Sugerir tradução
 
Outras sugestões:

progress indicator
Sem sugestões.
TechNet Magazine > Home > Todas as edições > 2009 > TechNet Magazine Maio 2009 >  Virtualização aprimorada e muito mais no Micros...
Exibir Conteúdo: Lado a LadoExibir Conteúdo: Lado a Lado
Este é um conteúdo traduzido por máquina que os membros da comunidade podem editar. Incentivamos você a melhorar a tradução clicando no link Editar associado a qualquer sentença abaixo.
Desktop Files Revisiting the Microsoft Desktop Optimization Pack
Wes Miller


It’s been just under two years since I first covered the Microsoft Desktop Optimization Pack (MDOP) and the five technologies it included: SoftGrid Application Virtualization, Asset Inventory Service, Diagnostics and Recovery Toolset, Advanced Group Policy Management, and System Center Desktop Error Monitoring. Since then, Microsoft has released two updates—MDOP 2008 and then MDOP 2008 R2 (see Figure 1). The latest release includes numerous enhancements to all of the key components, as well as support for additional locales for most of the components. Another update due by mid-2009 will include support for Microsoft Enterprise Desktop Virtualization (MED-V), which I'll cover in detail at the end of this month's article. Let's take a look at how each of the technologies included in MDOP have been improved.
Figure 1 The new Microsoft Desktop Optimization Pack 2008 R2

Application Virtualization
The MDOP component originally named SoftGrid Application Virtualization is now Microsoft Application Virtualization 4.5 (APP-V), and it has been considerably enhanced to make using it within a Microsoft Windows–based organization faster and easier. Among the reliability features that have been improved are:
  • A memory-locked cache that enables applications to be retained on client systems in the local application cache, even when the system shuts down suddenly;
  • Background streaming, which allows for auto-caching of the application, where applications are downloaded in the background while a user is performing other tasks;
  • Application check-pointing, which allows the state of applications, such as user preferences and settings, to be backed up so that they may be rapidly restored later.
Supporting a Microsoft infrastructure in a manageable way is now easier with APP-V, as it lets you create an MSI file from virtualized packages—meaning your existing application publishing tools can be used to quickly and reliably push out APP-V packages as well. Similarly, System Center Configuration Manager (SCCM) and SMS customers can push out a pre-cache of applications, even to new systems with no local users installed yet. With SCCM 2007 R2, App-V and SCCM are integrated, allowing you to leverage one management console, perform well-known workflows for managing applications, and take advantage of SCCM core functionality to inventory, distribute, manage, and report on virtual applications just like physical applications. You also get a WMI provider that allows managed monitoring of APP-V usage, whether online or offline.
In order to improve the performance and convenience of APP-V, the product now supports streaming from any existing HTTP server in your infrastructure. The sequencing process has been optimized to speed up the creation of virtualized applications. Moreover, you can now virtualize .NET-based applications. More information on .NET virtualization is available in the article " Support for .NET in Microsoft Application Virtualization 4.5 (App-V) ".
From a usability perspective, APP-V now supports 11 localized languages, and it can now virtualize an application in any language except those that use "Complex Script," such as Thai, Hebrew, Arabic, Vietnamese, and Indic languages. It also supports Section 508 (of the Rehabilitation Act of 1973) accessibility compliance.
APP-V is supported on 32-bit Windows XP (APP-V 4.2) and Windows Vista (APP-V 4.5). Support for x64 versions of Windows Vista is expected in a beta form in late 2009, with a release during calendar year 2010 (see the article " MDOP Makes Some Noise in Spain "). Support for 64-bit versions of Windows is a frequently requested feature for APP-V, but making APP-V compatible with Windows Vista and Windows Server 2008 requires significant modifications to the APP-V infrastructure; this will be supported in due time.

Advanced Group Policy Management
Two versions of Microsoft Advanced Group Policy Management (AGPM) are supplied—2.5 and 3.0. If your server infrastructure is running Windows Server 2003 or your clients are still running the original RTM version of Windows Vista, you must use the earlier 2.5 release of AGPM. In order to use AGPM 3.0, your server must be running Windows Server 2008, and your clients used for managing AGPM must be running Windows Vista Service Pack 1. The new release also adds support for x64 versions of Windows Vista Service Pack 1 and Windows Server 2008. However, note that AGPM can be used to manage Group Policy on systems running Windows 2000 SP4 or newer.
In addition to the platform and architecture support, AGPM 3.0 now offers the ability to apply permissions to group policies—meaning that you can control who modifies group policy within your organization (see Figure 2). It also has enhanced change tracking in order to monitor when a policy was changed, how, and by whom (and who approved or rejected it), as shown in Figure 3. The user interface of AGPM 3 has also been significantly enhanced, and like APP-V, is available in additional languages (11 in total).
Figure 2 AGPM integrated into the Group Policy Management Console
Figure 3 Policy revision control viewed through AGPM

Asset Inventory Service
The Microsoft Asset Inventory Service (AIS) 1.5 component is the sole "Software as a Service" piece of the MDOP. It is available from an easily used online site, and retrieves information from managed systems using a lightweight client installer. Originally designed to provide software management details (quickly and easily retrieving details on installed applications from client systems), AIS now also provides license tracking. So in addition to telling you what software is installed in your infrastructure, AIS will correlate that inventory with your Microsoft License Statement information. That's crucial in this day and age to make sure that you are not only compliant from a legal perspective, but also that you aren't wasting money on unused licenses. AIS incorporates data normalization based on a catalog of many application titles. The resulting reports provide information that is complete, easy to understand, and not cluttered by repetitive entries.

Diagnostics and Recovery Toolset
As with AGPM, there are two versions of the Microsoft Diagnostics and Recovery Toolset (DaRT) included in MDOP now—5.0 and 6.0. The 5.0 version that previously shipped with the release of MDOP I discussed in 2007 is still available and is unchanged. That's the version you need if you are trying to recover a Windows XP system.
For organizations using Windows Vista, however, MDOP now includes all of the functionality of the 5.0 release, and then some. The 6.0 release supports Windows Vista, both 32-bit and 64-bit. In fact, the process of creating your ERD Commander ISO uses a Windows Vista DVD to complete its work. As I've mentioned before, you shouldn't ever use a Windows PE 1.x CD (which DaRT 5 is) to boot a Windows Vista system as it will cause your Restore Point data to be lost, thus the move to Windows PE 2 for DaRT 6.
Unlike DaRT 5, which had its own unique user interface, DaRT 6 integrates into the Microsoft Windows Recovery Environment (WinRE) interface and provides a quick-launch menu upon startup to launch the appropriate tool.
New to this release is the Standalone System Sweeper (Figure 4), which provides anti-malware functionality in an offline scan. It uses a signature that is up to date when the ISO image is initially created; updates can also be provided via a USB Flash Drive (UFD) when using ERD Commander. If Internet connectivity is available, updates can be downloaded in real-time for offline scanning.
Figure 4 Standalone System Sweeper retrieving signature updates
Also new is System Boot File Repair, part of WinRE, which provides the ability to repair critical system boot files to get a system bootable again.
While DaRT 6 no longer has the ability to share out the local system drive for recovery, you can still connect to remote shares and copy data as needed using ERD's Explorer-like interface.
DaRT has also been enhanced to support BitLocker-encrypted volumes. Previously, you would have had to manually hack in support for disk/volume encryption tools, and BitLocker was not supported at all. That's changed now with the rest of the Windows Vista support.

System Center Desktop Error Monitoring
Microsoft System Center Desktop Error Monitoring (DEM) 3.0 SP1 lets organizations centralize and diagnose Windows crashes and application hangs. It has been enhanced to improve performance and reliability plus better reporting functionality (the ability to see the top demographics, for example). DEM 3.0 SP1 also can be easily upgraded to a full System Center Operations Manager implementation.
DEM is useful for organizations because it provides insight into the lifecycle of systems in the organization—events that would previously have gone undetected or resulted in strange system failures can now be seen ahead of time. Thus, DEM allows more proactive handling of troublesome applications or drivers to deliver a more reliable desktop experience for an organization's end users. It also helps to close the loop with application and driver developers who may not be aware of how and why their software is failing.

But Wait—There's More
So now we have covered all of the key components of the MDOP that were in the product when I discussed it in 2007. While these components have all improved significantly, what I think you will find most interesting about the MDOP is what's new. As with most of the other MDOP components, Microsoft Enterprise Desktop Virtualization (or MED-V for short), is comprised of technology that Microsoft acquired and is turning into technology that can really enhance the enterprise Windows world.
In 2008, Microsoft acquired Kidaro, a small virtualization company. What made Kidaro products interesting is that they were not strictly virtualization products like Virtual PC, VMware, Citrix XEN, and so forth. Instead, Kidaro's technology worked to make existing virtual machines much more dynamic and manageable—and that's exactly the direction Microsoft has continued to take with it.
MED-V, available in a public beta form as I write this, is designed to allow an organization to keep legacy applications around, as needed, but offer them in a managed, virtual environment. Instead of providing a full "desktop in a window," which can be confusing to end users and hard for administrators to maintain, MED-V contains needed legacy applications on a standardized image that is centrally maintained. And it does this in a way that—for all but administrators and power users— looks convincingly like they are native applications running on the actual host OS. Instead, of course, they are actually running on a guest under Microsoft Virtual PC.
MED-V begins with the packaging process, where it provides a console to help administrators create and test images and store them on an IIS Web server, and then create an MSI that is capable of pulling the images down from a the repository.
The images can be deployed via removable storage (UFD, DVD, and so on), via a MED-V internal delivery mechanism called TrimTransfer that provides a bandwidth-optimized delivery mechanism for deployment and updates to images. You can, of course, also distribute the images via SCCM if you have the infrastructure.
The central management server of MED-V supports up to 5,000 endpoints and allows you to use Active Directory to assign images and require authentication based on Active Direct Users or Groups.
During deployment, MED-V provides the means to automatically configure the network of the guest OS and join it to the domain, as well as to apportion RAM to the guest based upon the host's RAM. Once deployed, MED-V enables monitoring and centralized remote administration of the guest OS.
Authentication of the image can be governed via Active Directory, and you can restrict images to only allow access for a certain timeframe, with a set expiration point, or for a certain window of hours, say, during business hours.
Instead of the traditional "floating desktop" displayed by traditional virtualization systems—which can throw nontechnical users—MED-V places a small icon in the Windows notification area. The virtual machine is essentially invisible to the end user, and any applications that are installed on the guest display shortcuts in the end user's host Start Menu. When these applications run, unless they are configured to display the full desktop, they will run as freestanding applications (as if they were running on the host). Optionally, MED-V can frame these apps with a colored border to help users discern "where" the application is. This is useful for users, and it also lets a help desk see that a user is running MED-V. This option is available to administrators via the MED-V management console.
Just as with Virtual PC, printer redirection to a host printer, file transfers, and copy and paste all typically work as configured. Effectively, the user can print from and copy or past to or from MED-V-hosted applications as if they were applications on the host itself. MED-V can also specify URLs that should always be opened from within the MED-V guest, while others will use the host OS's Web browser instead. Finally, the images can be configured to either retain state, or to be reversible (revert to a snapshot in time) if no user state needs to be retained.
Thus, MED-V can best be thought of as a means to provide a managed, secured, and easily updated environment to end-users. Whether the goal is to provide a managed environment to access legacy applications, to provide controlled access to information for security or compliance reasons, or simply to provide an enterprise application in a managed environment, MED-V provides a new and exciting way to offer the necessary applications to your end-users. It does this in a low-impact, high-performance, secure, and manageable way.
MED-V is an eagerly anticipated update to the MDOP platform, and will undoubtedly help Microsoft customers optimize their Windows investment.

MDOP Licensing
The licensing requirements for MDOP have not changed. To license MDOP, customers must have an existing Microsoft Software Assurance (SA) agreement covering the desktops that MDOP is to be used on. Once Software Assurance is in place, the licensing costs begin at approximately $10 per desktop per year. Volume discounts and educational pricing are available.
As before, the MDOP is not generally available for use on servers. However, you can license Application Virtualization 4.5 for Terminal Services. More information is available at Microsoft Application Virtualization for Terminal Services site .

Conclusion
With the MDOP 2008 R2 release, and the impending release that supports MED-V, Microsoft continues to add valuable new tools to the product to help Microsoft SA customers make the most of their Windows investment, and do so in a way that optimizes the investments customers have made in other Microsoft management technologies, including operations that require support for other languages.
More information about MDOP is available on the Windows Desktop Management and Deployment site , which is updated with each MDOP release to include new components and updates.
If you currently have Software Assurance and are considering licensing MDOP, you may want to visit the free MDOP Return on Investment (ROI) tool MDOP ROI tool , which can help you visualize the estimated cost savings of deploying MDOP on your desktop systems.

Wes Miller is the Director of Product Management at CoreTrace ( CoreTrace.com ) in Austin, Texas. Previously, he worked at Winternals Software and as a Program Manager at Microsoft. Wes can be reached at technet@getwired.com

Arquivos da área de trabalho Revisitando o Microsoft Desktop Optimization Pack
Wes Miller


Faz apenas dois anos que eu comentei pela primeira vez sobre o Microsoft Desktop Optimization Pack (MDOP) e as cinco tecnologias nele incluidas: SoftGrid Application Virtualization, Asset Inventory Service, Diagnostics and Recovery Toolset, Advanced Group Policy Management, and System Center Desktop Error Monitoring. Desde então, a Microsoft lançou atualizações duas — MDOP 2008 e, em seguida, MDOP 2008 R2 (veja a Figura 1 ). A versão mais recente inclui vários aprimoramentos para todos os componentes-chave, bem como suporte para localidades adicionais para a maioria dos componentes. Outra atualização será por volta da metade de 2009 terá suporte para Microsoft Enterprise Desktop Virtualization (MED-V), que abordarei em detalhes no final do artigo deste mês. Vamos dar uma olhada em como cada uma das tecnologias incluídas no MDOP foram aprimorados.
Figura 1 O novo Microsoft da área de trabalho Optimization Pack 2008 R2

Virtualização de aplicativos
O componente do MDOP originalmente chamado SoftGrid Application Virtualization agora é o Microsoft Application Virtualization 4.5 (APP-V) e foi bastante aprimorado para tornar mais rápido e fácil usá-lo em uma organização baseada no Microsoft Windows. Entre a confiabilidade recursos que foram aprimorados são:
  • Um cache de memória bloqueada que permite aos aplicativos devem ser retidos em sistemas de clientes no cache do aplicativo local, mesmo quando o sistema for desligado, de repente,
  • Plano de fundo fluxo contínuo, permitindo para armazenamento em cache automático do aplicativo, onde os aplicativos são baixados em segundo plano enquanto um usuário está executando outras tarefas;
  • Aplicativo check-apontando, que permite que o estado de aplicativos, como as preferências do usuário e as configurações, fazer backup para que eles podem ser rapidamente restaurados mais tarde.
Suporte a uma infra-estrutura da Microsoft em uma maneira gerenciável agora é mais fácil com o APP-V, como ele lhe permite criar um arquivo MSI de pacotes virtualizados — que significa que o seu aplicativo ferramentas de publicação podem ser usadas para forma rápida e confiável out APP-V pacotes bem. Da mesma forma, clientes sistema central Configuration Manager (SCCM) e o SMS podem empurrar fora um pre-cache de aplicativos, mesmo para novos sistemas com nenhum usuário local instalado ainda. Com o SCCM 2007 R2, aplicativo-V e SCCM integrado, permitindo que você utilizar um console de gerenciamento, execute fluxos de trabalho conhecidos de gerenciamento de aplicativos e tirar proveito da funcionalidade de principal do SCCM para estoque, distribuir, gerenciar e gerar relatórios sobre aplicativos virtuais assim como aplicativos físicos. Você também obtém um provedor WMI que permite gerenciado monitoramento do uso de APP-V, online ou offline.
Para melhorar o desempenho e conveniência de APP-V, o produto oferece agora suporte fluxo contínuo de qualquer servidor HTTP existente na sua infra-estrutura. O processo de seqüenciamento foi otimizado para acelerar a criação de aplicativos virtualizados. Além disso, você agora pode virtualizar aplicativos com base em .NET. Obter mais informações sobre a virtualização do .NET estão disponíveis no artigo" Suporte a .NET na Microsoft Application Virtualization 4.5 (App-V) ".
Da perspectiva da usabilidade, APP-V agora oferece suporte a idiomas localizados 11 e ele agora pode virtualizar um aplicativo em qualquer linguagem, exceto os que usam "script complexo,", como idiomas tailandês, hebraico, árabe, vietnamita e (Indo-europeu). Também oferece suporte a conformidade de acessibilidade da Seção 508 (do Rehabilitation Act de 1973).
APP-V é tem suporte no Windows XP (4.2 APP-V) e o Windows Vista (4.5 APP-V) de 32 bits. Suporte para versões x 64 do Windows Vista é esperado em um formulário do beta em 2009 atrasado, com uma versão durante o ano civil 2010 (consulte o artigo" MDOP faz algumas ruído na Espanha "). Suporte para versões de 64 bits do Windows é um recurso solicitado com freqüência para APP-V, mas fazer APP-V compatível com o Windows Vista e Windows Server 2008 requer modificações significativas para a infra-estrutura APP-V; isso terão suporte no vencimento tempo.

O Group Policy Management avançadas
São fornecidas duas versões do Microsoft Advanced grupo Diretiva de gerenciamento (AGPM) — 2.5 e 3.0. Se sua infra-estrutura de servidor estiver executando o Windows Server 2003 ou os clientes ainda o a versão RTM original do Windows Vista, você deve usar a versão 2.5 anterior de AGPM. Para usar AGPM 3.0, o servidor deve estar executando o Windows Server 2008, e seus clientes usadas para gerenciar AGPM devem estar executando o Windows Vista Service Pack 1. A nova versão também adiciona suporte para versões x 64 de Windows Vista Service Pack 1 e Windows Server 2008. No entanto, observe que AGPM pode ser usado para gerenciar a diretiva de grupo em sistemas que executam o Windows 2000 SP4 ou mais recente.
Além o suporte de plataforma e da arquitetura, AGPM 3.0 agora oferece a capacidade de aplicar permissões às diretivas de grupo, que significa que você pode controlar que modifica a diretiva de grupo em sua organização (consulte a Figura 2 ). Ele também aprimorou controle para monitorar quando uma diretiva foi alterada, como e por quem (e quem aprovou ou rejeitou), como mostrado na Figura 3 de alterações. A interface do usuário do AGPM 3 também foi aperfeiçoada significativamente e como APP-V, está disponível em outros idiomas (11 no total).
A Figura 2 AGPM integrado o console de gerenciamento de diretiva de grupo
A Figura 3 diretiva de controle de revisão visualizado por meio de AGPM

Serviço de inventário de ativos
O componente Microsoft AIS (Asset Inventory Service) 1.5 será a única informação "software como um serviço" o MDOP. Ele está disponível em um site online facilmente usado e recupera informações de sistemas gerenciados usando um instalador do cliente leve. Originalmente criado para fornecer detalhes de gerenciamento de software (forma rápida e fácil recuperar detalhes nos aplicativos instalados de sistemas do cliente), o AIS agora também fornece controle de licença. Portanto, bem como informando qual software é instalado na sua infra-estrutura, o AIS será correlacionar que o estoque com as informações de política de licença da Microsoft. Isso é essencial neste dia e age para Verifique se que você não está apenas compatível de uma perspectiva legal, mas também que você não desperdiçar dinheiro em licenças não utilizadas. O AIS incorpora normalização de dados com base em um catálogo de vários títulos de aplicativo. Os relatórios resultantes fornecem informações que é concluída, fáceis de entender e não truncado por entradas repetidas.

Diagnóstico e o conjunto de ferramentas de recuperação
Como com AGPM, existem duas versões do Diagnóstico do Microsoft e do conjunto de recuperação ferramentas (DaRT) incluídas no MDOP agora — 5.0 e 6.0. A versão 5.0 anteriormente fornecida com o lançamento do MDOP que abordei na 2007 ainda está disponível e é inalterada. Essa é a versão que você precisa se você estiver tentando recuperar um sistema Windows XP.
Para organizações usando o Windows Vista, entretanto, MDOP agora inclui toda a funcionalidade da versão 5.0 e, em seguida, alguns. A versão 6.0 oferece suporte a Windows Vista, 32 bits e de 64 bits. Na verdade, o processo de criar o ISO do ERD Commander usa um DVD do Windows Vista para concluir seu trabalho. Como já mencionei antes, você não deve usar sempre um CD de 1.x de Windows PE (que 5 do DaRT é) para inicializar um sistema Windows Vista como ele causará seus dados de ponto de restauração para ser perdido, assim, a movimentação para o Windows PE 2 do DaRT 6.
Ao contrário do DaRT 5, que tinha sua própria interface de usuário exclusivo, o DaRT 6 integra a interface do ambiente de recuperação do Microsoft Windows (WinRE) e fornece um menu de inicialização rápida na inicialização para iniciar a ferramenta adequada.
Novo para esta versão é a Sweeper de sistema autônomo ( Figura 4 ), que fornece funcionalidade de anti-malware em uma verificação offline. Ele usa uma assinatura que está atualizado quando a imagem ISO é inicialmente criada; atualizações podem também ser fornecidas por meio de um USB Flash Drive (UFD) ao usar o ERD Commander. Se a conectividade com a Internet estiver disponível, as atualizações podem baixar em tempo real para a digitalização off-line.
A Figura 4 Sweeper de sistema autônomo recuperar atualizações de assinatura
Também é um novo sistema inicialização arquivo reparar, parte WinRE, que fornece a capacidade de reparar arquivos de inicialização críticos do sistema para obter um sistema de inicialização novamente.
Enquanto DaRT 6 não tem a capacidade de compartilhar a unidade de sistema local para recuperação, ainda poderá conectar-se a compartilhamentos remotos e copiar dados conforme necessário usando do ERD Explorer-como interface.
Dardo também foi aprimorado para oferecer suporte a volumes criptografados pelo BitLocker. Anteriormente, você poderia teve Para manualmente criar no suporte a ferramentas de criptografia de volume/disco, e o BitLocker não era suportado em todos os. Que mudou agora com o restante do suporte do Windows Vista.

O System Center Desktop Error Monitoring
Microsoft System Center da área de trabalho erro monitoramento (DEM) 3.0 SP1 permite que as organizações centralizar e diagnosticar panes do Windows e travamentos de aplicativos. Ele foi aprimorado para melhorar o desempenho e confiabilidade mais relatórios melhor funcionalidade (a capacidade para ver os dados demográficos superior, por exemplo). DEM 3.0 SP1 também pode ser facilmente atualizado para uma implementação completa do System Center Operations Manager.
DEM é útil para as organizações porque ele fornece informações sobre o ciclo de vida de sistemas na organização — eventos que seriam anteriormente passaram sem ser detectado ou resultou em falhas do sistema estranho agora podem ser vistos antes do tempo. Portanto, DEM permite mais manipulação pró-ativa de aplicativos importunos ou experiência de drivers para fornecer uma área de trabalho mais confiável para usuários finais de uma organização. Isso também ajuda a fechar o loop com os desenvolvedores de aplicativo e o driver que pode não estar ciente de como e por que o software está falhando.

Mas espere — é mais
Portanto, agora tem abordamos todos os componentes principais do MDOP que estavam no produto quando discuti-lo em 2007. Embora esses componentes todos melhoraram significativamente, o que eu think que você encontrará mais interessante sobre o MDOP é o que há de novo. Como com a maioria dos outros componentes do MDOP, virtualização da Microsoft Enterprise da área de trabalho (ou MED-V abreviada), é composto de tecnologia que Microsoft adquiridos e é transformar em tecnologia que realmente pode aprimorar o mundo do Windows empresarial.
Em 2008, a Microsoft adquiriu Kidaro, uma empresa de pequeno virtualização. O que fez Kidaro produtos interessante é que eles não eram estritamente produtos de virtualização como o Virtual PC, VMware Citrix XEN e assim por diante. Em vez disso, a tecnologia do Kidaro trabalhou para tornar existentes máquinas virtuais muito mais dinâmicas e gerenciável, e isso é exatamente a direção Microsoft continuou sejam com ele.
MED-V, disponível em uma forma de versão beta pública à medida que escreve isso, foi projetado para permitem que uma organização manter aplicativos herdados, conforme necessário, mas oferece-los em um ambiente gerenciado, virtual. Em vez de fornecer um "computador completo em uma janela," que pode ser confuso para usuários finais e disco rígido para que os administradores manter, MED-V contém aplicativos herdados necessários em uma imagem padronizada que é mantido centralmente. E ele faz isso de maneira que — para todos, exceto administradores e usuários em potencial — parece convincingly que eles são aplicativos nativos em execução no sistema operacional host real. Em vez disso, é claro estão realmente executando em um convidado em Microsoft Virtual PC.
MED-V começa com o processo de embalagem, onde ele fornece um console para ajudar os administradores a criar e testar as imagens e armazená-los em um servidor Web do IIS e um MSI que é capaz de recuperar as imagens para baixo de um repositório.
As imagens podem ser implantadas por meio de armazenamento removível (unidade UFD, DVD e assim por diante), por meio de um mecanismo de entrega interno MED-V chamado TrimTransfer que fornece um mecanismo de entrega de largura de banda otimizada para implantação e atualizações para imagens. Você pode, obviamente, também distribuir as imagens via SCCM se você tiver a infra-estrutura.
O servidor de gerenciamento central do MED-V oferece suporte a pontos de extremidade até 5.000 e lhe permite usar o Active Directory para atribuir imagens e exigir autenticação com base no Active Users direta ou grupos.
Durante a implantação, MED-V fornece os meios para automaticamente configurar a rede do sistema operacional convidado e acesse o domínio, bem como para apportion RAM para o convidado com base na memória RAM do host. Depois que implantado, MED-V permite administração remota de monitoramento e centralizada do sistema operacional convidado.
Autenticação da imagem pode ser controlada por meio do Active Directory e você pode restringir as imagens para permitir somente acesso para um determinado período, com um ponto de expiração de conjunto, ou para um determinado janela de horas, digamos, durante o horário comercial.
Em vez da área de tradicional "flutuante trabalho" exibida por sistemas de virtualização tradicional — que pode lançar os usuários — MED-V coloca um pequeno ícone na área de notificação do Windows. A máquina virtual é essencialmente invisível para o usuário final e quaisquer aplicativos instalados no convidado exibem atalhos no host do usuário final menu Iniciar. Quando esses aplicativos são executados, exceto se eles estiverem configurados para exibir a área de trabalho total, serão executado como independente de aplicativos (como se eles foram executado no host). Opcionalmente, MED-V pode quadros esses aplicativos com uma borda colorida para ajudar os usuários enxergar "onde" o aplicativo está. Isso é útil para os usuários, e também permite que um técnico se um usuário está sendo executado MED-V. Ela estará disponível para administradores por meio do console de gerenciamento MED-V.
Assim como com Virtual PC, redirecionamento de impressora para uma impressora de host, transferências de arquivo e copiar e colar todos os normalmente trabalhar como configurado. Na verdade, o usuário pode imprimir a partir e copiar ou passado para ou de aplicativos MED-V-hospedado como se fossem o próprio host de aplicativos. MED-V também pode especificar URLs que devem sempre ser abertos no convidado MED-V, enquanto outros serão usam do sistema operacional host navegador em vez disso. Finalmente, as imagens podem ser configuradas para manter ou estado, ou a ser reversível (reverter para um instantâneo em tempo) se nenhum estado de usuário precisa ser retido.
Portanto, MED-V melhor pode ser pensado como meio para fornecer um ambiente gerenciado, seguro e facilmente atualizado para os usuários finais. Se o objetivo é fornecer um ambiente gerenciado para acessar aplicativos herdados, para fornecer acesso controlado às informações por motivos de segurança ou conformidade, ou simplesmente para fornecer um aplicativo empresarial em um ambiente gerenciado, MED-V fornece uma maneira nova e interessante para oferecer os aplicativos necessários para seus usuários finais. Ele faz isso de baixo impacto, alto desempenho, segura, gerenciável maneira e.
MED-V é uma atualização cuidadosamente antecipada para a plataforma do MDOP, e será, indubitavelmente, ajuda os clientes da Microsoft otimizar seus investimentos de Windows.

Licenciamento do MDOP
Os requisitos de licenciamento para o MDOP não foram alterados. Para licenças MDOP, os clientes devem ter um contrato existente do Microsoft Software Assurance (SA) abrangendo as áreas de trabalho que MDOP deverá ser usado em. Depois que o Software Assurance é estabelecido, os custos de licenciamento começam em aproximadamente US$ 10,00 por desktop por ano. Descontos por volume e preços educacionais estão disponíveis.
Como antes, o MDOP não geralmente disponível para uso em servidores. No entanto, você pode licença 4.5 de virtualização de aplicativos para os serviços de terminal. Obter mais informações estão disponíveis em Virtualização de aplicativos da Microsoft para o site de serviços de terminal .

Conclusão
Com a versão do MDOP 2008 R2 e o iminente lançamento que ofereça suporte a MED-V, a Microsoft continua adicionar novas ferramentas importantes ao produto para ajudar os clientes a associação de segurança da Microsoft aproveitar ao máximo seus investimentos de Windows e isso de forma que otimiza os investimentos clientes feitas em outras tecnologias de gerenciamento de Microsoft, incluindo operações que exigem suporte para outros idiomas.
Mais informações sobre o MDOP estão disponíveis na Site de gerenciamento de área de trabalho do Windows e implantação , que é atualizado com cada versão MDOP para incluir novos componentes e as atualizações.
Se você atualmente tem o Software Assurance e está pensando em licenciamento MDOP, pode deseja visitar o MDOP livre retorno sobre investimento (ROI) ferramenta Ferramenta de ROI do MDOP , que pode ajudar a visualizar a economia de custo estimado de implantação do MDOP em seus sistemas da área de trabalho.

Wes Miller é o diretor de gerenciamento em CoreTrace ( CoreTrace.com ) em Austin, Texas. Anteriormente, ele trabalhou na Winternals Software e como gerente de programas da Microsoft. Wes pode ser contatado pelo technet@getwired.com

Page view tracker