Microsoft Security Bulletin MS10-089 - Importante

Vulnerabilidades no Forefront Unified Access Gateway (UAG) Poderiam Permitir Elevação de Privilégios (2316074)

Data de publicação: 9 de novembro de 2010

actualizada: 1.0

Informações Gerais

Resumo Executivo

Esta actualização de segurança resolve quatro vulnerabilidades, comunicadas de forma privada, no Forefront Unified Access Gateway (UAG). A mais grave destas vulnerabilidades poderia permitir elevação de privilégios se um utilizador visitasse um Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito. No entanto, um intruso não teria como obrigar os utilizadores a visitar esse Web site. Em vez disso, um intruso teria de persuadir os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico, ou num programa de mensagens instantâneas, que levasse o utilizador para o Web site do intruso.

Esta actualização de segurança está classificada como Importante para todas as versões suportadas do Forefront Unified Access Gateway 2010. Para mais informações, consulte a subsecção Software Afectado e Software Não Afectado, nesta secção.

A actualização de segurança resolve as vulnerabilidades modificando a forma como o UAG processa entradas e redirecciona a verificação. Para mais informações sobre as vulnerabilidades, consulte a subsecção de Perguntas Mais Frequentes quanto à vulnerabilidade específica na secção seguinte, Informações sobre as vulnerabilidades.

Recomendação. A Microsoft recomenda que os clientes instalem esta actualização na primeira oportunidade.

Questões Conhecidas. O Artigo 2316074 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft documenta as questões actualmente conhecidas que os clientes podem verificar quando instalam esta actualização de segurança. O artigo também documenta soluções recomendadas para estas questões.

Software Afectado e Software Não Afectado

O software que se segue foi testado para determinar quais as versões ou edições afectadas. As outras versões ou edições são antigas, ultrapassaram o respectivo ciclo de vida de suporte ou não são afectadas. Para determinar o ciclo de vida de suporte da versão ou edição do seu software, visite o Web site do Ciclo de Vida de Suporte Microsoft.

Software Afectado

SoftwareImpacto de Segurança MáximoClassificação de Gravidade AgregadaBoletins Substituídos por esta Actualização
Forefront Unified Access Gateway 2010 [1]
(KB2433585)
Elevação de PrivilégiosImportanteNenhum
Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 [1]
(KB2433584)
Elevação de PrivilégiosImportanteNenhum
Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 [1]
(KB2418933)
Elevação de PrivilégiosImportanteNenhum

[1]Esta actualização está disponível apenas a partir do Centro de Transferências da Microsoft. Consulte a próxima secção de Perguntas Mais Frequentes relativas a esta Actualização de Segurança.

Por que razão as actualizações apenas estão disponíveis a partir do Centro de Transferências da Microsoft?  
A Microsoft está a lançar estas actualizações no Centro de Transferências da Microsoft para que os clientes possam começar a actualizar os respectivos sistemas o mais rapidamente possível. Estas actualizações também serão fornecidas através dos nossos outros métodos de distribuição habituais assim que a fase de testes tenha sido concluída, de forma a garantir que a distribuição será bem sucedida através destes canais.

Onde estão os pormenores sobre as informações do ficheiro?  
Consulte as tabelas de referência na secção Implementação da Actualização de Segurança para obter a localização dos pormenores sobre as informações do ficheiro.

O Intelligent Application Gateway (IAG) é afectado pelas vulnerabilidades descritas neste boletim?  
Sim. O Microsoft Intelligent Application Gateway 2007 Service Pack 2 é afectado pela Vulnerabilidade de Spoofing de Redireccionamento no UAG (CVE-2010-2732) e pela Vulnerabilidade de XSS no UAG Que Permite Elevação de Privilégios (CVE-2010-2733). Para obter mais informações, os clientes do IAG devem contactar os respectivos OEM. Os clientes nos E.U.A. e no Canadá podem receber suporte técnico através do número de Suporte ao Cliente 1-800-936-3100. Os clientes internacionais podem também receber suporte técnico da Equipa de Serviços e Suporte de Segurança no Campo através do número 1-425-454-7946. A Microsoft não cobra as chamadas de suporte técnico associadas a actualizações de segurança. Para mais informações sobre como contactar a Microsoft relativamente a questões de suporte, consulte o Suporte da Microsoft.

Os administradores têm de executar alguma acção adicional depois de instalar esta actualização?  
Sim. Depois de instalar esta actualização, o administrador do UAG tem de abrir a consola de Gestão do Forefront UAG e activar a configuração para clientes de modo a permitir a protecção contra as vulnerabilidades descritas neste boletim.

Por que razão esta actualização resolve diversas vulnerabilidades de segurança comunicadas?  
Esta actualização contém suporte para diversas vulnerabilidades, porque as modificações necessárias para resolver essas questões estão incluídas nos ficheiros relacionados. Assim, em vez de instalarem diversas actualizações quase iguais, os clientes podem instalar apenas esta actualização.

Informações sobre as Vulnerabilidades

As seguintes classificações de gravidade presumem o potencial impacto máximo da vulnerabilidade. Para obter informações sobre a probabilidade, dentro de 30 dias após a publicação deste boletim de segurança, de exploração da vulnerabilidade em relação à sua classificação de gravidade e impacto de segurança, consulte o Índice de Possibilidade de Exploração no resumo dos boletins de Novembro. Para mais informações, consulte o Índice de Possibilidade de Exploração da Microsoft.

Classificações da Gravidade da Vulnerabilidade e Impacto de Segurança Máximo por Software Afectado
Software AfectadoVulnerabilidade de Spoofing de Redireccionamento no UAG - CVE-2010-2732Vulnerabilidade de XSS no UAG Que Permite Elevação de Privilégios - CVE-2010-2733Vulnerabilidade de Questão de XSS no Portal Web Móvel do UAG no Forefront Unified Access Gateway - CVE-2010-2734Vulnerabilidade de XSS no Signurl.asp - CVE-2010-3936Classificação de Gravidade Agregada
Forefront Unified Access Gateway 2010 Importante 
Spoofing
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante
Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 Importante 
Spoofing
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante
Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 Importante 
Spoofing
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante 
Elevação de Privilégios
Importante

Existe uma vulnerabilidade de spoofing no Forefront Unified Access Gateway (UAG). A vulnerabilidade poderia permitir a falsificação (spoofing) ou redireccionamento de tráfego destinado ao servidor de UAG se um utilizador do UAG clicasse numa ligação especialmente concebida para o efeito. Um intruso poderia enviar um URL especialmente concebido para o efeito a um utilizador do servidor do UAG de modo a redireccionar tráfego da Web para um site malicioso com conteúdos semelhantes aos do Web site original. Desta forma, o intruso poderia potencialmente adquirir informações confidenciais, tais como as credenciais de utilizador.

Para visualizar esta vulnerabilidade como uma entrada comum na lista de Vulnerabilidades e Exposições Comuns, consulte CVE-2010-2732.

Factores Atenuantes para a Vulnerabilidade de Spoofing de Redireccionamento no UAG - CVE-2010-2732

A atenuação refere-se a uma definição, uma configuração comum ou uma prática recomendada geral, que existe num estado predefinido, que poderia reduzir a gravidade da exploração de uma vulnerabilidade. Os seguintes factores atenuantes podem ser úteis para a sua situação:

  • No cenário de um ataque baseado na Web, um intruso poderia alojar um Web site contendo uma página Web que fosse utilizada para explorar esta vulnerabilidade. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Em vez disso, um intruso teria de persuadir os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico, ou num programa de mensagens instantâneas, que levasse o utilizador para o Web site do intruso.

Soluções Alternativas para a Vulnerabilidade de Spoofing de Redireccionamento no UAG - CVE-2010-2732

A Microsoft não identificou quaisquer soluções alternativas para esta vulnerabilidade.

Perguntas Mais Frequentes sobre a Vulnerabilidade de Spoofing de Redireccionamento no UAG - CVE-2010-2732

Qual é a abrangência desta vulnerabilidade?  
Existe uma vulnerabilidade de falsificação (spoofing) nos servidores Forefront UAG. Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com sucesso poderia fazer-se passar por uma interface Web legítima do UAG.

O que provoca a vulnerabilidade?  
A vulnerabilidade é causada quando a interface Web do UAG não consegue validar e confirmar o redireccionamento para um Web site externo.

Como poderia um intruso utilizar a vulnerabilidade?  
O intruso pode redireccionar o utilizador autenticado do UAG para uma página Web maliciosa e enganar o utilizador para que este introduza o nome de utilizador, a palavra-passe ou outras informações privadas.

Como poderia um intruso explorar a vulnerabilidade?  
Um intruso pode convencer um utilizador do UAG a clicar num URL do UAG especialmente concebido para o efeito através de uma mensagem de correio electrónico, mensagens instantâneas ou outros meios. O URL redireccionará a sessão do browser do utilizador para um site arbitrário controlado pelo intruso.

Quais os sistemas mais susceptíveis a esta vulnerabilidade?  
Os sistemas de cliente que acedem a um servidor do UAG através da interface Web são mais susceptíveis.

O que faz a actualização?  
A actualização modifica o UAG para que seja pedida uma melhor verificação antes de redireccionar um utilizador para outro Web site.

Quando este boletim de segurança foi publicado, esta vulnerabilidade já tinha sido divulgada publicamente?  
Não. A Microsoft recebeu informações sobre esta vulnerabilidade através de divulgação coordenada de vulnerabilidades.

Quando este boletim de segurança foi publicado, a Microsoft já tinha recebido informações sobre a exploração desta vulnerabilidade?  
Não. A Microsoft ainda não tinha recebido informações que indicassem que esta vulnerabilidade tivesse sido utilizada publicamente para atacar clientes, quando este boletim de segurança foi publicado pela primeira vez.

Existe uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites (XSS) no Forefront Unified Access Gateway (UAG) que poderia permitir a execução de um código de script especialmente concebido para o efeito, "disfarçado" pelo servidor. Trata-se de uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites não persistente que pode permitir a um intruso emitir comandos para o servidor do UAG no contexto do utilizador visado.

Para visualizar esta vulnerabilidade como uma entrada comum na lista de Vulnerabilidades e Exposições Comuns, consulte CVE-2010-2733.

Factores Atenuantes para a Vulnerabilidade de XSS no UAG Que Permite Elevação de Privilégios - CVE-2010-2733

A atenuação refere-se a uma definição, uma configuração comum ou uma prática recomendada geral, que existe num estado predefinido, que poderia reduzir a gravidade da exploração de uma vulnerabilidade. Os seguintes factores atenuantes podem ser úteis para a sua situação:

  • No cenário de um ataque baseado na Web, um intruso poderia alojar um Web site contendo uma página Web que fosse utilizada para explorar esta vulnerabilidade. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Em vez disso, um intruso teria de persuadir os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico, ou num programa de mensagens instantâneas, que levasse o utilizador para o Web site do intruso.

Soluções Alternativas para a Vulnerabilidade de XSS no UAG Que Permite Elevação de Privilégios - CVE-2010-2733

A Microsoft não identificou quaisquer soluções alternativas para esta vulnerabilidade.

Perguntas Mais Frequentes sobre a Vulnerabilidade de XSS no UAG Que Permite Elevação de Privilégios - CVE-2010-2733

Qual é a abrangência desta vulnerabilidade?  
Trata-se de uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites (XSS) não persistente. Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com sucesso poderia permitir a execução de código de script "disfarçado" como um Web site de terceiros. Esse código de script seria executado dentro do browser quando o utilizador visitasse o Web site, e o intruso poderia executar qualquer acção no computador do utilizador para a qual o Web site tivesse permissão. A vulnerabilidade apenas poderia ser explorada se o utilizador clicasse numa ligação de hipertexto ou numa mensagem de correio electrónico em HTML, ou se o utilizador visitasse o Web site do intruso ou um Web site com conteúdo sob controlo do intruso.

O que é a execução de scripts entre sites?  
A execução de scripts entre sites (XSS) é uma classe de vulnerabilidades de segurança que pode permitir que um intruso injecte scripts numa sessão de um utilizador com um Web site. A vulnerabilidade pode afectar servidores Web que geram dinamicamente páginas HTML. Se estes servidores incorporarem dados do browser nas páginas dinâmicas que enviam para o browser, podem ser manipulados para incluir conteúdos fornecidos maliciosamente nas páginas dinâmicas. Isto pode permitir que sejam executados scripts especialmente concebidos para o efeito. Os browsers da Web poderiam perpetuar este problema, baseados no princípio de que se tratam de sites "fidedignos" e na forma como utilizam os cookies para manter um estado persistente com os Web sites que frequentam. Um ataque XSS não modifica os conteúdos do Web site. Pelo contrário, insere scripts novos e especialmente concebidos para o efeito que podem ser executados no browser, no contexto que está associado a um servidor fidedigno.

Como funciona a execução de scripts entre sites?  
As páginas Web contêm texto e marcadores HTML. O texto e os marcadores HTML são gerados pelo servidor e são interpretados pelo cliente. Se for introduzido conteúdo não fidedigno numa página dinâmica, nem o servidor nem o cliente possuem informações suficientes para reconhecer que tal introdução teve lugar e para tomar medidas de protecção.

O que provoca a vulnerabilidade?  
Esta vulnerabilidade resulta da validação de entrada imprópria do fluxo HTTP.

Como poderia um intruso utilizar a vulnerabilidade?  
Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com êxito poderia introduzir um script no lado do cliente no browser do utilizador. O script poderia falsificar conteúdos (spoofing), divulgar informações, ou executar qualquer acção que o utilizador pudesse executar no Web site afectado em nome do utilizador visado.

Como poderia um intruso explorar a vulnerabilidade?  
Um intruso poderia explorar esta vulnerabilidade fazendo com que um utilizador visitasse o Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito. Isto pode ser feito através de qualquer meio que contenha ligações Web de URL controladas pelo intruso, tal como uma ligação numa mensagem de correio electrónico, num Web site, ou num redireccionamento de um Web site. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Um intruso teria de convencer os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico ou numa mensagem de um programa de mensagens instantâneas, que levasse os utilizadores para o Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito, ou para o Web site do intruso.

Quais os sistemas mais susceptíveis a esta vulnerabilidade?  
Os servidores do UAG com utilizadores autorizados a aceder ao UAG Web Monitor são mais susceptíveis.

O que faz a actualização?  
Esta actualização modifica a forma como o UAG Web Monitor aceita entradas.

Quando este boletim de segurança foi publicado, esta vulnerabilidade já tinha sido divulgada publicamente?  
Não. A Microsoft recebeu informações sobre esta vulnerabilidade através de divulgação coordenada de vulnerabilidades.

Quando este boletim de segurança foi publicado, a Microsoft já tinha recebido informações sobre a exploração desta vulnerabilidade?  
Não. A Microsoft ainda não tinha recebido informações que indicassem que esta vulnerabilidade tivesse sido utilizada publicamente para atacar clientes, quando este boletim de segurança foi publicado pela primeira vez.

Existe uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites (XSS) no Forefront Unified Access Gateway (UAG) que poderia permitir a execução de um código de script especialmente concebido para o efeito, "disfarçado" pelo servidor. Trata-se de uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites não persistente que pode permitir a um intruso emitir comandos para o servidor do UAG no contexto do utilizador visado.

Para visualizar esta vulnerabilidade como uma entrada comum na lista de Vulnerabilidades e Exposições Comuns, consulte CVE-2010-2734.

Factores Atenuantes para a Vulnerabilidade de Questão de XSS no Portal Web Móvel do UAG no Forefront Unified Access Gateway - CVE-2010-2734

A atenuação refere-se a uma definição, uma configuração comum ou uma prática recomendada geral, que existe num estado predefinido, que poderia reduzir a gravidade da exploração de uma vulnerabilidade. Os seguintes factores atenuantes podem ser úteis para a sua situação:

  • No cenário de um ataque baseado na Web, um intruso poderia alojar um Web site contendo uma página Web que fosse utilizada para explorar esta vulnerabilidade. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Em vez disso, um intruso teria de persuadir os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico, ou num programa de mensagens instantâneas, que levasse o utilizador para o Web site do intruso.

Soluções Alternativas para a Vulnerabilidade de Questão de XSS no Portal Web Móvel do UAG no Forefront Unified Access Gateway - CVE-2010-2734

A Microsoft não identificou quaisquer soluções alternativas para esta vulnerabilidade.

Perguntas Mais Frequentes sobre a Vulnerabilidade de Questão de XSS no Portal Web Móvel do UAG no Forefront Unified Access Gateway - CVE-2010-2734

Qual é a abrangência desta vulnerabilidade?  
Trata-se de uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites (XSS) não persistente. Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com sucesso poderia permitir a execução de código de script "disfarçado" como um Web site de terceiros. Esse código de script seria executado dentro do browser quando o utilizador visitasse o Web site, e o intruso poderia executar qualquer acção no computador do utilizador para a qual o Web site tivesse permissão. A vulnerabilidade apenas poderia ser explorada se o utilizador clicasse numa ligação de hipertexto ou numa mensagem de correio electrónico em HTML, ou se o utilizador visitasse o Web site do intruso ou um Web site com conteúdo sob controlo do intruso.

O que é a execução de scripts entre sites?  
A execução de scripts entre sites (XSS) é uma classe de vulnerabilidades de segurança que pode permitir que um intruso injecte scripts numa sessão de um utilizador com um Web site. A vulnerabilidade pode afectar servidores Web que geram dinamicamente páginas HTML. Se estes servidores incorporarem dados do browser nas páginas dinâmicas que enviam para o browser, podem ser manipulados para incluir conteúdos fornecidos maliciosamente nas páginas dinâmicas. Isto pode permitir que sejam executados scripts especialmente concebidos para o efeito. Os browsers da Web poderiam perpetuar este problema, baseados no princípio de que se tratam de sites "fidedignos" e na forma como utilizam os cookies para manter um estado persistente com os Web sites que frequentam. Um ataque XSS não modifica os conteúdos do Web site. Pelo contrário, insere scripts novos e especialmente concebidos para o efeito que podem ser executados no browser, no contexto que está associado a um servidor fidedigno.

Como funciona a execução de scripts entre sites?  
As páginas Web contêm texto e marcadores HTML. O texto e os marcadores HTML são gerados pelo servidor e são interpretados pelo cliente. Se for introduzido conteúdo não fidedigno numa página dinâmica, nem o servidor nem o cliente possuem informações suficientes para reconhecer que tal introdução teve lugar e para tomar medidas de protecção.

O que provoca a vulnerabilidade?  
Esta vulnerabilidade resulta da validação de entrada imprópria do fluxo HTTP.

O que é o portal móvel do UAG?  
O Forefront UAG fornece vários portais front-end para permitir que uma vasta gama de dispositivos de ponto final aceda às aplicações publicadas pelo administrador. Os portais móveis correspondem a dispositivos portáteis de ponto final. O portal móvel do Forefront UAG não está activado por predefinição.

Como poderia um intruso utilizar a vulnerabilidade?  
Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com êxito poderia introduzir um script no lado do cliente no browser do utilizador. O script poderia falsificar conteúdos (spoofing), divulgar informações, ou executar qualquer acção que o utilizador pudesse executar no Web site afectado em nome do utilizador visado.

Como poderia um intruso explorar a vulnerabilidade?  
Um intruso poderia explorar esta vulnerabilidade fazendo com que um utilizador visitasse o Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito. Isto pode ser feito através de qualquer meio que contenha ligações Web de URL controladas pelo intruso, tal como uma ligação numa mensagem de correio electrónico, num Web site, ou num redireccionamento de um Web site. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Um intruso teria de convencer os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico ou numa mensagem de um programa de mensagens instantâneas, que levasse os utilizadores para o Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito, ou para o Web site do intruso.

Quais os sistemas mais susceptíveis a esta vulnerabilidade?  
Os sistemas do UAG com utilizadores e administradores que estejam autenticados face ao UAG são mais susceptíveis.

O que faz a actualização?  
Esta actualização modifica a forma como o portal móvel do UAG aceita entradas.

Quando este boletim de segurança foi publicado, esta vulnerabilidade já tinha sido divulgada publicamente?  
Não. A Microsoft recebeu informações sobre esta vulnerabilidade através de divulgação coordenada de vulnerabilidades.

Quando este boletim de segurança foi publicado, a Microsoft já tinha recebido informações sobre a exploração desta vulnerabilidade?  
Não. A Microsoft ainda não tinha recebido informações que indicassem que esta vulnerabilidade tivesse sido utilizada publicamente para atacar clientes, quando este boletim de segurança foi publicado pela primeira vez.

Existe uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites (XSS) no Forefront Unified Access Gateway (UAG) que poderia permitir a execução de um código de script especialmente concebido para o efeito, "disfarçado" pelo servidor. Trata-se de uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites não persistente que pode permitir a um intruso emitir comandos para o servidor do UAG no contexto do utilizador visado.

Para visualizar esta vulnerabilidade como uma entrada comum na lista de Vulnerabilidades e Exposições Comuns, consulte CVE-2010-3936.

Factores Atenuantes para a Vulnerabilidade de XSS no Signurl.asp - CVE-2010-3936

A atenuação refere-se a uma definição, uma configuração comum ou uma prática recomendada geral, que existe num estado predefinido, que poderia reduzir a gravidade da exploração de uma vulnerabilidade. Os seguintes factores atenuantes podem ser úteis para a sua situação:

  • No cenário de um ataque baseado na Web, um intruso poderia alojar um Web site contendo uma página Web que fosse utilizada para explorar esta vulnerabilidade. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Em vez disso, um intruso teria de persuadir os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico, ou num programa de mensagens instantâneas, que levasse o utilizador para o Web site do intruso.

Soluções Alternativas para a Vulnerabilidade de XSS no Signurl.asp - CVE-2010-3936

A Microsoft não identificou quaisquer soluções alternativas para esta vulnerabilidade.

Perguntas Mais Frequentes sobre a Vulnerabilidade de XSS no Signurl.asp - CVE-2010-3936

Qual é a abrangência desta vulnerabilidade?  
Trata-se de uma vulnerabilidade de execução de scripts entre sites (XSS) não persistente. Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com sucesso poderia permitir a execução de código de script "disfarçado" como um Web site de terceiros. Esse código de script seria executado dentro do browser quando o utilizador visitasse o Web site, e o intruso poderia executar qualquer acção no computador do utilizador para a qual o Web site tivesse permissão. A vulnerabilidade apenas poderia ser explorada se o utilizador clicasse numa ligação de hipertexto ou numa mensagem de correio electrónico em HTML, ou se o utilizador visitasse o Web site do intruso ou um Web site com conteúdo sob controlo do intruso.

O que é a execução de scripts entre sites?  
A execução de scripts entre sites (XSS) é uma classe de vulnerabilidades de segurança que pode permitir que um intruso injecte scripts numa sessão de um utilizador com um Web site. A vulnerabilidade pode afectar servidores Web que geram dinamicamente páginas HTML. Se estes servidores incorporarem dados do browser nas páginas dinâmicas que enviam para o browser, podem ser manipulados para incluir conteúdos fornecidos maliciosamente nas páginas dinâmicas. Isto pode permitir que sejam executados scripts especialmente concebidos para o efeito. Os browsers da Web poderiam perpetuar este problema, baseados no princípio de que se tratam de sites "fidedignos" e na forma como utilizam os cookies para manter um estado persistente com os Web sites que frequentam. Um ataque XSS não modifica os conteúdos do Web site. Pelo contrário, insere scripts novos e especialmente concebidos para o efeito que podem ser executados no browser, no contexto que está associado a um servidor fidedigno.

Como funciona a execução de scripts entre sites?  
As páginas Web contêm texto e marcadores HTML. O texto e os marcadores HTML são gerados pelo servidor e são interpretados pelo cliente. Se for introduzido conteúdo não fidedigno numa página dinâmica, nem o servidor nem o cliente possuem informações suficientes para reconhecer que tal introdução teve lugar e para tomar medidas de protecção.

O que provoca a vulnerabilidade?  
Esta vulnerabilidade resulta da validação de entrada imprópria do fluxo HTTP.

Como poderia um intruso utilizar a vulnerabilidade?  
Um intruso que explorasse esta vulnerabilidade com êxito poderia introduzir um script no lado do cliente no browser do utilizador. O script poderia falsificar conteúdos (spoofing), divulgar informações, ou executar qualquer acção que o utilizador pudesse executar no Web site afectado em nome do utilizador visado.

Como poderia um intruso explorar a vulnerabilidade?  
Um intruso poderia explorar esta vulnerabilidade fazendo com que um utilizador visitasse o Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito. Isto pode ser feito através de qualquer meio que contenha ligações Web de URL controladas pelo intruso, tal como uma ligação numa mensagem de correio electrónico, num Web site, ou num redireccionamento de um Web site. Além disso, os Web sites afectados e os Web sites que aceitam ou alojam conteúdos ou anúncios fornecidos por utilizadores poderiam conter conteúdos especialmente concebidos que poderiam explorar esta vulnerabilidade. Contudo, em qualquer dos casos, o intruso não teria forma de forçar os utilizadores a visitar estes Web sites. Um intruso teria de convencer os utilizadores a visitar o Web site, levando-os normalmente a clicar numa hiperligação presente numa mensagem de correio electrónico ou numa mensagem de um programa de mensagens instantâneas, que levasse os utilizadores para o Web site afectado utilizando um URL especialmente concebido para o efeito, ou para o Web site do intruso.

Quais os sistemas mais susceptíveis a esta vulnerabilidade?  
Os sistemas que executam o UAG são mais susceptíveis.

O que faz a actualização?  
Esta actualização modifica a forma como o Signurl.asp do UAG aceita entradas.

Quando este boletim de segurança foi publicado, esta vulnerabilidade já tinha sido divulgada publicamente?  
Não. A Microsoft recebeu informações sobre esta vulnerabilidade através de divulgação coordenada de vulnerabilidades.

Quando este boletim de segurança foi publicado, a Microsoft já tinha recebido informações sobre a exploração desta vulnerabilidade?  
Não. A Microsoft ainda não tinha recebido informações que indicassem que esta vulnerabilidade tivesse sido utilizada publicamente para atacar clientes, quando este boletim de segurança foi publicado pela primeira vez.

Informação de actualização

Faça a gestão do software e actualizações de segurança de que necessita para implementação em servidores, ambientes de trabalho e sistemas portáteis na sua organização. Para mais informações, visite o Centro de Gestão de Actualizações TechNet. O Web Site Microsoft TechNet Security fornece informações adicionais sobre segurança em produtos Microsoft.

As actualizações de segurança estão disponíveis no Centro de Transferências da Microsoft. Pode encontrá-las mais facilmente através de uma procura pelas palavras "security update". Estas actualizações também serão fornecidas através dos nossos outros métodos de distribuição habituais assim que a fase de testes tenha sido concluída, de forma a garantir que a distribuição será bem sucedida através destes canais.

Software Afectado

Para obter mais informações sobre a actualização de segurança específica do software afectado, clique na ligação adequada:

Forefront Unified Access Gateway 2010 (todas as versões)

Tabela de Referência

A tabela seguinte contém a informação sobre a actualização de segurança para este software. Pode encontrar informações adicionais na subsecção Informações de Implementação, nesta secção.

Inclusão em Service Packs Futuros A actualização para esta questão será incluída num service pack ou num update rollup futuro
Implementação
Instalação sem intervenção do utilizadorPara o Forefront Unified Access Gateway 2010 (KB2433585):
UAG-KB2433585-v4.0.1101.052-ENU.msp /quiet
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 (KB2433584):
UAG-KB2433584-v4.0.1152.150-ENU.msp/quiet
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 (KB2418933):
UAG-KB2418933-v4.0.1269.250-ENU.msp /quiet
Instalação sem reiniciarPara o Forefront Unified Access Gateway 2010 (KB2433585):
UAG-KB2433585-v4.0.1101.052-ENU.msp /norestart
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 (KB2433584):
UAG-KB2433584-v4.0.1152.150-ENU.msp /norestart
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 (KB2418933):
UAG-KB2418933-v4.0.1269.250-ENU.msp /norestart
Ficheiro log da actualizaçãoPara o Forefront Unified Access Gateway 2010 (KB2433585):
MSI2433585.log
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 (KB2433584):
MSI2433584.log
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 (KB2418933):
MSI2418933.log
Informações adicionaisConsultar a subsecção Orientações e ferramentas de detecção e implementação
Requisito de Reinício
Reinício necessário?Em alguns casos, esta actualização não requer um reinício. Se os ficheiros necessários estiverem a ser utilizados, esta actualização obrigará a reiniciar o computador. Se for esse o caso, será apresentada uma mensagem aconselhando-o a reiniciar.

Para ajudar a reduzir a hipótese de ser necessário reiniciar o computador, interrompa todos os serviços afectados e feche todas as aplicações que possam usar os ficheiros afectados antes de instalar a actualização de segurança. Para mais informações sobre por que razão pode ser solicitada a sua confirmação para o reinício, consulte o Artigo 887012 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft.
HotPatchingNão aplicável
Informações de Remoção Utilize a janela de Actualizações Instaladas como Administrador integrado ou execute msiexec a partir de uma linha de comandos elevada.
Informações de Ficheiros Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 (KB2433585):
Consulte o Artigo 2433585 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 (KB2433584):
Consulte o Artigo 2433584 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 (KB2418933):
Consulte o Artigo 2418933 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft
Verificação da Chave de Registo Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 (KB2433585):
\HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\Installer\UserData\S-1-5-18\Components\1F535B6CD0A46D11CA9800102002AF58\E85EC0B9221C4BC4081C15D414260CC7\C3580717-F275-4FF0-A7C1-C3E5402104B5
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 1 (KB2433584):
\HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\Installer\UserData\S-1-5-18\Components\1F535B6CD0A46D11CA9800102002AF58\E85EC0B9221C4BC4081C15D414260CC7\5D66AE29-0C7A-4DFB-A7D1-242F99FCE110
Para o Forefront Unified Access Gateway 2010 Update 2 (KB2418933):
\HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\Installer\UserData\S-1-5-18\Components\1F535B6CD0A46D11CA9800102002AF58\E85EC0B9221C4BC4081C15D414260CC7\2E0821E6-01CC-49AD-9A29-AB8D1179E981

Informações de Implementação

Instalação da Actualização

Quando instala esta actualização de segurança, o programa de instalação verifica se um ou mais ficheiros que estão a ser actualizados no seu sistema foram alvo de uma actualização anterior através de um hotfix da Microsoft.

Caso tenha instalado anteriormente um hotfix para actualizar um destes ficheiros, o programa de instalação copia os ficheiros RTMQFE, SP1QFE ou SP2QFE para o sistema. Caso contrário, o programa de instalação copia os ficheiros RTMGDR, SP1GDR ou SP2GDR para o sistema. As actualizações de segurança podem não conter todas as variantes destes ficheiros. Para mais informações sobre este comportamento, consulte o Artigo 824994 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft.

Para mais informações sobre o programa de instalação, consulte o Artigo 832475 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft.

Para mais informações sobre a terminologia que é usada neste boletim, tal como hotfix, consulte o Artigo 824684 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft.

Esta actualização de segurança suporta os seguintes parâmetros de configuração.

Parâmetros de Instalação de Actualizações de Segurança Suportados
ParâmetroDescrição
/help Apresenta as opções da linha de comandos.
Modos de Configuração
/passive Modo de Configuração Automático. Não é necessária qualquer intervenção por parte do utilizador, mas é apresentado o estado da instalação. Se for necessário um reinício no final da Configuração, será mostrada ao utilizador uma caixa de diálogo com um temporizador, avisando que o computador irá reiniciar passados 30 segundos.
/quiet Modo silencioso. É o mesmo que o modo automático, mas não são apresentadas mensagens de estado ou de erro.
Opções de Reinício
/norestart Não reinicia quando a instalação estiver concluída.
/forcerestart Reinicia o computador depois da instalação e força as outras aplicações a fechar durante o processo de encerramento, sem antes gravar os ficheiros abertos.
/warnrestart[:x] Apresenta uma caixa de diálogo com um temporizador avisando o utilizador de que o computador irá reiniciar dentro de x segundos. (A predefinição é de 30 segundos.) Destinado a ser usado com os parâmetros /quiet ou /passive.
/promptrestart Apresenta uma caixa de diálogo pedindo ao utilizador local que autorize o reinício.
Opções Especiais
/overwriteoem Substitui ficheiros OEM sem aviso.
/nobackup Não faz cópias de segurança dos ficheiros necessários para desinstalação.
/forceappsclose Força outros programas a fechar quando o computador é encerrado.
/log:path Permite o redireccionamento de ficheiros de registo de instalação.
/integrate:path Integra a actualização nos ficheiros de origem do Windows. Estes ficheiros estão localizados no caminho que é especificado no parâmetro.
/extract[:path] Extrai ficheiros sem iniciar o programa de Configuração.
/ER Activa o fornecimento de informações sobre erros alargados.
/verbose Activa registo com informações detalhadas. Durante a instalação, cria %Windir%\CabBuild.log. Este registo especifica os ficheiros que são copiados. Usar este parâmetro pode fazer com que a instalação decorra mais lentamente.

Nota É possível combinar estes parâmetros num único comando. Para efeitos de retro-compatibilidade, a actualização de segurança também suporta os parâmetros de configuração que são utilizados pelas versões anteriores do Programa de Configuração. Para mais informações sobre os parâmetros de instalação suportados, consulte o Artigo 262841 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft.

Nota para esta actualização Não é possível combinar /quiet e /forcerestart para esta actualização. Consulte esta questão conhecida sobre opções de parâmetros de instalação no Artigo 2316074 da Base de Dados de Conhecimento da Microsoft.

Remoção da Actualização

Esta actualização de segurança suporta os seguintes parâmetros de configuração.

Parâmetros Spuninst.exe Suportados
ParâmetroDescrição
/help Apresenta as opções da linha de comandos.
Modos de Configuração
/passive Modo de Configuração Automático. Não é necessária qualquer intervenção por parte do utilizador, mas é apresentado o estado da instalação. Se for necessário um reinício no final da Configuração, será mostrada ao utilizador uma caixa de diálogo com um temporizador, avisando que o computador irá reiniciar passados 30 segundos.
/quiet Modo silencioso. É o mesmo que o modo automático, mas não são apresentadas mensagens de estado ou de erro.
Opções de Reinício
/norestart Não reinicia quando a instalação estiver concluída
/forcerestart Reinicia o computador depois da instalação e força as outras aplicações a fechar durante o processo de encerramento, sem antes gravar os ficheiros abertos.
/warnrestart[:x] Apresenta uma caixa de diálogo com um temporizador avisando o utilizador de que o computador irá reiniciar dentro de x segundos. (A predefinição é de 30 segundos.) Destinado a ser usado com os parâmetros /quiet ou /passive.
/promptrestart Apresenta uma caixa de diálogo pedindo ao utilizador local que autorize o reinício.
Opções Especiais
/forceappsclose Força outros programas a fechar quando o computador é encerrado.
/log:path Permite o redireccionamento de ficheiros de registo de instalação.

Verificar Se a Actualização Foi Aplicada

  • Microsoft Baseline Security Analyzer

    Para verificar se uma actualização de segurança foi aplicada num sistema afectado, poderá utilizar a ferramenta Microsoft Baseline Security Analyzer (MBSA). Consulte a secção "Orientações e ferramentas de detecção e implementação" mais acima neste boletim para obter mais informações.

  • Verificação das Versões dos Ficheiros

    Dado existirem várias edições do Microsoft Windows, os passos que se seguem podem ser diferentes no seu sistema. Caso efectivamente o sejam, consulte a documentação do produto para executar estes passos.

    1. Clique em Iniciar e, em seguida, em Procurar.
    2. No painel Resultados da Procura, clique em Todos os ficheiros e pastas no Assistente de Pesquisa.
    3. Na caixa Totalidade ou parte do nome de ficheiro, escreva um nome de ficheiro a partir da tabela de informações de ficheiros adequada e, em seguida, clique em Procurar.
    4. Na lista de ficheiros, clique com o botão direito do rato no nome de ficheiro a partir da tabela de informações de ficheiros adequada e, em seguida, clique em Propriedades.

      Nota Dependendo da edição do sistema operativo, ou dos programas instalados no sistema, alguns dos ficheiros incluídos na tabela de informações de ficheiro poderão não estar instalados.
    5. No separador Versão, determine a versão do ficheiro que está instalada no sistema, comparando-a com a versão que é documentada na tabela de informações de ficheiros adequada.

      Nota Outros atributos que não a versão do ficheiro poderão sofrer alterações durante a instalação. Comparar outros atributos de ficheiro com as informações contidas na tabela de informações de ficheiro não é um método suportado para verificar a aplicação da actualização. Além disso, em determinados casos, o nome dos ficheiros poderá ser alterado durante a instalação. Se as informações de ficheiro ou de versão não estiverem presentes, utilize um dos outros métodos disponíveis para verificar a instalação da actualização.
  • Verificação da Chave de Registo

    Poderá também verificar os ficheiros instalados por esta actualização de segurança consultando as chaves de registo listadas na Tabela de Referência, nesta secção.

    Estas chaves de registo poderão não conter uma lista completa dos ficheiros instalados. Além disso, estas chaves de registo poderão não ser criadas correctamente se um administrador ou um OEM integrar ou associar esta actualização de segurança aos ficheiros de origem de instalação do Windows.

Outras informações

Agradecimentos

A Microsoft agradece às seguintes entidades por trabalharem connosco para proteger os clientes:

  • Eyal Gruner, da BugSec, por colaborar connosco na Vulnerabilidade de Spoofing de Redireccionamento no UAG (CVE-2010-2732)
  • Eyal Gruner, da BugSec, por colaborar connosco na Vulnerabilidade de XSS no UAG Que Permite Elevação de Privilégios (CVE-2010-2733)
  • Eyal Gruner, da BugSec, por colaborar connosco na Vulnerabilidade de XSS no Signurl.asp (CVE-2010-3936)

Microsoft Active Protections Program (MAPP)

Para melhorar as protecções de segurança dos clientes, a Microsoft fornece informações sobre as vulnerabilidades aos principais fornecedores de software de segurança antes de cada publicação mensal de actualizações de segurança. Os fornecedores de software de segurança podem então utilizar estas informações sobre as vulnerabilidades para assegurar protecções actualizadas aos clientes através do seu software ou dispositivos de segurança, tais como antivírus, sistemas de detecção de intrusos com base na rede ou sistemas de prevenção de intrusões com base no anfitrião. Para determinar se as protecções activas estão disponíveis nos fornecedores de software de segurança, visite os Web sites de protecções activas disponibilizados pelos parceiros do programa, indicados na lista de parceiros do Microsoft Active Protections Program (MAPP).

Assistência

  • Os clientes nos E.U.A. e no Canadá podem receber suporte técnico através do Suporte de Segurança ou da linha 1-866-PCSAFETY. As chamadas de suporte técnico associadas a actualizações de segurança são gratuitas. Para obter mais informações sobre opções de suporte disponíveis, consulte a Ajuda e Suporte da Microsoft.
  • Os clientes internacionais podem receber suporte das subsidiárias locais da Microsoft. O suporte técnico associado às actualizações de segurança é gratuito. Para mais informações sobre como contactar a Microsoft relativamente a questões de suporte, visite o Web site de Suporte Internacional.

Exclusão de garantia

As informações fornecidas na Base de Dados de Conhecimento da Microsoft são fornecidas "tal como estão", sem garantias de qualquer tipo. A Microsoft exclui todas as garantias, sejam expressas ou implícitas, incluindo as garantias de comercialização e adequação a um fim específico. Em caso algum serão a Microsoft Corporation ou os seus fornecedores responsáveis por quaisquer prejuízos, incluindo prejuízos directos, indirectos, incidentais ou consequentes, extraordinários ou por perda de lucros negociais, ainda que a Microsoft Corporation, ou os seus fornecedores tenham sido notificados da possibilidade de ocorrência de tais prejuízos. A exclusão ou limitação de responsabilidade por prejuízos consequentes ou incidentais não é permitida em alguns estados ou jurisdições, pelo que a limitação supra poderá não ser aplicável.

Revisões

  • V1.0 (9 de Novembro de 2010): Boletim publicado.

Built at 2014-04-18T01:50:00Z-07:00

Mostrar: