Desempenho da Migração

 

Aplica-se a: Office 365 Enterprise

Última modificação do tópico: 2015-05-05

Existem vários caminhos para migrar dados de Gestão de Informações Pessoais (PIM) de uma organização de correio eletrónico no local para o Microsoft Exchange Online no Microsoft Office 365. Ao planear uma migração para o Exchange Online, uma das perguntas mais frequentes é como melhorar o desempenho da migração de dados e optimizar a velocidade de migração. Este documento ajudará os administradores de TI a compreender os factos de desempenho de migração e as práticas recomendadas atuais para melhorar a velocidade/rapidez da migração. Este documento:

  • Não inclui detalhes sobre como migrar dados.

  • Não fornece passos para a resolução de problemas de desempenho.

  • Mantém a sua importância para assuntos externos e no local, mas aprofunda informações sobre os produtos e serviços da Microsoft.

  • Assume que não existem problemas funcionais e que a migração para o Office 365 está a funcionar corretamente.

NotaNota:
Este documento não se aplica aos planos de subscrição Dedicados do Serviço do Microsoft Office 365.

O Exchange Online é um dos vários serviços alojados pela Microsoft e disponíveis no Microsoft Office 365. Estas ofertas de serviço baseado na Internet foram concebidas para facilitar o acesso de empresas a comunicações e tecnologias de colaboração atualizadas, de forma rápida e económica.

O Exchange Online fornece uma solução empresarial alojada remotamente, baseada no Microsoft Exchange Server 2013. Uma funcionalidade do Exchange Online é a capacidade para migrar dados de correio eletrónico, calendário e contactos do ambiente de mensagens existente do cliente. Este guia tira partido do nosso conhecimento dos produtos da Microsoft, dos produtos de parceiros da Microsoft, das práticas recomendadas com clientes e parceiros e de lições aprendidas com a migração de centenas de clientes empresariais para o Exchange Online.

Métodos de Migração Frequentemente Utilizados

 

Ferramenta de migração Descrição Exemplo

Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365

Uma ferramenta de migração incorporada que suporta a migração de correio eletrónico do IMAP4, a migração de transferência do Exchange e a migração faseada do Exchange. Para obter mais informações, consulte o artigo Descrição Geral da Migração de Correio Eletrónico.

Migrar dados de caixa de correio do Google Mail utilizando a ferramenta de migração do IMAP4.

Migrar todas as caixas de correio do Exchange no local utilizando uma migração de transferência do Exchange.

Migrar um subconjunto de caixas de correio do Exchange no local utilizando uma migração faseada do Exchange.

Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365

Uma ferramenta de migração incorporada que suporta uma experiência semelhante para migrar dados entre organizações do Exchange no local e do Office 365. Para obter mais informações, consulte o artigo Implementação Híbrida e Migração do Exchange com o Office 365.

A maioria dos clientes do Exchange no local opta por este método para fornecer a melhor experiência entre a sua organização do Exchange no local e do Exchange Online.

Ferramentas de terceiros para a migração do Office 365

Existem várias ferramentas disponíveis provenientes de terceiros. Estas utilizam protocolos e abordagens distintos para efetuar migrações de correio eletrónico. Existem ferramentas de exemplo de terceiros na parte inferior do artigo Implementação Híbrida e Migração do Exchange com o Office 365.

Migração de correio eletrónico do IBM Lotus Domino e do Novell GroupWise.

Carregamentos de cliente

É possível carregar dados a partir de vários clientes de correio eletrónico compatíveis com o Office 365. Este método é mais utilizado em pequena escala e efetuado por utilizadores finais individuais.

O utilizador carrega ficheiros de dados pessoais (PST) do Outlook a partir do cliente Outlook.

Resumo do Desempenho de Migração Observado para Métodos Comuns de Migração

A tabela seguinte compara os resultados de desempenho observados para os diferentes métodos de migração ao migrar caixas de correio e dados de caixa de correio para o Office 365. Estes resultados correspondem a migrações de cliente reais para o Office 365. Devido às diferenças entre como e quando estas migrações foram efetuadas, a velocidade/rapidez real de migração pode ser mais lenta ou mais rápida.

 

Ferramenta de migração Método de migração Limitação de utilizadores do Office 365 Limitação de Serviços de Migração do Office 365 Limitação baseada no estado de funcionamento do recurso do Office 365 Débito médio observado por hora e por cliente (se aplicável)

Migração Simples/Nativa do O365

Migração de IMAP4

Não

Sim

Sim

10-15 gigabytes (GB) (100 de simultaneidade)

Migração Simples/Nativa do O365

Migração de transferência do Exchange

Não

Sim

Sim

10-15 GB (100 de simultaneidade)

Migração Simples/Nativa do O365

Migração faseada do Exchange

Não

Sim

Sim

10-15 GB (100 de simultaneidade)

Nativa do O365

Migração híbrida

Não

Sim

Sim

10-15 GB (por ACs do Exchange 2010 (Proxy de MRS) no local com 20 deslocamentos simultâneos) *

Terceiros

MAPI

Sim

Não

Sim

0,2-0,6 GB

Terceiros

EWS

Não

Sim

Sim

5-10 GB (20 de simultaneidade) **

Carregamentos de cliente

Outlook

Sim

Não

Sim

0,5 GB

*O débito de deslocamento observado de uma única caixa de correio encontra-se no intervalo 0,3 - 1,0GB/hr. É possível utilizar migrações de caixas de correio em simultâneo para atingir intervalos mais elevados de migração de dados. Por exemplo, com 50 deslocamentos simultâneos, o débito global ficará no intervalo 15 - 50GB/hr. O débito de deslocamento de uma única caixa de correio irá abrandar quando o servidor de CAs no local (Proxy MRS) atingir a capacidade de hardware. Considere adicionar mais servidores para aumentar a velocidade de migração.

**O débito de migração de um único EWS observado encontra-se no intervalo 0,2 - 0,5GB/hr. É possível utilizar migrações em simultâneo para atingir intervalos mais elevados de migração de dados. Por exemplo, com 100 migrações em simultâneo, o débito global ficará no intervalo 20 - 50GB/hr. O débito de migração de um único EWS será mais lento quando os servidores ou a rede no local atingirem a sua capacidade.

A migração de dados é um processo complexo que abrange vários segmentos, podendo existir estrangulamentos em qualquer um deles.

Fatores de Desempenho Comuns da Migração

Eis uma lista de fatores comuns que afetam o desempenho da migração. Para obter mais detalhes, consulte as secções correspondentes a cada método de migração.

 

Fator Descrição Exemplo

Origem de dados

O dispositivo/serviço que aloja os dados a migrar. Podem ser aplicadas várias limitações à origem de dados, devido a especificações de hardware, carga de trabalho do utilizador final e tarefas de manutenção de back-end.

O Google Mail limita a quantidade de dados que pode ser extraída durante um período de tempo específico.

Densidade e tipo de dados

Devido à natureza exclusiva da atividade de um cliente, o tipo e a mistura de itens de correio dentro de caixas de correio serão muito variados.

Uma caixa de correio de 4 GB com 400 itens, cada um com anexos de 10 MB, será migrada mais rapidamente do que uma caixa de correio de 4 GB com 100.000 itens mais pequenos.

Servidor de migração

São várias as soluções de migração que utilizam um tipo de estação de trabalho/servidor de migração intermediário (também conhecido por "jump box") para concluir a migração.

Os clientes utilizam frequentemente uma máquina virtual de baixo desempenho para alojar o servidor de migração.

Motor de migração

O motor de migração de dados, que é responsável por extrair dados do servidor de origem, converte dados (se necessário), transmite os dados através da rede e injeta os dados na caixa de correio do Exchange Online.

Serviço de Replicação de Caixa de Correio do Microsoft Exchange (MRS)

Rede

O desempenho de rede ponto a ponto (da origem de dados aos servidores de acesso de cliente do Exchange Online) afeta o desempenho da migração.

Firewall no ponto de saída do cliente.

Serviço do Office 365

O Office 365 dispõe de funcionalidades e suporte incorporados para gerir a carga de trabalho da migração.

A diretiva de limitação do utilizador irá limitar o intervalo máximo de transferência de dados.

Fator de Desempenho — Rede.

Esta secção descreve as práticas recomendadas para melhorar o desempenho de rede durante a migração. O debate geral refere-se ao facto de o maior impacto no desempenho de rede durante a migração estar relacionado com hardware de terceiros e Fornecedores de Serviços Internet (ISPs).

A Ferramenta de Análise de Rede do Office 365 é implementada para ajudar a analisar problemas relacionados com a rede antes da implementação dos serviços do Office 365.

 

Elemento Descrição Práticas recomendadas

Capacidade de rede

A quantidade de tempo que demora a migrar caixas de correio para o Exchange Online é determinada pela capacidade máxima e disponível da rede.

Identifique a capacidade de rede disponível e determine a capacidade máxima de carregamento. Contacte o ISP para confirmar a largura de banda atribuída e para obter detalhes sobre restrições (por exemplo, a quantidade total de dados que pode ser transferida num determinado período de tempo).

Utilize ferramentas para avaliar a capacidade de rede real. Certifique-se de que testa o fluxo de dados ponto a ponto, da origem de dados no local para os servidores de gateway de datacenter da Microsoft.

Identifica outras cargas da rede (por exemplo, utilitários de cópia de segurança, manutenções agendadas) que podem afetar a capacidade de rede.

Estabilidade da rede

Uma rede rápida nem sempre resulta em migrações rápidas. Se a rede não estiver estável, a transferência de dados demora mais tempo devido à correção de erros. Dependendo do tipo de migração, a correção de erros pode afetar significativamente o desempenho da migração.

Os problemas de hardware de rede e do controlador são frequentemente a causa de problemas de estabilidade na rede. Colabore com os fabricantes de hardware para compreender os dispositivos de rede e aplicar os patches e controladores recomendados mais recentes do fornecedor.

Atrasos na rede

A funcionalidade de deteção de intrusões configurada numa firewall de rede provoca frequentemente atrasos significativos na rede e irá afetar o desempenho da migração.

A migração de dados para caixas de correio do Exchange Online depende da ligação à Internet. Os atrasos na Internet irão afetar o desempenho global da migração.

Além disso, os utilizadores na mesma empresa poderão ter caixas de correio na nuvem que residem em datacenters em diferentes localizações geográficas. Dependendo do cliente ISP, poderá existir um desempenho de migração inconsistente.

Avalie os atrasos na rede em todos os datacenters da Microsoft potenciais e certifique-se de que o resultado é consistente. (Isto também garante uma experiência consistente para os utilizadores finais.) Colabore com o ISP para resolver problemas relacionados com a Internet.

Adicione endereços IP para servidores de datacenter da Microsoft à lista de permissões ou ignore todo o tráfego relacionado com a migração da firewall de rede. Para obter mais informações sobre os intervalos de IP do Office 365, leia o artigo Intervalos de endereços IP e URLs do Office 365.

Mecanismos de Limitação do Office 365

O Office 365 utiliza vários mecanismos de limitação para garantir a segurança e disponibilidade do serviço. Os seguintes três tipos de limitação podem afetar o desempenho da migração:

  • Limitação do utilizador

  • Limitação do serviço de migração

  • Limitação baseada no estado de funcionamento do recurso

NotaNota:
Os três tipo de limitação do Office 365 não afetam todos os métodos de migração.

A limitação do utilizador afeta a maior parte das ferramentas de migração de terceiros e o método de migração de carregamentos do cliente. Estes métodos de migração utilizam protocolos de acesso de cliente, como o RPC sobre HTTP, para migrar dados da caixa de correio para caixas de correio do Exchange Online. Estas ferramentas são normalmente utilizadas para migrar dados de plataformas como o IBM Lotus Domino e o Novell GroupWise.

A limitação do utilizador é o método de limitação mais restritivo no Office 365, pois encontra-se configurado para funcionar contra um utilizador final individual. Qualquer utilização ao nível da aplicação irá facilmente exceder a diretiva de limitação e resultar numa migração de dados mais lenta.

A limitação do serviço de migração afeta todas as ferramentas de migração nativa do Office 365. A limitação do serviço de migração gere a simultaneidade da migração e alocação de recursos de serviço para soluções de migração nativa do Office 365.

A limitação do serviço de migração afeta as migrações efetuadas através os seguintes métodos de migração:

  • Migração de correio eletrónico IMAP

  • Migração de transferência do Exchange

  • Migração faseada do Exchange

  • Migrações híbridas (deslocações baseadas no proxy de MRS num ambiente híbrido)

  • Migração de representação do Serviço Web do Exchange

Um exemplo de limitação do serviço de migração é o controlo do número de caixas de correio que são migradas simultaneamente durante migrações simples do Exchange e migrações de IMAP. O valor predefinido é três. Isto significa que um máximo de três caixas de correio são migradas a qualquer momento durante a migração. É possível aumentar o número de migrações de caixas de correio em simultâneo para um lote de migração no Painel de Controlo do Exchange ou do Windows PowerShell. Para obter mais informações sobre como optimizar esta definição, consulte o artigo Aumentar o Número de Caixas de Correio a Migrar em Simultâneo .

Este é o último controlador de chamadas para garantir o estado de funcionamento e a disponibilidade do serviço do Office 365. Todos os métodos de migração estão sujeitos à governação da limitação de disponibilidade, mas a limitação de serviço do Office 365 não afeta tanto as migrações do Office 365 como os outros tipos de limitação descritos nas secções anteriores.

A limitação baseada no estado de funcionamento do recurso é o método de limitação menos agressivo e ocorre apenas quando existe um problema de disponibilidade de serviço que afeta os utilizadores finais e as operações de serviço críticas.

Por exemplo, se um incidente de serviço ocorre durante uma migração híbrida e diminui o serviço ao ponto de afetar o desempenho do utilizador final, a migração híbrida será colocada em fila até que o desempenho seja recuperado e o serviço retome um nível inferior ao limiar de limitação.

Segue-se um exemplo do relatório de estatísticas de migração do Exchange que apresenta uma entrada causada quando o limiar de limitação do serviço é ultrapassado:

25/1/2012 12:56:01 [BL2PRD0410CA012] Evolução da cópia: 723/1456 mensagens, 225,8 MB (236.732,045 bytes)/416,5 MB (436.712,733 bytes).

25/1/2012 12:57:53 [BL2PRD0410CA012] A deslocação para a caixa de correio '/o=ExchangeLabs/ou=Exchange Administrative Group (FYDIBOHF23SPDLT)/cn=Recipients/cn=xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx' está parada, pois a DataMoveReplicationConstraint não satisfaz a base de dados 'NAMPRD04DG031-db081' (agent MailboxDatabaseReplication). Motivo da Falha: a base de dados edbf0766-1f2a-4552-9115-bb3a53a8380b não satisfaz a restrição SecondDatacenter. Não existem cópias de bases de dados saudáveis disponíveis. Aguardar até 25/1/2012 1:27:53.

25/1/2012 12:58:24 [BL2PRD0410CA012] O pedido já está parado e será retomado.

Solution/Practice

Se detetar uma situação semelhante, aguarde que o serviço Office 365 recupere. Para obter mais informações, consulte o Portal do Office 365.

O Exchange Online suporta os seguintes métodos de migração:

Esta secção descreve os fatores que afetam as migrações efetuadas através de um dos métodos de Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365 e as práticas recomendadas correspondentes para melhorar o desempenho da migração.

A tabela seguinte descreve o impacto na migração pelos servidores de origem da organização de correio eletrónico atual e as práticas recomendadas para mitigar o impacto sobre a migração.

 

Lista de verificação Descrição Práticas recomendadas

Desempenho do sistema

A extração de dados é uma tarefa complexa. O sistema de origem tem de ter recursos suficientes, tais como a CPU e memória, para fornecer um desempenho ideal de migração. Durante a migração, o sistema de origem encontra-se frequentemente próximo de atingir a capacidade total em termos de carga de trabalho normal do utilizador final. Se os recursos de sistemas não forem suficientes, a carga de trabalho adicional que resulta da migração pode afetar os utilizadores finais.

Monitorizar o desempenho do sistema durante um teste de migração piloto. Se o sistema estiver ocupado, recomendamos que não utilize um esquema de migração agressivo para o sistema específico, devido a potenciais problemas de disponibilidade do serviço e lentidão na migração. Se possível, melhore o desempenho do sistema de origem adicionando o recurso de hardware e reduzindo a carga no sistema, movendo tarefas e utilizadores para outros servidores que não estão envolvidos na migração.

Para obter mais informações, consulte os artigos:

Ao migrar de uma organização do Exchange no local em que existem vários servidores de caixa de correio, recomendamos que crie uma lista de utilizador de migração que é distribuída uniformemente por vários servidores de caixa de correio. Com base no desempenho do servidor individual, a lista pode ser melhorada para maximizar o débito.

Por exemplo, se o servidor A tem mais 50 por cento de disponibilidade de recursos que o servidor B, é razoável ter mais 50 por cento de utilizadores do servidor A no mesmo lote de migração. É possível aplicar práticas semelhantes a outros sistemas de origem. Efetue as migrações quando os servidores têm disponibilidade máxima de recursos (como em horário pós-laboral, aos fins de semana e feriados).

Tarefas de back-end

Outras tarefas de back-end em execução durante a migração. Tratando-se de uma prática recomendada para efetuar a migração em horário pós-laboral, é comum que as migrações entrem em conflito com outras tarefas de manutenção em execução nos servidores locais, tais como a cópia de segurança de dados.

Rever outras tarefas de sistema que possam ser executadas durante a migração. Recomendamos que efetue a migração de dados quando não existam outras tarefas que consumam muitos recursos em execução.

Nota   Para clientes que utilizam o Microsoft Exchange no local, as tarefas comuns de back-end são soluções de cópia de segurança e deManutenção do Arquivo do Exchange.

Política de limitação

É prática comum proteger os sistemas de correio eletrónico com uma diretiva de limitação, que define um limite específico de rapidez e a quantidade de dados a serem extraídos do sistema durante um determinado período de tempo.

Verifique qual a diretiva de limitação implementada para o sistema de correio eletrónico. Por exemplo, o Google Mail limita a quantidade de dados que pode ser extraída num determinado período de tempo.

Dependendo da versão, o Microsoft Exchange tem diretivas que restringem o acesso de IMAP4 para o servidor de correio no local (utilizado pelas migrações de correio eletrónico de IMAP4) e RPC sobre o acesso HTTP (utilizado pelas migrações de transferência e faseadas do Exchange).

Para verificar as definições de limitação de uma organização do Exchange 2010, execute o cmdlet Get-ThrottlingPolicy. Para obter mais informações, consulte o artigo Compreender as Diretivas de Limitação do Cliente.

Para obter mais informações sobre a limitação do IMAP4, consulte o artigo Aumentar os limites de ligação para o servidor IMAP.

Para obter mais informações sobre a limitação de RPC sobre HTTP:

A Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365 é um método de migração de dados iniciado na nuvem, pelo que não é necessário um servidor dedicado de migração. No entanto, os anfitriões de protocolo com acesso à Internet (IMAP4 ou RPC sobre HTTP) funcionam como o "servidor de migração" para a migração de caixas de correio e dados de caixa de correio para o Office 365. Por conseguinte, os factores de desempenho da migração e práticas recomendadas, descritos na secção anterior (sobre o servidor da origem de dados da organização de correio eletrónico atual), também se aplicam aos servidores Edge da Internet.

Para organizações do Exchange 2007 e Exchange 2010, o servidor de Acesso de Cliente funciona como um servidor de migração. Para obter mais informações, consulte os artigos Exchange 2007: Monitorização dos Servidores de Acesso de Cliente e Exchange 2010: Contadores do Servidor de Acesso de Cliente.

Solution/Practice

Para melhorar o desempenho de migração, aplicam-se as mesmas práticas recomendadas anteriormente descritas em Fator 1: Origem de Dados.

As migrações de IMAP, de transferência e faseada do Exchange são executadas através da ferramenta de Migração de Correio Eletrónico no Painel de Controlo do Exchange no Exchange Online. Esta ferramenta está sujeita à limitação do serviço de migração do Office 365.

Solution/Practice

Os clientes podem agora especificar a simultaneidade de migração (por exemplo, o número de caixas de correio a migrar em simultâneo) utilizando o PowerShell. O valor predefinido é 20. Depois de criar um lote de migração, pode utilizar o seguinte comando do PowerShell para aumentar a sua capacidade até um máximo de 100:

Set-MigrationBatch <Identity> -MaxConcurrentMigrations <value between 1 and 100>

Para obter mais informações, consulte o artigo Aumentar o Número de Caixas de Correio a Migrar em Simultâneo.

NotaNota:
Se a origem de dados não tiver recursos suficientes para processar todas as ligações, recomendamos que não utilize uma simultaneidade elevada. Inicie com o nível 10 (mais baixo) e, em seguida, aumente este número durante a monitorização do desempenho da origem de dados para evitar problemas de acesso do utilizador final.

Consulte a secção Fator de Desempenho - Rede.

Testes de Verificação

Dependendo do método de migração, pode experimentar os seguintes testes de verificação:

  • Migrações de correio eletrónico IMAP4   Preencha previamente uma caixa de correio de origem com dados de exemplo. Em seguida, a partir da Internet (fora da rede local), ligue à caixa de correio de origem utilizando um cliente de correio eletrónico IMAP4 padrão (como o Microsoft Outlook). Meça o desempenho de rede, determinando quanto tempo demora a transferir todos os dados da caixa de correio de origem. O débito será semelhante ao que os clientes podem obter ao utilizar a ferramenta de migração do IMAP4 no Office 365, dado que não existem outras restrições.

  • Migrações de transferência e faseadas do Exchange   Preencha previamente uma caixa de correio de origem com dados de exemplo. Em seguida, a partir da Internet (fora da rede local), ligue à caixa de correio de origem através do Microsoft Outlook, utilizando o protocolo RPC sobre HTTP. Certifique-se de que estabelece a ligação em modo de cache. Meça o desempenho de rede, determinando quanto tempo demora a sincronizar todos os dados da caixa de correio de origem. O débito será semelhante ao que os clientes podem obter ao utilizar as ferramentas de migração simples do Office 365, dado que não existem outras restrições.

NotaNota:
Existe alguma sobrecarga durante uma migração real de IMAP, de transferência ou faseada do Exchange, mas o débito real será semelhante para os resultados destes testes de verificação.

A limitação baseada no estado de funcionamento do recurso do Office 365 afeta as migrações que utilizam as ferramentas de Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365. Consulte a secção Limitação Baseada no Estado de Funcionamento do Recurso do Office 365.

A Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365 suporta a migração suave entre servidores no local do Exchange 2003, Exchange 2007, Exchange 2010 e Office 365.

A migração híbrida é, sem dúvida, o método de migração mais rápido para migrar dados de caixas de correio para o Office 365. Foram registados até 100 GB/hora de débito durante implementações de cliente reais.

Eis uma lista de factores que se aplicam a cenários de Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365.

 

Lista de verificação Descrição Práticas recomendadas

Desempenho do sistema

A extração de dados é uma tarefa complexa. O sistema de origem tem de ter recursos suficientes, tais como a CPU e memória, para fornecer um melhor desempenho de migração. Durante a migração, o sistema de origem encontra-se frequentemente próximo de atingir a capacidade total em termos de carga de trabalho normal do utilizador final (a carga de trabalho adicional de migração pode, por vezes, afetar o acesso de utilizadores finais devido à falta de recursos do sistema).

Monitorizar o desempenho do sistema durante um teste de migração piloto. Se o sistema estiver ocupado, recomendamos que não utilize um esquema de migração agressivo para o sistema específico, devido a potenciais problemas de disponibilidade do serviço e lentidão na migração. Se possível, melhore o desempenho do sistema de origem adicionando o recurso de hardware e reduzindo a carga no sistema, deslocando tarefas e utilizadores para outros servidores que não estão envolvidos na migração. Para obter mais informações, consulte os artigos Exchange 2007: Monitorização de Servidores de Caixas de Correio e Exchange 2010: Medição do Desempenho.

Ao migrar de uma organização do Exchange no local em que existem vários servidores de caixa de correio e bases de dados, recomendamos que crie uma lista de utilizador de migração que é distribuída uniformemente por vários servidores de caixa de correio e bases de dados. Com base no desempenho do servidor individual, a lista pode ser melhorada para maximizar o débito.

Por exemplo, se o servidor A tem mais 50 por cento de disponibilidade de recursos que o servidor B, é razoável ter mais 50 por cento de utilizadores do servidor A no mesmo lote de migração. Podem ser aplicadas práticas semelhantes a outros sistemas de origem.

Efetue as migrações quando os servidores têm disponibilidade máxima de recursos (como em horário pós-laboral, aos fins de semana e feriados).

Tarefas de back-end

Outras tarefas de back-end em execução durante a migração. Tratando-se de uma prática recomendada para efetuar a migração em horário pós-laboral, é comum que as migrações entrem em conflito com outras tarefas de manutenção em execução nos servidores locais, tais como a cópia de segurança de dados.

Rever outras tarefas de sistema que possam ser executadas durante a migração. Recomendamos que efetue a migração de dados quando não existam outras tarefas que consumam muitos recursos em execução.

Nota   Para clientes que utilizam o Microsoft Exchange no local, as tarefas comuns de back-end são soluções de cópia de segurança e deManutenção do Arquivo do Exchange.

A Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365 é uma migração de dados "pull/push" iniciada na nuvem. Um servidor de coexistência do Exchange 2010 SP1 atua como servidor de migração, o que é frequentemente negligenciado. Assim, os clientes utilizam normalmente uma máquina virtual de baixa escala para atuar como servidor de coexistência. Tal resulta num baixo desempenho de migração.

Prática recomendada

Além das práticas recomendadas anteriormente descritas na secção Fator 1: Origem de dados (Exchange Server), realizámos um teste às práticas recomendadas que se seguem, o qual resultou numa melhoria do desempenho de migração em migrações de clientes reais.

  • Utilize máquinas físicas poderosas de classe de servidor em vez de máquinas virtuais para os servidores de coexistência do Exchange 2010.

  • Utilize vários servidores de coexistência que estão por detrás do balanceador de carga de rede do cliente.

Por exemplo, nas migrações de cliente reais, obtivémos um débito consistente de 30 GB/hora, utilizando a seguinte configuração:

  • Rede  Tubo de saída de 500 MB para a Internet; a rede interna é de 1 GB com um backbone de fibra de 10 GB.

  • Hardware   As especificações para ambos os servidores de Acesso de Cliente/CONCENTRADOR (físicos):

    • CPU: Intel(R) Xeon(r) CPU E5520 @ 2,27 GHz 2,26 GHz (2 processadores)

    • RAM: 24 GB

    • Discos: Oito com 146 GB por disco. Configuração Raid 5 = 960-GB de espaço livre total.

  • Proxy de MRS   O proxy de MRS está configurado com uma simultaneidade de 100.

NotaNota:
O desempenho do disco é mais importante que o espaço disponível para o desempenho de migração.

A Migração Simples do Exchange/Nativa do Office 365 utiliza ferramentas nativas do Office 365, estando sujeita à Limitação de Serviço de Migração do Office 365.

Exchange 2003 versus Exchange 2007 SP2 e Exchange 2010

Existe uma diferença fundamental para a experiência de utilizador final durante a migração do Exchange 2003. Ao contrário do Exchange 2007 SP2 e do Exchange 2010, os utilizadores finais do Exchange 2003 não conseguirão aceder às suas caixas de correio durante a migração de dados. Por conseguinte, os clientes do Exchange 2003 preocupam-se mais com o agendamento de migrações e o tempo necessário para as mesmas, especialmente quando o desempenho da migração é reduzido devido a tamanhos de caixa de correio de grandes dimensões ou a uma rede lenta.

A migração do Exchange 2003 também é muito sensível a interrupções. Por exemplo, numa migração de cliente real, durante a migração de uma caixa de correio de 10 GB, um incidente de serviço que ocorreu quando a migração da caixa de correio se encontrava concluída a 50%. O servidor de Acesso de Cliente do Office 365, que estava a processar a migração de dados, teve de ser reiniciado para resolver o problema. Neste caso, a migração dessa caixa de correio foi reiniciada, o que significou que o cliente teve de migrar novamente todos os 10 GB de dados. Não foi possível retomar a migração a partir do ponto em que esta foi interrompida. No entanto, o Exchange 2007 SP2 e o Exchange 2010 conseguiram retomar as migrações após as interrupções.

Prática recomendada

Alguns clientes optam por efetuar migrações através de ligações de dois saltos ("two-hop") para caixas de correio confidenciais e de grandes dimensões do Exchange 2003.

  • Primeiro salto ("First hop")   Migre caixas de correio do Exchange 2003 para um servidor do Exchange 2010, que é normalmente o servidor de coexistência híbrida. O primeiro salto consiste num deslocamento offline, mas é normalmente uma migração muito rápida efetuada através de uma rede local.

  • Segundo salto ("Second hop")   Migre caixas de correio do Exchange 2010 para o Office 365.

O segundo salto consiste num deslocamento online, que fornece a melhor experiência de utilizador e tolerância a falhas. Esta abordagem de dois saltos requer uma licença do Exchange 2010 para a caixa de correio temporária no local do utilizador do Exchange 2010.

Proxy do Serviço de Replicação de Caixa de Correio (Proxy de MRS)

O Proxy de MRS é a funcionalidade de migração no local que utiliza o Serviço de Replicação de Caixa de Correio em execução do lado do Office 365. Para obter mais informações, consulte o artigo Compreender Pedidos de Deslocação

Prática recomendada

É possível configurar o número máximo de ligações de Proxy de MRS para o Exchange 2010 SP2 no local. Execute o seguinte comando de PowerShell:

Set-WebServicesVirtualDirectory -Identity "EWS (Default Web Site)" -MRSMaxConnections <number between 0 and unlimited; default is 100>

NotaNota:
Para a maioria das migrações de cliente, não é necessário alterar o valor de MRSMaxConnections predefinido. Se for necessário proteger o servidor de origem de ser sobrecarregado pela carga de migração, os clientes podem reduzir o número de ligações. Esta definição é aplicada por servidor MRSProxy. Se um cliente tiver dois servidores MRSProxy, cada um definido para 10 ligações, obterá um número total de ligações de Proxy de MRS de 2 x 10. Para obter mais informações sobre como configurar o serviço Proxy MRS na sua organização do Exchange 2010 no local, consulte o artigo Serviço Proxy MRS num Servidor de Acesso de Cliente Remoto.

Consulte a secção Fator de Desempenho - Rede.

Testes de Verificação

Para clientes do Exchange 2007 e Exchange 2010, é possível testar o desempenho da rede para migrações híbridas através da execução de vários testes de migrações de caixas de correio. Em alternativa, pode migrar caixas de correio do utilizador reais com a opção "-SuspendWhenReadyToComplete" para obter uma indicação do desempenho da migração. Quando o teste estiver concluído, remova o pedido de deslocação para evitar afetar os utilizadores finais. Para obter mais informações sobre os pedidos de deslocação, consulte o artigo New-MoveRequest.

A limitação baseada no estado de funcionamento do recurso do Office 365 afeta as migrações utilizando as migrações híbridas/nativas do Office 365. Consulte a secção Limitação Baseada no Estado de Funcionamento do Recurso do Office 365.

Deslocação de Pedidos no Serviço do Office 365

Para informações gerais sobre como obter informações de estado dos pedidos de deslocação, consulte o artigo Visualizar as Propriedades do Pedido de Deslocação.

No serviço do Office 365, existe uma diferença fundamental na organização normal do Exchange 2010 no local ao efetuar pedidos de deslocação. No Office 365, a fila de migração e os recursos de serviço atribuídos para migrações são partilhados entre inquilinos. Isto afeta a forma como os pedidos de deslocação são processados em cada fase do processo de deslocação.

Existem dois tipos de pedidos de deslocação no Office 365:

  • Pedidos de deslocação a bordo   As migrações de novos clientes são consideradas pedidos de deslocação a bordo. Estes pedidos têm uma prioridade normal.

  • Pedidos de deslocação internos do datacenter   Estes são pedidos de deslocação de caixas de correio iniciados por equipas operacionais do datacenter. Estes pedidos têm uma prioridade mais baixa, dado que a experiência de utilizador final não é afetada em caso de atraso no pedido de deslocação.

Impacto e atrasos potenciais para pedidos de deslocação com os estados "Em fila" e "Em curso"

  • Pedidos de deslocação em fila   Este estado especifica que a deslocação foi colocada em fila e que está à espera de ser retomada pelo serviço de Replicação de Caixa de Correio do Microsoft Exchange. Nos pedidos de deslocação do Exchange 2003, os utilizadores ainda podem aceder às caixas de correio nesta fase.

    Existem dois factores que influenciam qual o pedido a ser retomado pelo serviço de Replicação de Caixa de Correio:

    • Prioridade   Os pedidos de deslocação em fila com uma prioridade mais elevada são retomados antes dos pedidos de deslocação com uma prioridade baixa. Isto garante que os pedidos de deslocação de migração de cliente sejam sempre processados antes dos pedidos de deslocação internos do datacenter.

    • Posição na fila   Caso existam pedidos de deslocação com a mesma prioridade, quanto mais cedo o pedido for colocado em fila, mais cedo será retomado pelo serviço de Replicação de Caixa de Correio. Dado que podem existir vários clientes a efetuar migrações de caixas de correio ao mesmo tempo, é normal que novos pedidos de deslocação permaneçam em fila antes de poderem ser processados.

      Normalmente, o tempo de espera em fila dos pedidos de caixa de correio antes de serem processados não é considerado durante o planeamento de migração. Isto faz com que alguns clientes não tenham o tempo suficiente para concluir todas as migrações planeadas.

  • Pedidos de deslocação em curso   Este estado especifica que a deslocação ainda se encontra em curso. Se se tratar de uma deslocação de caixa de correio online, o utilizador ainda pode aceder à caixa de correio. A caixa de correio do utilizador não está disponível para deslocações de caixas de correio offline.

    Quando o pedido de deslocação da caixa de correio se encontrar no estado "Em Curso", a prioridade deixa de ser relevante e um novo pedido de deslocação só será processado quando um pedido de deslocação Em Curso existente estiver concluído, mesmo que o novo pedido de deslocação tenha uma prioridade mais alta.

Práticas recomendadas

Planeamento

Tal como anteriormente mencionado, uma vez que os utilizadores do Exchange 2003 irão perder o acesso durante uma migração híbrida, os clientes do Exchange 2003 preocupam-se mais com o agendamento de migrações e o tempo necessário para as mesmas.

Ao planear a quantidade de caixas de correio a migrar durante um período de tempo específico, considere o seguinte:

  • Inclua a quantidade de tempo de espera em fila do pedido de deslocação. Utilize o seguinte para calcular esta informação:

    (Total de caixas de correio a migrar) = {(tempo total) - (Tempo médio em fila)} * (Débito de Migração)

    em que o débito de migração é igual ao número total de caixas de correio que podem ser migradas por hora.

    Por exemplo, vamos assumir que temos uma janela de seis horas para migrar caixas de correio. Se o tempo médio em fila é de uma hora e temos um débito de migração de 100 caixas de correio por hora, então é possível migrar 500 caixas de correio no período de tempo de seis horas: 500 = (6 - 1) * 100

  • Inicie a migração mais cedo do que inicialmente planeado para mitigar o tempo em fila. Ao colocar caixas de correio em fila, os utilizadores do Exchange 2003 ainda podem aceder às caixas de correio correspondentes.

Determinar o Tempo em Fila

O tempo em fila não é fixo, dado que a Microsoft não gere as agendas de migração dos clientes.

Para determinar o tempo em fila potencial, os clientes podem tentar agendar uma deslocação de teste várias horas antes de iniciar a migração real. Em seguida, com base no valor de tempo observado em que o pedido está em fila, os clientes podem calcular de forma mais precisa quando devem iniciar a migração e o número de caixas de correio que podem ser deslocadas num determinado período de tempo.

Por exemplo, suponhamos que uma migração de teste foi concluída 4 horas antes do início de uma migração planeada. O cliente determina que o tempo em espera para a migração de teste foi cerca de uma hora. Em seguida, o cliente deve iniciar a migração uma hora antes que o originalmente planeado, para garantir que existe tempo suficiente para concluir todas as migrações.

As ferramentas de terceiros são principalmente utilizadas em cenários de migração que não utilizem o Exchange, como o Google Mail, IBM Lotus Domino e Novell GroupWise. Esta secção irá focar os protocolos de migração utilizados por ferramentas de migração de terceiros, em vez de produtos e ferramentas de migração reais.

Eis uma lista de factores que se aplicam a ferramentas de terceiros para cenários de migração do Office 365.

 

Lista de verificação Descrição Práticas recomendadas

Desempenho do sistema

A extração de dados é uma tarefa complexa. O sistema de origem tem de ter recursos suficientes, tais como a CPU e memória, para fornecer um desempenho ideal de migração. Durante a migração, o sistema de origem encontra-se frequentemente próximo de atingir a capacidade total em termos de carga de trabalho normal do utilizador final. Se os recursos do sistema forem insuficientes, a carga de trabalho adicional que resulta da migração pode afetar os utilizadores finais.

Monitorizar o desempenho do sistema durante o teste de migração piloto. Se o sistema estiver ocupado, recomendamos que não utilize um esquema de migração agressivo para o sistema específico, devido a potenciais problemas de disponibilidade do serviço e lentidão na migração. Se possível, melhore o desempenho do sistema de origem adicionando recursos de hardware ou reduzindo a carga no sistema, deslocando tarefas e utilizadores para outros servidores que não estão envolvidos na migração.

Para obter mais informações, consulte os artigos Exchange 2007: Monitorização dos Servidores de Caixa de Correio e Exchange 2010: Medição do Desempenho.

Ao efetuar uma migração de uma organização do Exchange no local em que existem vários servidores de caixa de correio, recomendamos que crie uma lista de utilizador de migração que é distribuída uniformemente por vários servidores de caixa de correio. Com base no desempenho do servidor individual, a lista pode ser atualizada para maximizar o débito.

Por exemplo, se o servidor A tem mais 50 por cento de disponibilidade de recursos que o servidor B, é razoável ter mais 50 por cento de utilizadores do servidor A no mesmo lote de migração. É possível aplicar práticas semelhantes a outros sistemas de origem.

Efetue a migração quando o sistema tem disponibilidade máxima de recursos, tal como em horário pós-laboral, aos fins de semana e feriados.

Tarefas de back-end

Outras tarefas de back-end em execução durante a migração. Tratando-se de uma prática recomendada para efetuar a migração em horário pós-laboral, é comum que as migrações entrem em conflito com outras tarefas de manutenção em execução nos servidores locais, tais como a cópia de segurança de dados.

Rever outras tarefas de sistema que estejam em execução durante a migração. Recomendamos que crie uma janela de tempo limpo apenas para a migração de dados, quando não existirem outras tarefas pesadas de recurso.

Para clientes do Microsoft Exchange no local, as tarefas comuns são soluções de cópia de segurança. Para obter mais informações, consulte o artigo Manutenção do Arquivo do Exchange.

Política de limitação

É comum proteger os sistemas de correio eletrónico com uma política de limitação, que define um limite específico para a rapidez e a quantidade de dados que podem ser extraídos do sistema durante um determinado período de tempo e utilizando um método de migração específico.

Verifique qual a diretiva de limitação implementada para o sistema de correio eletrónico. Por exemplo, o Google Mail limita a quantidade de dados que pode ser extraída num determinado período de tempo.

Dependendo da versão, o Microsoft Exchange tem diretivas que restringem o acesso de IMAP4 para o servidor de correio no local (utilizado pelas migrações de correio eletrónico de IMAP4) e RPC sobre o acesso HTTP (utilizado pelas migrações de transferência e faseadas do Exchange).

Para verificar as definições de limitação de uma organização do Exchange 2010, execute o cmdlet Get-ThrottlingPolicy. Para obter mais informações, consulte o artigo Compreender as Diretivas de Limitação do Cliente.

Para obter mais informações sobre a limitação do IMAP4, consulte o artigo Aumentar os limites de ligação para o servidor IMAP.

Para obter mais informações sobre a limitação de RPC sobre HTTP:

Para obter mais informações sobre como configurar a limitação de EWS , consulte o artigo Exchange 2010: Compreender as Políticas de Limitação do Cliente

A maioria das ferramentas de terceiros para migrações do Office 365 são iniciadas pelo cliente e extraem dados para o Office 365. Estas ferramentas normalmente requerem um servidor de migração. Factores como o desempenho do sistema, tarefas de back-end e diretivas de limitação para os servidores de origem aplicam-se a estes servidores de migração.

NotaNota:
Algumas soluções de migração de terceiros estão alojadas na Internet como um serviço baseado na nuvem e não requerem um servidor de migração no local.

Solution/Practice

Para melhorar o desempenho de migração ao utilizar um servidor de migração, aplique as práticas recomendadas descritas na secção Fator 1: Origem de dados.

Para as ferramentas de migração de terceiros, os protocolos mais comuns utilizados são o Serviço Web do Exchange e RPC sobre HTTP.

Serviço Web do Exchange

O Serviço Web do Exchange (EWS) é o protocolo recomendado para a migração para o Office 365, uma vez que suporta lotes de dados de grande dimensão e tem a melhor limitação orientada para serviços. No Office 365, quando utilizado num modo de representação, as migrações que utilizam o EWS não consumem o valor orçamentado de recursos do EWS do utilizador do Office 365. Em vez disso, consomem uma cópia dos recursos orçamentados.

  • Todas as chamadas de representação do EWS efetuadas através da mesma conta de administrador são calculadas separadamente do orçamento aplicado a esta conta de administrador.

  • Para cada sessão de representação, é criada uma cópia sombra do orçamento do utilizador real. Todas as migrações para este utilizador irão consumir esta cópia sombra.

  • A limitação sobre representação é isolada para cada sessão de migração de utilizador.

Práticas recomendadas

  • O desempenho de migração para os clientes que utilizam ferramentas de migração de terceiros através da representação do EWA irão competir com as migrações baseadas no EWS e utilização de recursos de serviço por outros inquilinos. Por conseguinte, o desempenho de migração irá variar.

  • Sempre que possível, os clientes devem utilizar as ferramentas de migração de terceiros que utilizam a representação do EWS, dado que é normalmente mais rápida e mais eficiente do que a utilização dos protocolos de cliente, como RPC sobre HTTP.

RPC sobre HTTP

Muitas das soluções tradicionais de migração utilizam o protocolo RPC sobre HTTP. Este método é totalmente baseado num modelo de acesso de cliente (como o Outlook). A escalabilidade e o desempenho são limitados, dado que o serviço do Office 365 limita o acesso pressupondo que a utilização é efetuada por um utilizador em vez de uma aplicação.

Práticas recomendadas

  • Para as ferramentas de migração que utilizam o protocolo RPC sobre HTTP, é prática comum aumentar o débito de migração adicionando mais servidores de migração e utilizando várias contas de utilizador administrativo do Office 365. Esta prática pode obter um paralelismo de injeção de dados e atingir um débito de dados superior, uma vez que cada utilizador administrativo está sujeito à Limitação do utilizador do Office 365. Recebemos relatórios que indicam que muitos clientes empresariais tiveram de configurar mais de quarenta servidores de migração para obter um débito de migração de 20-30GB/hora.

  • Numa fase de desenvolvimento da ferramenta de migração, é importante considerar o número de operações de RPC necessário para migrar uma mensagem. Para ilustrar esta questão, foram recolhidos registos obtidos pelos serviços do Office 365 para duas soluções de migração de terceiros (desenvolvidas por terceiros) e utilizadas pelos clientes para migrar caixas de correio para o Office 365. Foi realizada uma comparação entre as duas soluções de migração desenvolvidas por terceiros, entre a migração de duas caixas de correio para cada solução de migração, e também entre o carregamento de um ficheiro PST no Microsoft Outlook. Seguem-se os resultados obtidos:

     

    Método Tamanho do ficheiro MBX Contagem de itens Tempo para migrar Total de transações RPC AvgClientLatency (ms) AvgCasRPCProcessingTime (ms)

    Solução A (caixa de correio 1)

    376,9 MB

    4115

    4:24:33

    132040

    48.4395

    18.0807

    Solução A (caixa de correio 2)

    249,3 MB

    12779

    10:50:50

    423188

    44.1678

    4.8444

    Solução B (caixa de correio 1)

    618,1 MB

    4322

    1:54:58

    12196

    37.2931

    8.3441

    Solução B (caixa de correio 2)

    56,7 MB

    2748

    0:47:08

    5806

    42.1930

    7.4439

    Outlook

    201,9 MB

    3297

    0:29:47

    15775

    36.9987

    5.6447

    Tenha em atenção que os tempos de processo do cliente e do serviço são semelhantes, mas a solução A requer um maior número de operações de RPC para migrar os dados. Uma vez que cada operação consome tempo de latência de cliente e tempo de processo do servidor, a solução A é muito mais lenta ao migrar a mesma quantidade de dados quando comparada à solução B e ao Outlook.

Consulte a secção Fator de Desempenho - Rede.

Prática recomendada

Para as soluções de migração de terceiros que utilizam o protocolo RPC sobre HTTP, eis uma boa forma de medir o desempenho de migração potencial:

  1. A partir do servidor de migração, estabeleça uma ligação à caixa de correio do Office 365 com o Microsoft Outlook, utilizando o protocolo RPC sobre HTTP. Certifique-se de que a ligação não foi estabelecida através do modo de cache.

  2. Importe um ficheiro PST grande com dados de exemplo para a caixa de correio do Office 365.

  3. Meça o desempenho de migração cronometrando o tempo que demora a carregar o ficheiro PST. O débito de migração será semelhante ao que os clientes podem obter de uma ferramenta de migração de terceiros que utiliza o protocolo RPC sobre HTTP, dado não existirem outras restrições. Existe uma sobrecarga durante a migração real, pelo que o débito poderá ser ligeiramente diferente.

A limitação baseada no estado de funcionamento do recurso do Office 365 afeta as migrações que utilizam ferramentas de migração de terceiros. Consulte a secção Limitação Baseada no Estado de Funcionamento do Recurso do Office 365.

 
Mostrar: