Exportar (0) Imprimir
Expandir Tudo
Expandir Minimizar

Planejando a implantação de aplicativos

Planejando

Publicado em: 30/11/2006

Publicado: novembro 30, 2006

A Figura 3 fornece uma divisão detalhada das atividades realizadas durante a Fase Planejar. Essas atividades são divididas em duas categorias: estabelecimento do laboratório e identificação de problemas de implantação que devem ser resolvidos pela equipe de recursos durante o decorrer do projeto.

Bb490283.SE_AppMan03(pt-br,TechNet.10).gif

Figura 3. Atividades durante a Fase Planejar
Nesta página

Funções e responsabilidades
Integrando com as equipes de recursos da compatibilidade de aplicativos e de migração de perfil do usuário
Estabelecendo o laboratório
Identificando aplicativos principais e complementares
Entendendo as técnicas de empacotamento.
Realizando o inventário dos aplicativos
Priorizando aplicativos
Identificação dos SMEs de aplicativos
Identificando arquivos e configurações
Escolhendo as técnicas de distribuição
Etapa: Plano de migração aceito

Funções e responsabilidades

Os seis grupos de funções do Modelo de Equipe do MSF têm uma função na Fase Planejar. O Guia Planejar , Criar , e Implantar apresenta essas funções e define as áreas principais para cada grupo de funções (consulte a Tabela 1).

Tabela 1. Funções e responsabilidades durante a Fase Planejar

Função

Foco

Gerenciamento de produto

  • Entrada no design conceitual

  • Análise dos requisitos comerciais

  • Planejamento das comunicações

Gerenciamento de programa

  • Design conceitual e lógico

  • Especificação funcional

  • Planejamento e agendamento do projeto

  • Orçamento

Desenvolvimento

  • Estabelecimento do laboratório

  • Identificação de problemas dos aplicativos principais

Experiência do usuário

  • Cenários ou casos de uso

  • Requisitos do usuário

  • Requisitos de localização e acessibilidade

  • Documentação do usuário

  • Planos de treinamento

  • Cronogramas

Teste

  • Definição dos requisitos de teste

  • Planejamento e agendamento do teste

Gerenciamento de versões

  • Avaliação do design

  • Requisitos das operações

  • Planejamento ou agendamento do piloto e da implantação

  • Descoberta de rede

  • Inventário de aplicativos e hardware

  • Interface com as operações de TI (tecnologia da informação) e a equipe de recursos de segurança

Para obter mais informações sobre os grupos de funções do Modelo de Equipe do MSF, consulte a home page do MSF (em inglês), no endereço http://www.microsoft.com/technet/itsolutions/msf.

Integrando com as equipes de recursos da compatibilidade de aplicativos e de migração de perfil do usuário

A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos deve se integrar às equipes de recursos da migração de perfil do usuário de compatibilidade de aplicativos. A equipe de recursos da compatibilidade de aplicativos deve determinar quais aplicativos serão implantados nos computadores cliente e identificar quaisquer exigências especiais para permitir que os aplicativos sejam executados adequadamente nas plataformas de destino. A equipe de recursos da migração de perfil do usuário identificará a melhor maneira de migrar os dados de aplicativos a partir de aplicativos complementares. Consulte a equipe de recursos da migração de perfil do usuário para identificar quaisquer alterações que possam ser necessárias durante a implantação de aplicativos complementares para garantir que os dados do usuário possam ser mantidos após a conclusão da migração.

Estabelecendo o laboratório

Durante a Fase Planejar, é estabelecido o ambiente de laboratório, no qual todo o trabalho de desenvolvimento é realizado. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos não requer necessariamente um laboratório separado. Normalmente, os membros podem usar a infra-estrutura de laboratório estabelecida pelas equipes de recursos do Computer Imaging System e da compatibilidade de aplicativos. No entanto, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos deve garantir que tem a mídia de software licenciada necessária, conforme definido anteriormente na seção “Pré-requisitos” deste guia.

Identificando aplicativos principais e complementares

Um aplicativo principal é qualquer aplicativo que seja comum a todas, ou à maioria, das organizações, que não seria prontamente aberto para distribuição ou os aplicativos que devem ser disponibilizados assim que a imagem é ativada. Os aplicativos principais são aqueles que precisam ser instalados em todos ou na maioria dos computadores desktop da empresa. Esses aplicativos, como o Microsoft Office, softwares antivírus, os programas de compactação, os clientes de email etc., são comuns a todos os desktops. Documente as opções de linha de comando necessárias para instalar cada aplicativo sem a interação do usuário.

Muitas organizações consideram os seguintes aplicativos como principais:

  • Microsoft Office

  • Adobe Acrobat e Reader

  • Macromedia Flash Player

  • Macromedia Shockwave

  • Vários pacotes de antivírus

  • Vários plug-ins do Microsoft Office Outlook®

  • Vários plug-ins do Windows Internet Explorer®

  • Protetores de tela corporativos

  • Aplicativos de emulação de terminais (como TN3270)

  • Drivers de banco de dados e softwares de conectividade

  • Softwares de gerenciamento de rede e de clientes (como os clientes OpenManage)

Alguns aplicativos principais podem ser instalados no modo silencioso, sem a interação do usuário. Por exemplo, os programas do 2007 Office system e outros produtos da Microsoft podem ser instalados desta maneira. Para obter mais informações sobre como implantar o 2007 Office system, consulte o Guia de Implantação do Office disponível no BDD 2007.

Para os aplicativos principais que não fornecem uma instalação silenciosa, decida como automatizar a instalação. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode reempacotar muitos aplicativos como os bancos de dados de configuração do Windows Installer, por exemplo, ou criar um script para automatizar a instalação. Para obter mais informações sobre como reempacotar aplicativos herdados, consulte a próxima seção, “Desenvolvimento”.

Outros aplicativos podem ser necessários para um ou mais grupos de computadores no ambiente. Os aplicativos que não são exigidos pela maioria dos computadores são identificados como aplicativos complementares. Por exemplo, o departamento de engenharia pode usar um aplicativo CAD. Os aplicativos complementares são instalados em uma fase de implantação posterior à criação de imagens.

Muitas organizações consideram os seguintes aplicativos como complementares:

  • Microsoft Visual Studio® 2005

  • Microsoft SQL Server™ 2005 Client Tools

  • Microsoft Data Analyzer 3.5

  • Vários aplicativos CAD

  • Vários sistemas do ERP (Planejamento de Recursos Empresariais)

Entendendo as técnicas de empacotamento.

Muitas organizações desejam personalizar as instalações de aplicativos para ajudá-las a atender suas exigências comerciais exclusivas. O fornecimento de uma única maneira de instalar todos os aplicativos e garantir o processo de instalação reduzem sensivelmente a quantidade de tempo e o esforço gastos nas soluções de falhas de aplicativos. Uma personalização simples pode envolver a configuração do processo de instalação para continuar sem interação do usuário. Esse tipo de instalação normalmente é conhecido como modo silencioso ou autônomo. Uma situação mais complexa pode envolver a personalização completa do conteúdo de uma instalação pela adição, remoção ou alteração de arquivos ou de outros recursos que devem ser instalados.

Anteriormente, os fabricantes de aplicativos forneciam um programa de instalação exclusivo para cada aplicativo. Em alguns casos, o programa de instalação fornecido com o aplicativo permitia uma quantidade de personalização limitada (por exemplo, pela edição de um arquivo Setup.inf). Entretanto, a equipe de TI frequentemente tinha que personalizar e reempacotar manualmente os aplicativos que não permitiam personalização.

A interface de linha de comando para controlar a instalação de cada aplicativo também variava. Isso exigia que os administradores gastassem tempo aprendendo diferentes recursos administrativos para cada programa. Por exemplo, a opção de linha de comando para desinstalar um aplicativo poderia ser /u, /r, /x, -u, -r, -x ou algo totalmente diferente. Além disso, a instalação de um aplicativo para um único usuário às vezes exigia um procedimento totalmente diferente daquele usado para a instalação de um aplicativo para todos os usuários de um computador.

Embora os aplicativos modernos sejam muito mais consistentes na forma como eles fornecem instalações autônomas, os aplicativos herdados ainda têm muitos procedimentos de configuração complexos e variados. As organizações que desejam implantar esses aplicativos de uma forma consistente e confiável deverão usar empacotamento de aplicativos. Esse guia abrange as três principais categorias de empacotamento de aplicativos.

Observação   Durante a Fase Planejar, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos escolhe uma técnica de empacotamento de aplicativos. A equipe não implementará o empacotamento de aplicativos até a Fase Desenvolver.

Em cada uma das três principais categorias há várias soluções diferentes. As três categorias são:

  • Uma instalação executável que originalmente oferece suporte à instalação autônoma:

    • Windows Installer

    • Arquivos de resposta do InstallShield

    • Outros scripts de instalação

  • Tecnologias de reempacotamento:

    • SMS Installer

    • AdminStudio

  • Recorte de tela (também conhecido como keyboard stuffing):

    • Microsoft Windows Script (SendKeys)

As seções a seguir descrevem cada tecnologia mais detalhadamente. Para obter instruções sobre como usar cada uma dessas tecnologias, consulte “Desenvolvimento”, mais adiante neste guia. Referências a instruções detalhadas e à documentação, quando disponíveis, sobre as diversas tecnologias e métodos são relacionadas.

Avaliando um aplicativo

Use a árvore de decisão, mostrada na Figura 4, para determinar qual abordagem de automação usar.

Bb490283.SE_AppMan04(pt-br,TechNet.10).gif

Figura 4. Árvore de decisão para a seleção de tecnologia de empacotamento de aplicativo

Considere os fatores a seguir quando estiver respondendo às perguntas da Figura 4:

  • O aplicativo possui seus próprios recursos de automação? Primeiramente, procure um arquivo .msi na mídia de configuração. Este arquivo .msi é um arquivo do Windows Installer que os membros da equipe podem usar para automatizar a instalação. Se não houver um arquivo .msi, ainda assim haverá uma possibilidade distinta de que o procedimento de configuração ofereça suporte a uma tecnologia de automação diferente. Se a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos estiver automatizando um aplicativo popular e comum (em contrate com um aplicativo desenvolvido internamente), a equipe provavelmente poderá localizar informações na Internet de administradores que anteriormente automatizaram a instalação do aplicativo. O melhor local para começar é a página AppDeploy.com Package KnowledgeBase em http://www.appdeploy.com/packages, que contém uma base de conhecimento de aplicativos que foram empacotados e implantados por outras pessoas, uma lista de maneiras para automatizar a instalação e detalhes sobre problemas potenciais.

  • O aplicativo pode ser instalado usando uma tecnologia de reempacotamento? Se o aplicativo não tiver seus próprios recursos de automação, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos poderá instalá-los reempacotando o aplicativo. A melhor maneira de determinar se um aplicativo pode ser reempacotado é tentar reempacotá-lo e, em seguida, testar sua implantação em um ambiente de laboratório. Este guia fornece instruções detalhadas para reempacotamento de aplicativos.

  • O aplicativo é compatível com recorte de tela? A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode automatizar a maioria dos aplicativos com instaladores interativos usando uma ferramenta que simula o pressionamento de teclas, como o Windows Script. Ocasionalmente, o procedimento de instalação pode exigir que o usuário use o mouse ou execute alguma tarefa complexa que não possa ser facilmente automatizada. Nesses casos, a automação do processo de instalação pode não ser viável.

Observação   O ScriptIt era utilizado anteriormente para simular o pressionamento de teclas; entretanto, agora essa ferramenta é considerada obsoleta. O Windows Script fornece uma plataforma mais flexível e poderosa para recorte de tela.

A Tabela 2 mostra as semelhanças e diferenças entre as ferramentas comuns de instalação automatizadas: Windows Installer, scripts de instalação (fornecidos pelo fornecedor do aplicativo), AdminStudio, Wise Package Studio, SMS Installer e Windows Script. Você pode usar essa tabela para ajudar a determinar qual ferramenta melhor se ajusta ao seu ambiente e às suas necessidades.

Tabela 2. Recursos de ferramentas de instalação automatizadas

Atributo

Windows Installer

Scripts de instalação

AdminStudio
SMS Edition/Professional

Wise Package Studio

SMS Installer

Windows Script

Não requer intervenção do usuário

Sim

Sim

Sim/Sim

Sim

Sim

Sim

Disponível sem custos adicionais

Sim

Sim

Sim/Não

Não

Não, requer o SMS

Sim

Pode instalar mais de um programa por vez, incluindo as configurações de arquivo e registro

Sim

Não

Sim/Sim

Sim

Sim

Não

Tem uma interface inteligente orientada por assistente em vez de exigir edição de arquivo de texto

Sim

Não

Sim/Sim

Sim

Sim

Não

Tem uma GUI (interface gráfica do usuário) com muitos recursos

Sim

Não

Sim/Sim

Sim

Sim

Não

Mostra se o cliente concluiu ou não uma instalação

Sim, se configurado

Não necessariamente

Sim/Sim

Sim

Sim

Sim, se estiver com script

Pode criar um pacote de instalação para vários computadores e pode designar as condições para a instalação

Sim

Não necessariamente

Sim/Sim

Sim

Sim

Sim, se estiver com script

Para obter mais informações sobre a avaliação de aplicativos para reempacotamento, consulte o Mandamento 5, “Saiba quando empacotar” e o Mandamento 6, “Reempacote ou personalize todas as instalações de software”, em “Os 20 mandamentos do empacotamento de software” (incluído no BDD 2007) da Macrovision.

Windows Installer

O Windows Installer, também conhecido como Microsoft Installer ou MSI , é uma tecnologia e um formato de arquivo para instalar aplicativos em computadores com Windows. A maioria dos novos aplicativos, incluindo quase todos os novos aplicativos da Microsoft, inclui arquivos do Windows Installer. A inclusão de um arquivo (.msi) do pacote do Windows Installer com um aplicativo simplifica muito a implantação, pois provavelmente não será necessário reempacotar o aplicativo.

Como o Windows Installer é muito flexível e fácil de ser implantado em uma empresa, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode desejar implantar os aplicativos em um pacote do Windows Installer, ainda que o desenvolvedor do software não tenha incluído um arquivo .msi. Os membros da equipe geralmente podem reempacotar um aplicativo em um arquivo .msi usando uma ferramenta de reempacotamento, como AdminStudio, Wise Package Studio ou SMS Installer (todos descritos neste guia). Às vezes, o reempacotamento de um aplicativo é fácil. Outras vezes, é extremamente difícil e demorado. Ocasionalmente, é impossível ou inviável reempacotar um aplicativo.

Se o departamento de TI desenvolver aplicativos internamente, trabalhe com os membros da equipe de desenvolvimento para fazer com que eles empacotem seus aplicativos nos arquivos do Windows Installer para permitir uma implantação simplificada — um processo conhecido como criação. A criação geralmente é executada diretamente no ambiente de desenvolvimento com ferramentas como o Visual Studio. A criação também pode ser executada com ferramentas que não são da Microsoft como o InstallShield. Para obter mais informações sobre o Visual Studio, visite o Microsoft Visual Studio Developer Center em:http://msdn.microsoft.com/vstudio/ (em inglês) Para obter mais informações sobre o InstallShield, visite a home page do InstallShield em http://www.installshield.com/products/installshield.

Os pacotes do Windows Installer fornecem o seguinte para permitir uma implantação flexível do aplicativo:

  • Opções de linha de comando. Use as opções de linha de comando para especificar transformações (descritas posteriormente neste documento), variáveis, opções e nomes de arquivos e caminhos, bem como o controle da ação da instalação em tempo de execução.

  • Propriedades (variáveis) na linha de comando. As propriedades são variáveis que o Windows Installer usa durante a instalação. Um subconjunto, chamado de propriedades públicas , pode ser definido na linha de comando.

  • Transformações. Uma transformação é um conjunto de alterações que a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode aplicar em um arquivo (.msi) do pacote básico do Windows Installer. A equipe pode personalizar os aplicativos usando os arquivos (.mst) de transformação do Windows Installer. A equipe configura as transformações para modificar o pacote do Windows Installer de modo a afetar dinamicamente o comportamento de instalação de acordo com as exigências. Associe as transformações com um pacote do Windows Installer no momento da implantação. As transformações dos arquivos de pacote do Windows Installer são semelhantes aos arquivos de resposta utilizados para automatizar a instalação de um sistema operacional como o Windows XP.

Interface de linha de comando padrão

Ao fornecer um mecanismo de instalação e formato de empacotamento padrão para aplicativos, a tecnologia do Windows Installer permite que todos os aplicativos que o estiverem usando compartilhem as mesmas opções de linha de comando e propriedades do Windows Installer. Por exemplo, para cada aplicativo que o Windows Installer instala, a opção de linha de comando para executar uma instalação sem exibir uma interface de usuário é /qn. A opção de linha de comando para criar arquivos de log detalhados é /lv*.

Um formato e método padrão

O Windows Installer fornece um formato de pacote padrão para aplicativos e um método padrão para a personalização de aplicativos. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode adaptar um aplicativo a um grupo específico de usuários personalizando o pacote do Windows Installer do aplicativo ao criar e usar uma transformação que instala um conjunto selecionado de recursos para esse grupo de usuários. Por exemplo, para um grupo de usuários no departamento de marketing, a equipe pode criar uma transformação do Microsoft Office Visio® que instala um conjunto especial de estênceis. Para usuários do departamento de engenharia, a equipe pode criar uma transformação que instale um conjunto diferente de estênceis.

Na maioria das situações de implantação, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos deve manter somente um pacote do Windows Installer para cada aplicativo e uma biblioteca de transformações que a equipe pode aplicar a cada pacote. Para obter mais informações sobre os tipos de arquivos de pacote padrão do Windows Installer, .msi e .mst, consulte Visão geral do MSDN Windows Installer na seção “Formação e referências”, mais adiante neste guia.

Em seu nível básico, um arquivo de transformação contém um conjunto de diferenças entre o pacote básico (fornecido pelo fabricante do aplicativo) e o pacote personalizado. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos também pode usar uma transformação para responder a todas as perguntas de instalação ao usuário, o que pode eliminar a necessidade da intervenção do usuário durante a instalação de um aplicativo, ao mesmo tempo em que substitui os padrões do fabricante pelos padrões adequados à organização. Isso é especialmente útil na personalização e execução de instalações autônomas. A seguir são apresentadas as personalizações de aplicativos mais comuns que a equipe de recursos de gerenciamento de aplicativos pode criar usando transformações:

  • Especificar os recursos a serem instalados.

  • Definir o nível de interação do usuário durante a instalação. Isso funciona em combinação com o conjunto de opções de linha de comando. Por exemplo, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode permitir que o procedimento de instalação solicite os usuários por seus nomes.

  • Especificar as respostas a serem fornecidas na interface do usuário durante a instalação.

  • Especificar um local para instalar os arquivos.

  • Especificar o local dos atalhos.

  • Adicionar arquivos à instalação.

  • Especificar as configurações de registro a serem adicionadas ou alteradas durante a instalação.

Privilégios de instalação

Os usuários que não têm privilégios administrativos plenos são chamados de usuários limitados , usuários de direitos de nível inferior , ou usuários restritos. Para criar usuários limitados, exclua os usuários dos grupos de segurança local Administradores e Usuários Avançados de seus computadores. Esse procedimento reduz os riscos à segurança bloqueando muitos tipos de software mal-intencionado (também chamado de malware) que podem infectar o computador. Isso também pode aumentar a estabilidade do sistema e o tempo ativo ao impedir que o usuário faça alterações na configuração do computador. Entretanto, esses benefícios têm um custo. Os usuários limitados não terão privilégios suficientes para executar alguns aplicativos adequadamente. Como resultado, habilitar os aplicativos para que sejam executados requer que a equipe de empacotamento de aplicativos gaste muito tempo testando os aplicativos e ajustando as permissões e definições de configuração. Para obter mais informações sobre os usuários limitados, consulte Guia da Equipe de Recursos de Segurança.

Às vezes, os usuários limitados podem executar muitos aplicativos, mas ter privilégios insuficientes para instalar um aplicativo. Por exemplo, se o procedimento de instalação efetuar alterações no perfil Todos os Usuários, a configuração falhará se for executada por um usuário limitado. Para eliminar essa limitação, o serviço do Windows Installer permite a instalação do pacote enquanto um usuário limitado estiver conectado. Atualmente, a única maneira de se beneficiar desses privilégios elevados de instalação é usar a implantação de software baseada em diretiva de grupo em um ambiente de serviço de diretório do Microsoft Active Directory®.

O Windows Installer permite que a instalação do pacote seja efetuada de duas maneiras:

  • Por computador. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode usar as tecnologias de distribuição de software para instalar um aplicativo em um computador usando os privilégios de nível de administrador no perfil Todos os Usuários do sistema operacional. A equipe pode usar o seguinte argumento de linha de comando de exemplo para instalar um aplicativo a partir de um compartilhamento administrativo no perfil Todos os Usuários (por computador) que não inclua uma interface do usuário (este comando deve ser executado usando uma conta com privilégios elevados):

    msiexec /i \\server\share\application\setup.msi /qn ALLUSERS=1
  • Por usuário. O Windows Installer fornece tecnologias de distribuição de software para atribuir ou publicar aplicativos a usuários. O Windows Installer também oferece a funcionalidade para instalar um aplicativo usando privilégios de nível de administrador enquanto opera no contexto de usuário, independentemente dos privilégios do usuário.

    Observação   Instale os empacotadores por computador sempre que possível. As instalações por usuário podem exigir que cada usuário instale atualizações, o que complica o processo de atualização.

Atualmente, somente a tecnologia de implantação de software baseada em diretiva de grupo, implementada nos componentes do Active Directory do Microsoft Windows Server® 2003 e Windows 2000 Server, se beneficia da funcionalidade de fornecimento de privilégios elevados em uma base por usuário e por computador. Os administradores podem usar a diretiva de grupo com segurança baseada no Windows para impedir que os usuários instalem aplicativos desnecessários aos seus trabalhos. Isso pode ajudar a reduzir sensivelmente os custos com gerenciamento e licenciamento.

Restauração do sistema

Os usuários podem usar o recurso Restauração do Sistema do Windows XP Professional para reverter alterações prejudiciais em seus computadores causados pela instalação ou desinstalação de aplicativos. Com esse recurso, os usuários podem retornar seus computadores para um estado anterior conhecido como ponto de restauração. O Windows Installer cria automaticamente um ponto de restauração cada vez que um aplicativo é instalado ou removido. Os pontos de restauração identificam o nome do aplicativo e o estágio da instalação do programa (ou desinstalação). O Assistente para Restauração do Sistema ajuda os usuários a retornarem os computadores para o estado em que eles estavam exatamente antes da instalação ou desinstalação do aplicativo.

Observação   A Restauração do Sistema pode degradar ligeiramente o desempenho do sistema, especialmente, durante a instalação do aplicativo. Em organizações com muitos aplicativos pequenos, especialmente durante a implantação do aplicativo complementar, os administradores podem desabilitar a criação de pontos de verificação a partir do instalador para aprimorar o desempenho. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos impede o Windows Installer de criar pontos de restauração definindo a diretiva Desabilitar a Criação de Pontos de Verificação de Restauração do Sistema. Para obter mais informações sobre essa diretiva, consulte a seção “Formação e referências”, mais adiante neste guia. Após a conclusão da instalação, habilite novamente a Restauração do Sistema. (A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode usar os scripts do WMI [Instrumentação de Gerenciamento do Windows] para fazer isso.)

Extensões de arquivos do Windows Installer

A Tabela 3 relaciona as extensões de nomes de arquivos utilizadas com o Windows Installer.

Tabela 3. Extensões de arquivos do Windows Installer

Extensão

Descrição

.msi

Pacote do Windows Installer

.msm

Módulo de mesclagem do Windows Installer

.msp

Patch do Windows Installer

.mst

Transformação do Windows Installer

.idt

Tabela do banco de dados do Windows Installer exportada

.cub

Módulo de validação

.pcp

Arquivo de criação de patch do Windows Installer

SMS

O SMS Installer foi originalmente desenvolvido e lançado com o SMS versão 1.2 para solucionar falhas comuns nos sistemas de empacotamento e instalação tradicionais antes do lançamento do Windows Installer. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode usar o SMS Installer para criar novos scripts de instalação de procedimentos, reempacotar as instalações existentes de aplicativos, ou ambas. A equipe pode compilar os scripts do SMS Installer e seus componentes de pacotes relacionados em arquivos executáveis auto-extraíveis para a implantação por meio de SMS ou de outros métodos.

O SMS Installer desde então tem sido, comprovadamente, popular entre os administradores de sistema devido à simplicidade e à flexibilidade com que empacota softwares. Como resultado, muitos clientes estabeleceram bibliotecas de centenas, até milhares, de pacotes de SMS Installer que estão disponíveis a administradores para a distribuição corporativa.

O Installer Step-up Utility for SMS é uma ferramenta de linha de comando que migra (converte) pacotes de instalação do formato do SMS Installer para o formato do Windows Installer. O resultado é um pacote de instalação do Windows Installer com uma extensão de arquivo .msi. Os membros da equipe de recursos de gerenciamento de aplicativos podem executar este novo pacote de configuração em qualquer computador que tenha o serviço do Windows Installer.

Resumo do recurso

O SMS Installer é uma ferramenta de empacotamento de software para os administradores de sistema. Foi projetado para os administradores usarem com mais facilidade o SMS de modo a criarem pacotes de software para distribuição em toda a empresa. O SMS Installer fornece os três mecanismos seguintes para criar pacotes de software:

  • Assistente de instalação de reempacotamento. O Assistente de instalação de reempacotamento é o método mais simples para criar pacotes de software. Ele funciona tirando um instantâneo do registro e sistema de arquivos de computador de referência. Após o primeiro instantâneo ser tirado, os membros da equipe de recursos de gerenciamento de aplicativo podem instalar um produto e modificar a configuração, conforme desejarem. Em seguida, o Assistente de instalação de reempacotamento tira outro instantâneo do computador e compila a diferença em um script, que é compilado em um pacote executável de configuração. Os pacotes criados com o Assistente de instalação de reempacotamento podem ser instalados em qualquer computador de destino que seja funcionalmente equivalente ao computador de referência.

  • Installation Expert. O Installation Expert fornece uma GUI para criar ou editar um script de instalação. Os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos podem arrastar arquivos, registrar chaves e atalhos em uma definição de pacote e selecionar outras opções para o pacote a partir de uma interface de usuário simples. Quando o membro da equipe finaliza a descrição do conteúdo e das características do pacote, ele compila o script em um pacote executável de configuração. Os pacotes criados com o Installation Expert são similares àqueles criados com o Assistente de instalação de reempacotamento, porque ambos representam um estado descrito a ser aplicado a computadores de destino.

  • Editor de script. Utilizando o Editor de Script, os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos podem criar um programa de configuração ad hoc usando a linguagem de script do SMS Installer. Um script ad hoc pode conter o controle do fluxo de tempo de execução com o qual os desenvolvedores estão familiarizados, incluindo as instruções condicionais (se) e loops while. Ele também pode chamar métodos em DLLs (Bibliotecas de vínculo dinâmico), fornecendo várias possibilidades de personalização. Esses scripts podem ser bem complexos e fornecer um nível muito alto de flexibilidade.

Os scripts que o Editor de script gerar também serão compilados em pacotes executáveis de configuração. Entretanto, o pacote de configuração resultante não é orientado pelo estado; ele é seqüencial com o maior grau de controle de fluxo de tempo de execução possível. Esta diferença será significativa na consideração da migração para o Windows Installer.

A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode usar uma combinação de mecanismos do SMS Installer para criar um pacote de configuração. Por exemplo, a equipe pode iniciar o script de instalação usando o Assistente de instalação de reempacotamento e, em seguida, use o Editor de script para personalizá-lo.

Independentemente do mecanismo utilizado, o resultado será compilado em um pacote executável de configuração — o pacote de software real. Este pacote inclui a lógica de configuração e todos os arquivos, chaves de registro e outros dados bem como o mecanismo para executar a operação de configuração em um computador.

Principais recursos suportados

Os mecanismos do SMS Installer suportam os seguintes recursos principais:

  • Processamento de pré-/pós instalação. Um exemplo de pós processamento é fazer com que o script envie um arquivo Management Information Format (MIF) com sucesso (gerado por meio do MIF Form Generator) para a pasta NOIDMIF após uma instalação bem-sucedida para habilitar o SMS Inventory a rastrear as instalações com script (usando as entradas personalizadas como um número de criação de aplicativos com script). Os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos podem gerar relatórios por meio do SMS Inventory para ver quem tem quais criações de aplicativos com script instalados. Outro exemplo é habilitar e desabilitar o prompt de assinatura do driver de dispositivo no registro para instalações autônomas. Esses são exemplos de quais membros de equipe podem ser adicionados aos scripts.

  • Verifique se há um aplicativo em execução na memória. Verificar se já existe um aplicativo em execução na memória é útil durante a execução de atualizações. Por exemplo, os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos poderiam precisar fazer uma verificação e desabilitar o software anti-spyware que interfere na instalação ou fechar um aplicativo que usa um DLL que um membro da equipe deve atualizar. Usando chamadas da interface de programação de aplicativos do Microsoft Win32®, o script poderia verificar se há um aplicativo em execução na memória e executar as seguintes etapas se algum for localizado:

    • Avisar o usuário que o aplicativo está sendo executado e tentar fechá-lo quando o usuário clicar em OK.

    • Trazer o aplicativo para o primeiro plano, se ele contiver dados que não foram salvos, o que dá aos usuários a oportunidade de salvar seu trabalho e fechar o aplicativo.

    • Impedir que o script continue, mesmo que a variável UNATTENDED seja YES, até o aplicativo ser fechado (isto é, o processo deixar de ser executado).

    • O SMS Installer tem a opção de verificar um módulo na memória, mas ele funciona somente para aplicativos de 16 bits.

  • Parar e iniciar um serviço antivírus. O script deve ter a capacidade de parar um serviço de antivírus e, em seguida, iniciá-lo novamente após a instalação ter sido concluída, independentemente de a instalação ter sido ou não bem-sucedida. Muitos aplicativos não podem ser instalados adequadamente se um serviço de antivírus estiver sendo executado.

Realizando o inventário dos aplicativos

Como parte da Fase Planejar, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos deve identificar quais aplicativos devem ser empacotados e implantados. As seções a seguir descrevem importantes considerações para a realização de inventário de aplicativos complementares. Para obter informações sobre o processo de inventário e ferramentas a serem usadas para a realização de inventário de software, consulte “Geração de inventário de aplicativos” no Guia da equipe de recursos de compatibilidade de aplicativos.

Priorizando aplicativos

Após a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos ter recebido uma cópia do inventário do aplicativo da equipe de recursos de compatibilidade de aplicativos, ela poderá revisar o inventário de aplicativos. A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos normalmente trata somente dos aplicativos que serão reimplantados durante o projeto de implantação e que passaram pelo teste de compatibilidade de aplicativos para assegurar que podem ser executados no Windows Vista ou Windows XP. Há pouca utilidade em empacotar um aplicativo que não será implantado nem executado no sistema operacional de destino.

Geralmente, um comitê é formado por representantes do grupo de funções da experiência do usuário, de operações de TI, da equipe de recursos da compatibilidade de aplicativos, da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos, da equipe de recursos de migração de perfil do usuário e do grupo de funções do gerenciamento de produtos. Este comitê revisa o aplicativo, lista e decide quais aplicativos serão mantidos e reimplantados durante o processo de implantação e quais aplicativos serão colocados fora de serviço. Essas decisões afetam todas as equipes do comitê, mas elas têm uma importância especial para a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos, a equipe de recursos da compatibilidade de aplicativos e a equipe de recursos da migração de perfil do usuário.

A priorização desta lista de aplicativos ajuda a equipe enfocar os aplicativos em um processo ordenadamente. Geralmente, os aplicativos são priorizados com base em uma combinação do grau de influência que um aplicativo tem no ambiente e sua complexidade. Os aplicativos mais influentes ou complexos são relacionados primeiro, seguidos pelos aplicativos menos influentes e mais simples.

Identificação dos SMEs de aplicativos

Após a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos ter sua lista priorizada de aplicativos que funcionam no Windows Vista ou Windows XP Professional, ela pode começar a tratar de cada aplicativo em ordem de prioridade. Este processo é repetitivo, passando cada aplicativo por vez.

Os desenvolvedores de empacotamento de aplicativo não precisam ser especialistas em todos os aplicativos da empresa. É importante que tanto a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos quanto a equipe de recursos de migração de perfil do usuário que um SME seja identificado para cada aplicativo. Apesar do nome, o SME não precisa necessariamente ser um especialista no aplicativo, entretanto, o SME é identificado como a pessoa que tem a experiência mais abrangente com o aplicativo. O SME fornecerá o insight sobre como a organização instalará, configurará e usará cada aplicativo.

Identificando arquivos e configurações

A investigação e a identificação de cada aplicativo começa na Fase Planejar e continua até a Fase Desenvolver do projeto de implantação. Os desenvolvedores de empacotamento de aplicativos e os SMEs de aplicativo analisam cada aplicativo e identificam especificamente quais arquivos ou tipos de arquivos precisam ser migrados, quais configurações ou preferências precisam ser migradas e onde eles devem ser armazenados e onde os arquivos devem ser colocados durante o processo de restauração no novo computador.

Os SMEs devem fornecer assistência sobre principais problemas a seguir:

  • Localização da mídia do software (normalmente, o SME é a melhor fonte de informações sobre onde a mídia de origem, como CD-ROMs ou disquetes, pode ser localizada.)

  • Descrição da configuração, comportamento e uso de aplicativo adequados

  • Compreensão das exigências de conectividade de interface externa, se houver, do aplicativo, que pode incluir um banco de dados de back-end, mainframe, site da Web ou outro servidor do aplicativo

  • Identificação de quaisquer restrições associadas a um aplicativo

O conhecimento dos principais problemas mencionados acima é fundamental durante a modelagem do ambiente piloto para corresponder estreitamente ao ambiente de produção.

Observação   Se for possível, armazene todos os dados do usuário no perfil do usuário ou em \%userprofile%\Meus Documentos ou \%userprofile%\Dados do Aplicativo. Os SMEs de aplicativo devem fornecer informações sobre a viabilidade de quaisquer exigências de realocação de arquivo de dados.

A equipe de recursos da migração de perfil do usuário, o SME de aplicativo e a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos devem trabalhar juntos, pois há expectativas e dependências entre essas equipes e o SME com relação a onde os dados e as configurações estão localizados.

Escolhendo as técnicas de distribuição

Para distribuir aplicativos complementares sem a necessidade de os administradores instalarem o software manualmente em cada computador do cliente, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos deve identificar um modo de automatizar a instalação. A maioria dos aplicativos, especialmente os aplicativos desenvolvidos recentemente, tem suporte original para os arquivos de resposta do Windows Installer ou do InstallShield.

Alternativamente, a equipe pode criar um pacote do Windows Installer para um aplicativo usando uma técnica chamada reempacotamento. O reempacotamento é um processo propenso a erro, que consome muito tempo e é muito difícil, entretanto, deverá ser utilizado somente quando nenhum outro método mais eficiente de automação de instalação estiver disponível. Se nenhuma automação original nem reempacotamento estiver disponível, os membros da equipe poderão utilizar script para automatizar a instalação.

As seções a seguir descrevem como planejar a automação de instalações ou o reempacotamento de um aplicativo complementar.

Automatizando instalações

A maioria dos aplicativos fornecem suporte original para automação usando sua rotina de configuração original. Os aplicativos criados recentemente quase sempre fornecem pacotes do Windows Installer. Os aplicativos herdados, lançados antes de o Windows Installer se tornar um formato popular pode usar os arquivos de resposta do InstallShield para automação. Se um procedimento de configuração de aplicativo não suportar nenhuma dessas tecnologias de automação, os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos poderão automatizar a instalação usando o script para simular o pressionamento de teclas. As seções a seguir descrevem essas tecnologias mais detalhadamente.

Planejando a automação de pacotes do Windows Installer

A automação dos pacotes do Windows Installer é simples e flexível. Se a organização tiver uma infra-estrutura de distribuição de software, como a distribuição de software de diretiva de grupo ou SMS, os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos poderão configurar os pacotes para a implantação usando uma interface de usuário apontar-e-clicar simples. Se não existir nenhuma infra-estrutura de distribuição de software, os membros da equipe poderão automatizar a instalação dos pacotes do Windows Installer usando os parâmetros de linha de comando e scripts de logon. Para obter instruções detalhadas, consulte a seção “Desenvolvimento” deste guia.

Planejando a automação com arquivos de resposta do InstallShield

O InstallShield é uma ferramenta de desenvolvedor popular para a criação de um processo de configuração para um aplicativo. Embora os procedimentos de configuração baseados no InstallShield mais modernos agora suportem os pacotes do Windows Installer, as versões anteriores do InstallShield utilizavam um formato proprietário. Felizmente, este formato será facilmente automatizado pelo uso de arquivos de resposta do InstallShield. Para obter instruções detalhadas sobre a personalização dos arquivos de respostas do InstallShield, consulte a seção “Desenvolvimento”.

Planejando a automação usando script

Alguns aplicativos não podem ser automatizados com parâmetros de linha de comando. Esses aplicativos podem fornecer uma rotina de configuração baseada em assistente, mas requerem que o usuário clique em botões ou pressione teclas no teclado para prosseguir com a instalação. Se for possível para um usuário concluir a instalação usando somente o teclado, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos provavelmente poderá automatizar a instalação criando um script (uma série de comandos de texto) que simula pressionamentos de teclas.

Para compreender como automatizar um procedimento simulando pressionamentos de teclas, os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos devem primeiramente compreender que a maioria dos aplicativos fornece atalhos para teclado, mesmo que a maioria das pessoas use o mouse. Por exemplo, na maioria dos aplicativos do Windows, os usuários podem pressionar a tecla ALT para abrir um menu. Depois de pressionar a tecla ALT, uma letra em cada item de menu é destacada. O usuário poderá, em seguida, pressionar aquela tecla para selecionar aquele item de menu.

Por exemplo, no Microsoft Office Word, um usuário poderá salvar o arquivo atual pressionando três teclas: ALT, F e S. A tecla ALT seleciona o menu e faz com que os atalhos de teclado do menu sejam destacados. A tecla F abre o menu Arquivo. A tecla S seleciona o comando Salvar. Similarmente, os usuários podem executar uma operação Salvar como no Word pressionando ALT, F e A.

As caixas de diálogo geralmente têm as letras sublinhadas, indicando que o usuário pode manter pressionada a tecla ALT e pressionar aquela letra para ativar um link, lista ou botão. Por exemplo, a Figura 5 mostra parte de uma caixa de diálogo pertencente a um assistente de instalação. O x em Sair da instalação está sublinhado, portanto, o usuário poderia pressionar aquele botão sem usar o mouse, pressionando ALT+X. Similarmente, o H em Ajuda está sublinhado, portanto, o usuário poderia pressionar ALT+H para abrir a Ajuda.

Bb490283.SE_AppMan05(pt-br,TechNet.10).gif

Figura 5. Atalhos de teclado em assistentes de instalação

Na Figura 5, OK não tem uma letra sublinhada. Normalmente, um botão OK ou Avançar é considerado o botão padrão e o usuário pode ativá-lo pressionando a tecla ENTER. Alternativamente, o usuário pode selecionar o botão pressionando a tecla TAB repetidamente. Uma caixa pontilhada mostra qual botão está atualmente destacado. Então, o usuário poderá pressionar a BARRA DE ESPAÇO para ativar aquele botão.

Há duas formas neste exemplo para ativar o botão OK (pressionando a BARRA DE ESPAÇO, porque ele está selecionado ou pressionando ENTER), há duas formas para ativar o botão Sair da instalação: pressionando a tecla TAB e, em seguida, pressionando a BARRA DE ESPAÇO ou pressionando ALT+X. As duas abordagens realizam o mesmo objetivo. Dependendo do aplicativo, o usuário pode ter que utilizar diferentes técnicas.

Para automatizar uma instalação de aplicativo, primeiramente instale o aplicativo usando somente o teclado. Anote cada tecla pressionada. Observe quaisquer atrasos significativos, como o tempo gasto para copiar arquivos ou executar a instalação real. Em seguida, crie um script que simula aqueles pressionamentos de tecla e os atrasos. Quando o script é executado nos computadores cliente, os pressionamentos de tecla instalam o aplicativo. A seção “Desenvolvimento” deste guia fornece instruções explícitas para a criação de scripts bem como scripts de amostra.

Visão geral de reempacotamento

Se a organização tiver um aplicativo que não foi projetado para o Windows Installer e não oferecer suporte a outra técnica de automação de instalação original, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode reempacotá-lo no formato de pacote do Windows Installer, de forma que os membros da equipe possam usar os recursos do Windows Installer para distribuir o aplicativo. Um aplicativo reempacotado combina o conjunto inteiro de recursos do aplicativo em um único recurso. Em outras palavras, depois de um aplicativo ser reempacotado, os membros da equipe não podem escolher quais componentes instalar. Em vez disso, os membros da equipe devem criar pacotes separados para cada combinação de componentes de aplicativos.

Após o reempacotamento de um aplicativo, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode usar o Windows Installer para instalá-lo. Entretanto, os aplicativos reempacotados não têm flexibilidade para personalizar eficientemente a instalação do aplicativo, que é um recurso de aplicativos projetados para serem implantados com o Windows Installer.

Observação   Antes de reempacotar quaisquer aplicativos na organização, é importante comparar os benefícios com os custos envolvidos. O reempacotamento é uma operação avançada. As ferramentas podem ajudar os desenvolvedores a criarem o pacote final do Windows Installer, mas o procedimento demanda muitos recursos e pode ser dispendioso.

Aviso   Não reempacote os conjuntos do 2007 Office system. O arquivo de pacote do Microsoft Office inclui a lógica que personaliza a instalação por computador de destino. O reempacotamento do arquivo de pacote perde essa lógica, impedindo potencialmente o pacote de ser instalado corretamente em algumas configurações. Para obter mais informações sobre a implantação dos conjuntos do 2007 Office system com BDD, consulte o Guia de implantação do Office.

Processo de reempacotamento

O reempacotamento não é uma função ou recurso do Windows Installer. Entretanto, os fornecedores que não são da Microsoft fornecem ferramentas para habilitar o reempacotamento de aplicativos em uma série de formatos.

As organizações têm reempacotado aplicativos por anos, em grande parte com a finalidade de personalização. As transformações, entretanto, eliminam a necessidade de reempacotar os aplicativos baseados no Windows Installer para personalização. Na verdade, o reempacotamento de um aplicativo que já usa o Windows Installer para instalação e manutenção seria difícil e não é suportado.

Algumas organizações preferem reempacotar os aplicativos existentes para obter os benefícios do Windows Installer e a tecnologia de implantação de software baseada na diretiva de grupo do Windows Server 2003 e Windows 2000 Server. O reempacotamento também requer um conhecimento completo da instalação do aplicativo. O custo do reempacotamento quanto à mão-de-obra, ao tempo e à confiabilidade geralmente é subestimado.

O reempacotamento de um pacote do Windows Installer envolve a obtenção de um instantâneo de um computador limpo (incluindo as configurações de registro, arquivos e configurações do sistema), a instalação do software, a obtenção de um instantâneo pós-instalação do computador e a limpeza do pacote, conforme mostrado na Figura 6. O reempacotamento do software detecta a diferença entre os dois instantâneos e cria as instruções de instalação necessárias para reproduzir a instalação. Quaisquer alterações efetuadas nas configurações do registro, nos arquivos ou nas configurações do sistema durante o processo de captura são incluídas na instalação. Normalmente, de 30 a 40 processos são executados em um computador que executa o Windows XP Professional ou o Windows Vista em qualquer momento. Portanto, qualquer um daqueles processos podem modificar um sistema durante a instalação e a modificação é exibida no aplicativo de reempacotamento.

Figura 6. O processo de reempacotamento

Figura 6. O processo de reempacotamento

Para obter mais informações sobre o processo de reempacotamento, consulte o mandamento número 2, “Usar fluxos de trabalho adequados”, dos 20 Mandamentos de empacotamento de software da Macrovision , e analise o Guia das melhores práticas de personalização e reempacotamento MSI (ambos incluídos com o BDD 2007) da Macrovision.

Problemas potenciais de reempacotamento

A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos pode aumentar a confiabilidade dos aplicativos reempacotados executando-os em computadores que têm hardware e software idênticos. Algumas causas comuns de falha na instalação ou funcionalidade deficiente de aplicativos reempacotados incluem:

  • Os sistemas que executam os mesmos sistemas operacionais, mas que diferem quanto aos componentes opcionais do sistema operacional que está instalado. Por exemplo, se a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos reempacotar um aplicativo usando um instantâneo em um computador que esteja executando o Microsoft IIS (Serviços de Informações da Internet) e, em seguida, implantar esse pacote em um computador sem o IIS, o aplicativo não funcionará se ele exigir o IIS ou quaisquer componentes do IIS.

  • Diferenças em versões de service pack. As rotinas de instalação do aplicativo poderão instalar bibliotecas de sistema atualizadas somente se elas não estiverem atualmente instaladas em um computador. Portanto, a implantação de um aplicativo em um computador com um service pack ou versão de atualização diferente poderá resultar em arquivos de sistema que não estejam sendo atualizados adequadamente (ou pior, arquivos de sistema desatualizados).

  • Diferença em sistemas operacionais, como Windows XP Professional versus Windows Vista.

  • Diferenças em versões de componentes compartilhados, como o Internet Explorer.

  • Diferenças em versões de outros aplicativos instalados, como o Microsoft Office. Muitos aplicativos compartilham bibliotecas. Se essas bibliotecas já existirem no computador utilizado para criar um pacote, mas não existir em um computador de destino, o aplicativo não será executado corretamente.

Observação   O reempacotamento de aplicativos no formato do Windows Installer tem limitações e pode não ser suportado pelo fabricante do aplicativo. Verifique com cada fabricante de aplicativo. A Microsoft suporta a criação e a personalização de aplicativos que originalmente usam o Windows Installer para instalação e manutenção. Entretanto, não suporta aplicativos reempacotados como os arquivos do Windows Installer. O fabricante de software de reempacotamento fornece este suporte.

As informações a seguir podem preparar os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos para lidar com os desafios mais comuns de reempacotamento de aplicativos:

  • O reempacotamento inclui informações irrelevantes ou não relacionadas. O reempacotamento, por design, pode incluir informações no arquivo do Windows Installer que não fazem parte do aplicativo. Por exemplo, se um membro da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos capturar o primeiro instantâneo, abrir um programa usando o comando Executar e capturar o segundo instantâneo, a janela Prompt de comando será adicionada à lista (MRU) mais recentemente utilizada para a caixa de diálogo Executar durante a instalação. Outro exemplo é quando o computador reinicia entre o primeiro e o segundo instantâneo, o pacote registra as informações do estado do serviço, tempo de logon, etc. Enquanto esses exemplos são relativamente inofensivos, outros podem corromper a estabilidade e a funcionalidade de um sistema. Para um técnico altamente habilitado e experiente é possível eliminar informações estranhas ou prejudiciais de uma captura durante o reempacotamento de aplicativos para o Windows Installer. Ainda assim, é um processo muito trabalhoso e, portanto, uma operação dispendiosa.

  • A instalação de recursos sob demanda não é possível. A instalação de recursos individuais sob demanda não é possível quando um aplicativo tiver sido reempacotado. Quando os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos reempacotam um aplicativo, o pacote resultante do Windows Installer contém somente um recurso. Isto é, o Windows Installer instala todos os aplicativos ou nenhum.

    Para se beneficiar da funcionalidade de instalação sob demanda, um aplicativo deverá ser desenvolvido com vários recursos de forma que aqueles recursos possam ser instalados individualmente em vez de todos de uma vez. Se esses recursos forem baseados em componentes compartilhados dependerá do design do aplicativo e o desenvolvedor deverá compreender todos os relacionamentos entre recursos e componentes.

  • Os aplicativos reempacotados têm pouca resiliência após a instalação. Normalmente, os especialistas em reempacotamento criam pacotes que se auto-reparam usando o Windows Installer. Esse tipo de resiliência pode gerar resultados inesperados e pode não ser confiável. As ferramentas de reempacotamento não decifram as dependências de componentes nem especificam o keypath para um aplicativo. O keypath é o valor de arquivo ou registro que o Windows Installer usa para determinar se um componente precisar ser reparado. Portanto, os aplicativos reempacotados têm uma maior probabilidade de serem corrompidos após a instalação do que os aplicativos que são distribuídos com seu pacote original.

Ferramentas de reempacotamento

A equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos deverá usar ferramentas não incluídas com o Windows Installer para criar os pacotes do Windows Installer. Muitas dessas ferramentas estão disponíveis, mas este guia trata das três seguintes:

  • FLEXnet AdminStudio. Disponível em várias versões, incluindo um download grátis, o AdminStudio é uma ferramenta de reempacotamento poderosa e flexível.

  • Wise Package Studio. O Wise oferece produtos para reempacotar, testar e configurar a implantação de aplicativos.

  • SMS Installer. Uma ferramenta grátis de reempacotamento baseada em instantâneo para usuários de SMS.

As seções a seguir descrevem essas ferramentas mais detalhadamente.

AdminStudio

O AdminStudio está disponível em duas principais variedades:

  • AdminStudio SMS Edition. Este download grátis da Microsoft.com integra-se com o SMS para simplificar o reempacotamento. O AdminStudio SMS Edition prepara pacotes de Setup.exe herdados para a implantação convertendo-os em pacotes do Windows Installer .msi. Para baixar o AdminStudio SMS Edition sem custo, visite a página de download do AdminStudio SMS Edition em http://www.microsoft.com/smserver/downloads/2003/featurepacks/adminstudio.

  • AdminStudio Professional Edition. Esta versão completa do AdminStudio é uma solução completa para empacotar, personalizar, testar e distribuir aplicativos. A versão completa inclui todos os recursos incluídos no AdminStudio SMS Edition e acrescenta muitos outros. Para baixar uma versão de avaliação do AdminStudio Professional Edition, visite a página de visão geral do AdminStudio em http://www.installshield.com/products/adminstudio.

As seções a seguir descrevem esses produtos mais detalhadamente.

AdminStudio SMS Edition

O FlexNET AdminStudio SMS Edition é o resultado da colaboração entre a Macrovision (ex-InstallShield) e a equipe da Microsoft SMS. O AdminStudio SMS Edition simplifica o reempacotamento, personalização e distribuição do software do Windows Installer fornecendo a capacidade de preparar, publicar e distribuir os pacotes de software usando o Microsoft SMS 2003 sem usar o console do servidor do SMS.

O AdminStudio SMS Edition inclui o InstallShield Repackager líder de mercado e com recursos completos, que prepara os pacotes de Setup.exe herdados para implantação convertendo-os em pacotes do Windows Installer .msi. O InstallShield Tuner está incluído para auxiliar na personalização dos pacotes MSI adicionando arquivos, alterando configurações de registro, adicionando chaves de licença, removendo assistentes de registro e efetuando outras modificações que serão então compiladas em uma transformação (arquivo .mst). Finalmente, um Assistente de distribuição e o console de Web seguro do SMS auxiliam no manuseio de pacotes para distribuição por meio do SMS 2003. A Tabela 4 descreve esses recursos mais detalhadamente.

Tabela 4. Recursos principais do AdminStudio SMS Edition

Recurso principal

Descrição

Reempacotador

Uma ferramenta baseada em assistente que facilita a conversão de qualquer configuração — até mesmo configurações de MSI do InstallScript difíceis de empacotar — em pacotes 100% MSI. O reempacotador inclui o InstallMonitor para reempacotamento sem instantâneo, o SmartScan para extrair o máximo de informações das configurações do InstallScript durante conversões para MSIs, o Setup Intent para ajudar a assegurar que os MSIs não estejam sem arquivos importantes, e o Packaging Process Assistant para indicar aos usuários o processo correto de empacotamento.

Conversão de formato herdado

Converte pacotes de software de SMS, Novell ZENworks, WinINSTALL e Wise WSE diretamente para MSIs robustos sem perda de tempo. O conversor automatizado copia todos os dados de arquivos e registro de configurações herdadas para um novo projeto do AdminStudio, de forma que os usuários possam ignorar o empacotamento e converter automaticamente as instalações diretamente em pacotes MSI.

InstallShield Tuner

Cria transformações rapidamente (MSTs), incluindo transformações de Arquivo de Resposta, para personalizar o software já no formato do Windows Installer. Adiciona arquivos, altera configurações de registro, adiciona chaves de licença, remove assistentes de registro ou efetua outras modificações no pacote MSI e, em seguida, valida automaticamente quaisquer alterações efetuais para assegurar que o pacote MSI esteja em conformidade com as diretrizes da Microsoft.

Assistente de distribuição

Este sistema baseado em assistente cria automaticamente os arquivos específicos para o sistema necessários para implantar pacotes com êxito, fornecendo integração excelente com o SMS 2003.

SMS 2003 Web Console

Fornece acesso baseado na Web para configurações chave e capacidades de configuração, incluindo configurações de conexão com o servidor, seleção de pacote, configuração de pacote, pontos de distribuição e resumo de pacote.

Observação   Em computadores executando o Windows Server 2003, adicione a função do Application Server e habilite o Microsoft ASP.NET antes de instalar o AdminStudio para se beneficiar de importantes recursos baseados na Web.

AdminStudio Professional Edition

O AdminStudio Professional Edition inclui todos os recursos do AdminStudio SMS Edition além de muitos outros benefícios importantes, incluindo:

  • A capacidade de converter os arquivos MSI do InstallScript em pacotes 100% do Windows Installer.

  • A capacidade de criar novos pacotes de software e personalizar diretamente pacotes existentes do Windows Installer.

  • ConflictSolver, que pode identificar e solucionar conflitos de aplicativos no ambiente de laboratório.

  • QualityMonitor, que pode testar pacotes antes da implantação para assegurar que eles funcionarão — e continue a funcionar — conforme o esperado quando instalado.

  • Teste de implantação sem risco, que simula a implantação de um pacote sem instalá-lo fisicamente em qualquer máquina de destino e relata quaisquer problemas na instalação.

  • OS Snapshot Wizard, que captura o estado do sistema operacional, incluindo arquivos, atalhos e valores de registro.

  • Application Isolation Wizard, que ajuda a reduzir conflitos relacionados ao uso de várias versões de um único aplicativo em uma empresa.

  • A capacidade de preparar pacotes para distribuir com o Novell ZENworks, Tivoli, Marimba, LANDesk, ManageSoft e Altiris.

Embora uma versão de avaliação esteja disponível para download a partir do http://www.installshield.com/products/adminstudio/eval.asp, o AdminStudio Professional Edition não é gratuito. Se os custos de licenciamento de software forem um problema, comece usando o AdminStudio SMS Edition. Se a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos identificar a necessidade de recursos incluídos somente no AdminStudio Professional Edition, entre em contato com a Macrovision para atualizar o AdminStudio.

Wise Package Studio

Fornecendo uma funcionalidade similar ao do AdminStudio, o Wise Package Studio reempacota os aplicativos e os atualiza como arquivos do Windows Installer. Há três versões do Wise Package Studio:

  • Wise Package Studio Standard Edition. A ferramenta de reempacotamento básico do Wise fornece funcionalidade suficiente para atender as necessidades da maioria das organizações, incluindo ferramentas para criação, personalização, validação e distribuição de pacotes.

  • Wise Package Studio Professional Edition. Acrescenta muitos recursos à Standard Edition, incluindo os seguintes:

    • Captura virtual. Permite a captura de várias instalações de aplicativos em um único computador de cliente sem limpar o computador entre as instalações

    • Criação de arquivos .zap. Permite a criação de arquivos .zap caso os membros da equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos precisem instalar aplicativos sem usar o Windows Installer

    • alterações de arquivo .ini Registra alterações em arquivos .ini

    • Wise Script Editor. Fornece a capacidade de editar scripts de instalação

    • ConflictManager. Detecta e soluciona conflitos de aplicativos

    • Implantação de grupo. Implanta vários pacotes em uma implantação enquanto controla a ordem da instalação do pacote

  • Wise Package Studio Quality Assurance. Um conjunto de recursos opcionais do Professional Edition, esta versão é destinada para a equipe responsável por testar aplicativos antes da implantação.

Para obter mais informações sobre os produtos do Wise Package Studio, visite a página de visão geral do produto Wise Package Studio em http://www.wise.com/wps.asp?bhcp=1.

SMS Installer

O SMS inclui o SMS Installer, que é uma ferramenta de reempacotamento de aplicativo. O SMS Installer está disponível para download a partir da página de download do Installer Step-up Utility em http://www.microsoft.com/smserver/downloads/20/tools/installer.mspx. Normalmente, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos usaria o AdminStudio SMS Edition em vez do SMS Installer. O AdminStudio é uma ferramenta mais fácil de usar e mais robusta.

O SMS Installer tem a capacidade única de extrair os arquivos executáveis criados com versões anteriores do SMS Installer sem precisar de um computador de referência para criar o pacote. Entretanto, não é possível converter os arquivos executáveis criados com versões anteriores do SMS Installer para o formato do Windows Installer.

Etapa: Plano de migração aceito

As etapas são pontos de sincronização de toda a solução. Para obter mais informações, consulte o Guia Planejar , Criar , e Implantar.

Nesta etapa, mostrada na Tabela 5, a equipe de recursos do gerenciamento de aplicativos criou o laboratório de teste e gravou um planejamento de migração.

Tabela 5. Resultados da etapa de aceitação do plano de migração

ID do resultado final

Descrição

Laboratório de teste

O laboratório de teste está sendo executado para testar os aplicativos principais.

Plano de migração

O plano de migração inclui a entrada da equipe.

Os principais bloqueadores de implantação dos aplicativos principais foram identificados e revisados e uma estimativa de seu escopo e efeito foi definida.

Isso foi útil para você?
(1500 caracteres restantes)
Agradecemos os seus comentários
Mostrar:
© 2015 Microsoft