas de Fibre Channel físicas, as quais estão conectadas à mesma rede SAN física. Por exemplo, vamos supor que um host Hyper-V esteja conectado a duas redes SANs – uma de produção e outra de teste. O host está conectado a cada rede SAN por meio de duas portas de Fibre Channel físicas. Nesse exemplo, você pode configurar duas redes SANs virtuais – uma chamada "Rede SAN de Produção", que contém as duas portas de Fibre Channel físicas conectadas à rede SAN de produção, e outra chamada "Rede SAN de Teste", que contém as duas portas de Fibre Channel físicas conectadas à rede SAN de teste. Essa mesma técnica pode ser usada para nomear dois caminhos separados para um único destino de armazenamento.

Você pode configurar até quatro adaptadores de Fibre Channel virtual em uma máquina virtual e associar cada um deles a uma rede SAN virtual. Cada adaptador de Fibre Channel virtual se conecta a um endereço WWN ou a dois endereços WWN para dar suporte à migração ao vivo. Cada endereço WWN pode ser definido automática ou manualmente.

Para dar suporte à migração ao vivo de máquina virtual nos hosts Hyper-V e, ao mesmo, manter a conectividade de Fibre Channel, dois WWNs são configurados para cada adaptador de Fibre Channel virtual, como mostrado na Figura 1: Conjunto A e Conjunto B. O Hyper-V alterna automaticamente entre os endereços WWN do Conjunto A e do Conjunto B durante a migração ao vivo. Isso garante que todos os LUNs sejam disponibilizados no host de destino antes da migração e que não haverá qualquer tempo de inatividade durante a migração.

Endereços WWN alternados durante a migração dinâmica

Figura 1 Alternando endereços WWN durante a migração ao vivo

O Hyper-V do Windows Server 2012 pode usar a funcionalidade MPIO (Multipath I/O) para garantir a conectividade contínua com o armazenamento de Fibre Channel, em uma máquina virtual. É possível usar a funcionalidade MPIO com Fibre Channel das seguintes maneiras:

  • Use MPIO para acesso ao host. Instale várias portas Fibre Channel no host e use MPIO para fornecer conectividade altamente disponível aos LUNs que podem ser acessados pelo host.

  • Virtualize cargas de trabalho que usam MPIO. Configure vários adaptadores de Fibre Channel virtual dentro de uma máquina virtual e use uma cópia separada do MPIO no sistema operacional convidado da máquina virtual para conectar os LUNs que a máquina virtual pode acessar. Essa configuração pode coexistir com uma configuração de MPIO de host.

  • Use outros DSMs (módulos específicos ao dispositivo) para o host ou para cada máquina virtual. Essa abordagem permite a migração ao vivo da configuração de máquina virtual, incluindo a configuração de DSM e conectividade entre hosts e a compatibilidade com configurações de servidor e DSMs existentes.

Isso foi útil para você?
(1500 caracteres restantes)
Agradecemos os seus comentários

Contribuições da comunidade

ADICIONAR
A Microsoft está realizando uma pesquisa online para saber sua opinião sobre o site do MSDN. Se você optar por participar, a pesquisa online lhe será apresentada quando você sair do site do MSDN.

Deseja participar?
Mostrar:
© 2014 Microsoft